setembro 30, 2005

Massagens nos pés - Parte II

Como massagear

Para a massagem em si eu uso principalmente os polegares. A pressão tem que ser feita com vontade. Massageie em movimentos circulares desde o calcanhar até as pontas dos dedos.

Tem que ser feito com calma, pedaço por pedaço da planta, de cima abaixo. Uma massagem gostosa é irresistível para qualquer mulher.

Se em algum ponto a mulher sentir cócegas ou dor é preciso evitá-lo. Por outro lado se ela der um indicativo que tem algum ponto que ela goste mais é ali que você deve caprichar.

As vantagens durante o sexo anal

Massagem é muito bom, mas, vamos enumerar alguns dos motivos para você fazer
1 – Algumas mulheres ficam com muito tesão quando massageadas nos pés. E isso é ótimo, quanto mais tesão melhor
2 – Outras sentem-se muito relaxadas. Para o sexo anal isso é ótimo, pois, quanto mais relaxada mais fácil será a penetração e menor a possibilidade dela sentir dor.
3 – A novidade geralmente é bem vinda. As garotas adoram quando você chega para ela e diz que tem uma novidade para fazer. Não precisa ser algo genial, mas, um truquezinho como esse cai bem.
4 – Como eu disse antes, eu acredito que deve existir algum ponto do pé que quando tocado causa um orgasmo imediato. Não achei esse ponto, mas, se você achar, me diga.

Conclusão:

Virtualmente todos gostam de sexo e massagem. Sendo habilidoso você irá combinar os dois e causar uma boa impressão nas mulheres.

Posted by Erótico e Sensual at 11:59 PM | Comentários: (0)

Noite no hospital

Sentado no sofá de tons verdes apalpei o bolso à procura do maço de cigarros. Um gesto que repeti infinitamente nessa noite que os tinha esquecido.
Por detrás de uma porta de vidro martelado conseguia distinguir dois vultos graciosos que cochichavam e riam com gestos rápidos do corpo.
Continuava a sentir uma impressão dolorosa nas costelas do lado esquerdo. Respirava em movimentos pausados e breves para não sentir o agravamento da dor.
Entretive-me, num jogo paciente, a contar as lâmpadas da sala, com a finalidade de diluir o tempo de espera. Tudo estava anormalmente calmo nas Urgências do Hospital.
Finalmente, uma jovem sorridente e elegante, de bata imaculadamente branca, com um decote pronunciado que fazia adivinhar um apetecível peito, pronunciou, com a voz bem timbrada, o meu nome
— Senhor Manuel Marques
Estranhei o tratamento de senhor e levantei-me mecanicamente, sentido uma ligeira pontada nas costelas do lado esquerdo.
— Sou eu
disse com voz que a mim próprio soou empastada.
— Entre para o gabinete do seu lado esquerdo ... tire o casaco e sente-se ... A senhora doutora não demora.
Ao acomodar-me na cadeira pensei que esta era menos confortável do que o sofá. Olhei com curiosidade para os aparelhos médicos que repousavam em cima da secretária e tentei identificá-los pelos nomes técnicos. Com tudo isto esqueci-me de despir o casaco.
— Boa noite ...
cumprimentou a médica ao entrar apressada. Deparei com uma mulher de meia idade, talvez de trinta e muitos anos, quem sabe quarenta. Sentou-se à minha frente irradiando uma hiper-actividade. Era magra e não teria mais de um metro e sessenta e cinco. Em fracções de segundos reparei nas suas mãos que eram muito brancas e pequenas com as unhas bem tratadas. Sempre me senti irresistivelmente atraído pelas mãos femininas. Do bolso da sua bata espreitava a escala de um termómetro.
— Então ...
e olhou para os papeis que estavam na sua secretária
— senhor Manuel
Encarando-me novamente
— que se passa para vir às urgências.
Recitei, com uma voz que transbordava de timidez, o pontapé de que tinha sido vítima na zona das costelas enquanto jogava futebol com os meus amigos
— levei um pontapé aqui ...
Toquei ao de leve no meu lado esquerdo e devo ter exprimido dor com trejeitos do rosto
— Dói-me sempre que toco ... e quando faço uma inspiração mais profunda.
Vi a médica a levantar-se em silêncio e a retirar, com os dedos ágeis, o estetoscópio da caixa.
— E quando respira normalmente também sente dor?
— Não ... por exemplo agora não me dói.
— Dispa o casaco e levante a camisa ... vou auscultá-lo.
Em movimentos lentos cumpri a ordem enquanto a médica ajustava o estetoscópio.
— Respire fundo e de forma continuada.
Tacteava o meu corpo jovem, enquanto repetia as indicações sobre a forma de respirar.
— Não deve estar partido ... deverá ser uma lesão muscular. ... Não saia daqui. Já volto.
Enquanto estava sentado Voltei a ouvir cochichos imperceptíveis e risos declarados. Estava mais aliviado com o diagnóstico médico.
Passaram mais vinte minutos e entretanto voltei a procurar nos bolsos o maço de tabaco mas, pensei, mesmo que o tivesse ali não poderia fumar. Percorri interminavelmente com os olhos o pequeno gabinete. Uma secretária moderna, uma cama, um cabide e duas cadeiras formavam a parca mobília do minúsculo escritório.
De repente ouvi que a porta se abria e por ela entravam a médica e a enfermeira.
A primeira disse
— A senhora enfermeira vai aplicar-lhe uma injecção de um anti-inflamatório ... não tem medo de agulhas pois não.
E com este último comentário médica e enfermeira soltaram uma ligeira gargalhada.
Balbuciei qualquer coisa, que eu nem ninguém percebeu, enquanto a enfermeira depunha as seringas plásticas em cima da secretária. Dirigindo-se a mim disse
— Pode baixar as calças e deitar-se na marquesa ... a injecção é aplicada nas nádegas.
Com as mãos tremelicantes, pois não me sentia à vontade perante duas mulheres, desapertei o cinto, o botão das calças e abri o fecho. Puxei ligeiramente as cuecas.
— Baixe as cuecas mais um bocadinho e deite-se na marquesa.
Repetiu a enfermeira num tom mais enérgico.
Baixei as cuecas um pouco mais e deitei-me de barriga para baixo na marquesa.
— Vai ser só uma pica
Disse sorrindo a enfermeira e piscando o olho com a médica, também ela sorridente.
— Está a doer
— Não ... nada
— Está a ver ... a senhora enfermeira tem umas mãos de fada.
A médica fez à enfermeira um sinal com a palma da mão que, inicialmente, não compreendi. Mas que fiquei a perceber quando a enfermeira me aplicou uma palmada sonora no traseiro
— E esta ... doeu
— ... Nada
Respondi surpreendido e confuso. A enfermeira com movimentos bruscos despojou-me das calças e cuecas. Não ofereci qualquer resistência.
— Agora não se mexa sem a minha autorização
Advertiu a médica com um tom agressivo.
— Vamos castigá-lo por nos ter vindo importunar sem qualquer motivo urgente.
Nisto, abriu a gaveta da secretária de onde retirou uma palmatória de madeira, semelhante a uma raquete de ping-pong, só que com o cabo mais cumprido, e entregou-a à sempre sorridente, e agora diligente, enfermeira.
— Levante os joelhos ... ofereça o seu traseiro às palmatoadas da senhora enfermeira.
Obedeci prontamente e a enfermeira não esperou mais tempo. Levantou o braço e fez cair a palmatória com estrondo nas minhas assustadas nádegas. Com tanta força que não consegui reprimir um grito agudo.
Enquanto a enfermeira repetia este movimento, com uma violência crescente, a médica dizia calmamente
— Não se atreva a mexer ... está a ser castigado. ... Faz o favor de não gritar senão terei de lhe colocar uma mordaça ... olhe que eu cumpro sempre as minhas ameaças
As pancadas choviam copiosamente no meu traseiro, que devia estar cada vez mais vermelho, eu mordia os lábios e respirava de forma ofegante.
— Dou-lhe mais dez?
Perguntou a enfermeira.
— Aplica-lhe mais vinte.
Não queria acreditar no que me estava a acontecer. As palmatoadas pareciam queimar-me as nádegas, a dor era insuportável. Ao cruzar o meu olhar aflito com o olhar frio da médica descortinei o gosto sádico com que assistia à aplicação do castigo.
Terminada a aplicação das vinte prometidas palmatoadas a médica, com o termómetro seguro na sua mão direita ameaçou
— Vou verificar se tem temperatura. Descontraia o ânus senão pode ser doloroso.
E imediatamente impulsionou o referido objecto pelo meu recto virgem. Repetiu um vai e vem langoroso enquanto a enfermeira despia a sua bata
— Necessito de um orgasmo ... vire-se de barriga para cima para que a senhora enfermeira o possa excitar.
Ainda estonteado pelo tratamento que me haviam aplicado, rolei na marquesa e reparei na nudez da enfermeira. Uma mulher alta e magra. O peito rijo testemunhava o seu cuidado em manter uma boa forma física. As mãos eram largas mas finas com os dedos muito compridos.
O meu pénis foi manipulado pelas mãos experientes da enfermeira. A médica, apenas com a bata vestida, sentou-se em cima da minha cara. Senti o calor e o cheiro intenso da sua vagina
— Vai fazer-me um belo minete ... quero que essa língua trabalhe bem ... isso ... fode-me com a língua ... vai mais fundo ... isso ... isso ... não pares ... continua ... mais fundo ... ahhhh ahhhhhhh
A enfermeira lambia com sofreguidão o meu potente pénis. Cuspia-me na glande que parecia explodir.
— Senhora enfermeira vamos trocar de posições ... este jovem tem uma língua de veludo, vai ver.
A médica enfia de forma violenta o meu pénis na sua vagina e inicia uma louca cavalgada. A enfermeira esfregava o clitóris na minha língua cansada. Mesmo assim esforcei-me para a satisfazer. Passados alguns minutos senti nitidamente que a excelentíssima senhora doutora tinha atingido o desejado orgasmo
— Bom é bom ... estou quase vir-me ... ah ahhhhh ahhhhhhhhh
— Senhora doutora não deixe que ele se venha ... também o quero experimentar.
Médica e enfermeira voltam a trocar de posições. Agora sugava com a língua a vagina molhada da doutora enquanto a enfermeira se encavava com golpes profundos no meu pénis.
— Que rica piça ... também me vou vir ... não posso mais ... ah ahhhhhhh.
Satisfeitas, as duas mulheres inclinam-se para a frente e beijam-se longamente sem abandonarem as suas posições.
Agora a médica sentava-se na cadeira junto à secretária e alisando a bata com as mãos diligentes, ordenava que me dobrasse sobre os seus joelhos. Nem pensei em desobedecer-lhe.
Aplicou-me com força algumas palmadas enquanto me dizia rindo e fazendo rir a enfermeira
— É este o tratamento que aplico a meninos mal comportados e irreverentes
Por alguns instantes no minúsculo gabinete só se ouvia o som das palmadas no meu traseiro ... trás, trás, trás, trás, trás, trás, trás, trás ...
— Levante-se ... agora de joelhos agradeça o tratamento que lhe apliquei
— Sim senhora
Respondi inocentemente, recebendo de seguida uma estrondosa bofetada no rosto
— Senhora doutora se faz favor... parece que ainda não aprendeu ... sente-se no colo da senhora enfermeira. São necessárias mais algumas palmadas para ser mais educado.
O sorriso da enfermeira era enorme. Cabisbaixo dirigi-me para o seu colo reparando, com terror, que ela descalçava um chinelo com sola de pneu.
As chineladas começaram imediatamente a cair no meu desprotegido traseiro
— Sempre gostei de castigar meninos marotos ... principalmente quando têm um rabinho tão jeitoso
Voltaram a ecoar os risos e depois novamente o som das chineladas ficou isolado trás, trás, trás, trás, trás, trás, trás, trás, trás, trás, trás ...
— Está bom. Parece-me mais dócil. Agradeça de joelhos à senhora enfermeira os cuidados que tem consigo.
De joelhos beijei, verdadeiramente agradecido, as mãos do meu carrasco.
Era tanta a dor que sentia no meu traseiro que já não sentia a dor nas costelas que ali me tinha levado.
Enfermeira e médica afastaram-se sorridentes, novamente com cochichos imperceptíveis enquanto, de joelhos, procurei novamente o maço de cigarros nos bolsos do meu casaco.

Posted by Erótico e Sensual at 11:31 PM | Comentários: (0)

Sarjeta

         Um miúdo e uma miúda de cinco anos brincam num jardim. O rapaz:
        - Olha! Encontrei um preservativo na sarjeta.
        Ela, admirada:
        - Mas.... o que é uma sarjeta?

Posted by Erótico e Sensual at 11:21 PM | Comentários: (0)

Belos sapatos

Posted by Erótico e Sensual at 08:25 PM | Comentários: (0)

Escova de dentes

         Um miúdo vê a mãe despida e, apontando o sexo, pergunta:
        - O que é isso com tantos cabelos?
        - Então filho isto é.... é.... é uma escova de dentes.
        - Aaaahhhh!!!
        - Ah! O quê?
        - Nada, nada. Era só o pai que estava a lavar os dentes com a escova da empregada no outro dia.

Posted by Erótico e Sensual at 06:25 PM | Comentários: (0)

Caldo de mexilhões

 Ingredientes:


  • 200 g de mexilhões;

  • 2 colheres de sopa de natas;

  • 1 gema de ovo;

  • 3 grãos de pimenta branca;

  • noz moscada em pó q.b.;

  • 1 colher de chá cheia de manteiga;

  • 150 g de espinafres;

  • 6 camarões;

  • 1/2 colher de café de açafrão;

  • 2 colheres de sopa de sumo de limão;

  • 6 dl de caldo de marisco;

  • 1 molhinho de salsa.

Confecção:


Lavar e esfregar muito bem os mexilhões.
Levar um tacho ao lume com um pouco de água, os grãos de pimenta, o sumo de limão e uns pezinhos de salsa.
Quando ferver, juntar os mexilhões para que abram.
Depois de abertos retire-os com cuidado da casca e reserve-os.
Lavar muito bem as folhas de espinafres e cortá-las finamente.
Levar a manteiga ao lume num tacho e assim que derreter juntar os espinafres, deixando estufar um pouco em lume brando mexendo de vez em quando.
Temperar com a noz-moscada e a pimenta.
Regar com o caldo e deixar ferver durante 5 minutos.
Passado esse tempo adicionar o açafrão, os camarões meio descascados deixando as cabeças e o mexilhão, deixar ferver mais 3 minutos.
Bater a gema de ovo com as natas.
Retire o tacho do lume e junte a mistura de natas mexendo bem para ligar.
Sirva quente polvilhado com um pouco de coentros picados.
Acompanhe com quadradinhos de pão torrado.

Posted by Erótico e Sensual at 06:18 PM | Comentários: (0)

Kasandra






Ela espera-vos

Posted by Erótico e Sensual at 05:40 PM | Comentários: (0)

Massagens nos pés - Parte I

Introdução

Os pés são sensíveis.
Segundo algumas culturas orientais, os pés possuem terminações para todas as partes do corpo. Pessoalmente falando, já senti várias vezes uma pequena batida em algum ponto da mão provocar um reflexo na boca, ou em alguma outra parte do corpo.
Tomo isso como um indício que a máxima dos pés ligados ao corpo deve ser verdade. Ainda estou a procura do Santo Graal da massagem que faça com que leves toques em alguma parte do corpo sem ser os genitais leve uma mulher ao orgasmo.
Independente de qualquer coisa, é uma verdade que virtualmente toda mulher gosta de uma massagem nos pés, seja ela de caráter sexual ou não.


Posição para a massagem

Como falamos antes, essa massagem é para ser feita durante o sexo, durante a penetração em si, e isso é que é o legal nela. Para isso vou citar duas posições principais. Algumas eu deixo para mim, também tenho que ter segredos, e outras deixo para a sua imaginação.

1 – Sentada de costas - Coqueirinho:
Essa é muito boa por exaltar a preferência nacional. Eu pego a gata e coloco ela sentada sobre o meu pênis, e eu fico deitado confortavelmente com um travesseiro na cabeça. Detalhe importante, ela deve sentar sobre os joelhos, naquela posição budista.
Ela faz os movimentos de sobe e desce apoiando as mãos nas minhas pernas para não forçar muito as articulações. Nesse momento eu seguro os pés dela, que vão estar voltados para mim, e começo a massagem.


2 – Ginecológica – Frango assado:
Nessa posição a garota fica na posição ginecológica com os pés bem para o alto. Ao invés de eu me apoiar na cama eu seguro nos pés dela, e durante a penetração faço a massagem.







Posted by Erótico e Sensual at 05:30 PM | Comentários: (0)

Consulta rotina

Chegaste ao consultório para uma consulta de rotina. Apresentaste-te de forma informal… porém levavas uma blusa semi-transparente, onde se notavam as tuas mamas maravilhosas e uma mini-saia de tarar, onde sobressaíam as tuas pernas torneadas. Querias algo louco…escolheste ser a última paciente. A minha secretária chamou-te: faça o favor de entrar… vieste com ela… a secretária perguntou-me: “Dr. Precisa de alguma coisa minha?”. Ao que eu respondi: “Não, está dispensada… eu fecho o consultório… até amanhã.”

Começámos a conversar, mas tu desde o início que me provocavas… mexias os cabelos...cruzavas as pernas...olhavas para mim fixamente… perguntei-te o que se passava… ao que me respondeste: “Dói tudo um pouco.....penso que tenho febre.....não sei mas o doutor terá de analisar tudo bem para saber o que pode ser.......que acha o sr doutor, será que tenho de me despir? o que sr doutor tem de fazer? Doi um pouco no lado do coração, como disse dói tudo um pouco, tenho uma dor ás vezes forte nas virilhas, o que acha que pode ser? ai sr doutor veja lá o que pede pois sou tímida.”… no meu pensamento, apenas uma coisa: “tímida não é!!...a maneira como veio vestida, a pose sensual e dizes-me que és tímida!!”… pedi-te para te sentares na marquesa… e eu com o meu estetoscópio fui medindo… medindo…ainda estavas com o soutien…e eu a passar com o estetoscópio…pedi-te para respirar fundo, mas o teu respirar já se confundia com o teu suspirar… pedi-te para te deitares…de barriga para cima e fui apalpando aqui e acolá, por cima da cintura, para ver se te doía… e eu, safado, com a minha bragilha bem perto da tua cara…viraste a cara de lado…eu a apalpar e a tocar om os dedos… pudeste ver o tamanho do meu caralho por cima das calças…e tu com cara de safada e louca, deste uma lambidela por cima das calças… deu-me um arrepio… as minhas mãos já estavam nas mamas, apalpando e acariciando… foi então que senti o fecho a descer e a tua mão procurava o meu caralho… num acto de loucura, disseste-me: “Dr. Que belo caralho tem… grosso e duro…apetecia-me chupá-lo agora… posso?”… ao que eu respondi… “se estás com vontade…chupa…”… e começaste a chupá-lo… adorava ver a tua boca subindo e descendo, engolindo o meu caralho até aos colhões… como tu mamas bem… estava a saber-me tão bem o broche que me estavas a fazer… e tu chupavas com tanta intensidade e com mestria que eu estava a adorar… pus-me por cima de ti…pude chegar às tuas virilhas….elas doíam era de vontade de ter uma língua que desse conta delas…..e comecei a lamber e a beijar… ao mesmo tempo que fodia a tua boca…soltavas gemidos… dizias palavras desconexas… e eu lambia a tua cona molhada e quente..e dizias…”não pares….humm…não pares…lambe-me toda…fode-me com a língua…”.estavas completamente doida de prazer, completamente tarada pelo momento…chupava a tua cona…fodia-a com a língua…chupava, mordia o clitóris...e logo depois esporraste-te abundantemente na minha boca… pude saborear toda a tua esporra que escorria da tua cona…que saborosa era… virei-me e beijei-te… lambi o teu pescoço… e direccionei o meu caralho para a tua cona… comecei a meter a cabeça mas a tua cona logo engoliu o meu caralho de prazer e comecei a foder…1º devagar…depois aumentando de ritmo…gemíamos bem alto…rebolavas o corpo…e eu enterrava o meu caralho até aos colhões e beijava-te….estávamos doidos de prazer…levantei-me e coloquei-me por baixo e tu sentaste-te no meu caralho… e dizias-me: “agora é a minha vez… deixa-me tomar o remédio… quero foder-te agora… quero sentir o teu caralho…” e começaste a cavalgar…senti-me o teu cavalo…estava a dorar a sensação de ser fodido por ti….apalpava as tuas mamas à medida que cavalgavas…e tu dizias: “que remédio tão bom Dr. Se eu soubesse antes…”…eu não estava mais aguentando e não me queria esporrar antes… levantei-te e coloquei-te de pé sobre uma cadeira…debruçaste-te um pouco e pude ver o teu cu empinado, com marca de biquini… que loucura de cu tu tens… e comecei a foder-te por trás… o meu caralho bem enterrado na tua cona e fodia cada vez com mais ritmo, ao mesmo tempo que acariciava o teu clitóris e brincava com o buraco do cu…tu contorcias-te, rebolavas, empinavas ainda mais, gemias que nem uma louca…. E eu fodia…fodia… foi então que me disseste” falta mais um remédio Dr…. Ultimamente tenho tido algumas dificuldades de intestino, alguma prisão de ventre… tem alguma solução para isso?”… ao que eu respondi: “claro Ana, eu sei o que tens e sei o que queres… só quero que me digas..” ao que loucamente respondeste: “fode-me o cu… enterra-me o teu caralho até aos colhões como tu sabes… brinca com o meu clitóris e enraba-me que eu não aguento mais…”… e eu enterrei o meu caralho no teu delicioso cu…gritavas de prazer, gemias de paixão a cada estocava que dava e fodia insistentemente… já não estava a aguentar mais e faltava apenas mais um remédio… uma injecção por via oral… e disse-te: “olha, falta a injecção por via oral, para o remédio actuar…com um sabor que tu gostas…”…e tu ajoelhaste-te e pegaste no meu caralho, punhetando-o e chupando, cima, baixo, cima, baixo…que bela mamada… e disseste-me: “esporra-te João…quero sentir a tua esporra na minha boca…e eu não aguentando mais… deitei fortes jactos de esporra na tua boca e ainda alguns que foram para tua cara e mamas……que sensação meu deus….e tu saciavas-te com a minha esporra e ainda no final limpaste o meu caralho com a tua boca deliciosa…trocámos um longo beijo, abraçados um ao outro…lavámo-nos, vestimo-nos e conversámos um pouco…”que belo tratamento DR…saio daqui mais rejuvenescida…”… ao que eu respondi: “é a minha função minha querida… tratar-te bem… vem cá para a semana com os resultados dos exames que te passei e ver se está tudo bem…”… despediste-te de mim com um longo linguado e disseste-me ao ouvido: “DR…adoro foder contigo…” e eu respondi: “eu também gosto de foder contigo… passo sensações contigo que nunca passei… adoro estar contigo”…

Posted by Erótico e Sensual at 05:07 PM | Comentários: (0)

Primeiro broche

        - Vai-me desculpar... mas porque raio está a beber 6 cervejas?!?!?!?!
        - É pá... é simples. Estou a comemorar o meu primeiro broche!!
        - Oh pá.... então os meus parabéns, e permita que lhe ofereça mais uma por conta da casa!
        - Não, obrigado... Se 6 não me tirarem o gosto da boca, não vão ser 7...

Posted by Erótico e Sensual at 05:04 PM | Comentários: (0)

Assim gosto...

Posted by Erótico e Sensual at 03:24 PM | Comentários: (0)

Caldeirada de mexilhões

 Ingredientes:



  • 2 kg de mexilhões;

  • 2 cebolas;

  • 1 copinho de azeite;

  • 60 g de margarina;

  • 1 copinho de vinho à Madeira;

  • 1 raminho de salsa picada;

  • sumo de 1 limão;

  • 3 tomates;

  • sal;

  • piri-piri q.b.

Confecção:


Limpe os mexilhões esfregando-os com uma escova.
Num tacho com azeite e margarina refogue as cebolas descascadas e cortadas em rodelas, a salsa, os tomates lavados e cortados em pedaços, o vinho da Madeira e o piri-piri.
Quando tudo estiver bem refogado, junte os mexilhões e, quando estes abrirem, retire-lhes a concha vazia e regue-os com o sumo do limão.
Coloque-os numa travessa juntamente com o seu molho e sirva.



Posted by Erótico e Sensual at 03:16 PM | Comentários: (0)

Lindeza

Posted by Erótico e Sensual at 01:26 AM | Comentários: (0)

Out of limits

A história que passo a narrar agora é difícil de acreditar, eu mesmo não acreditaria se me contassem, mas creiam, aconteceu. Tive o cuidado de trocar os nomes verdadeiros para preservar as pessoas envolvidas, e só estou escrevendo para poder soltar este nó preso na minha garganta. Um desabafo, pois acho que estou ficando louco guardando este segredo só para mim. As pessoas envolvidas nunca comentaram mais nada após o episódio. Comportam-se como se nada tivesse acontecido. Parecem ter feito um pacto para ignorar o assunto.
Naquele dia as convenções sociais foram superadas pelo álcool ,e pelos instintos mais primitivos que deixaram aflorar nossas fantasias mais secretas, nossos desejos mais espúrios. Naquele dia fomos o que realmente somos.
Meu nome é Michel, estou recém casado com Kelly, uma garota modéstia a parte muito bonita, de pele branca e cabelos e olhos muito negros. Namoramos durante muito tempo, mas nos casamos virgens, eu e ela, devido aos fortíssimos conceitos de moralidade passados a mim por meus pais, cuidados estes passados à minha irmã mais nova, porém , sem que eu nunca entendesse porque , não transmitidos com igual rigor ao meu irmão mais velho, Renes, sempre muito mais solto e extrovertido do que eu. Algumas vezes chegava a discutir com o meu pai. Cedo se casou com Lú, uma morena fogosa e alegre, sempre muito maliciosa, contando sempre casos muito picantes, o que a fazia detestada pelos meus pais. Tinham uma vida sexual muito ativa , segundo meu irmão me comentava, e creio, pelo que me contavam, na busca do prazer, não tinham limites.
A pedido de minha esposa, me mantive distante de maiores intimidades com a minha cunhada, mas rotineiramente, todo o Domingo ,íamos juntos para a praia, onde bebíamos a valer nossas cervejinhas até voltarmos à tarde para casa de um de nós(Eu ou Renes), onde continuávamos bebendo e assistindo Tv até o fim do Fantástico ,quando íamos dormir.
Naquele Domingo além de nós quatro tínhamos a companhia de Sandra , minha irmã caçula, e Adilson, seu noivo, um sujeito magro e muito calado, evangélico ,que ainda por cima não bebia. Estavam noivos e preparados para casar . Pretendiam se casar virgens, isto o tornava muito respeitado para meus pais.
Estávamos todos alegres , na praia, pois eu voltara a trabalhar após ter passado quase um ano desempregado. Confesso que neste dia bebemos mais que o habitual, o que talvez tenha embotado a minha mente para o que aconteceu perto de da hora de voltarmos. Minha cunhada Lú, pediu-me para amarrar a parte de cima do bikini , por sinal, muito curto e cavado, deixando à mostra toda sua bundinha cor de pêssego. Posicionei-me por trás tentando me concentrar no nó, não percebendo que ela recuava, encostando sua bundinha na minha pélvis. Sem que eu me desse conta, imediatamente meu pênis entrou em ereção, fazendo um grande volume na minha sunga curta, chamando a atenção de todos ao meu redor, que passaram a rir e mostrar até a outras pessoas que passavam , para minha vergonha e constrangimento. Enquanto meu irmão se divertia com aquilo tudo, não pude deixar de perceber o olhar de reprovação da minha mulher e de Adilson.
Ao chegarmos em casa, fomos todos assistir Tv, enquanto Sandra e Adilson foram para o quarto se deitar, pois Sandra bebera demais e estava muito mole ,falando até algumas besteiras. Seu noivo aparentava não estar muito satisfeito.
Foi quando Renes teve a idéia de ir pegar um vídeo erótico no carro. O vídeo tratava de trocas de casais, e realmente ,os atores eram muito atraentes. Assim que começou o filme, minha cunhada se posicionou sentando-se no chão, aos meus pés, apoiando seus braços e sua cabeça sobre minhas coxas, pressionando seus peitos contra minhas pernas. Fingi naturalidade, olhei para minha mulher, que aparentava não estar gostando nada daquilo, mas pela primeira vez , notei que ela também não iria fazer nada para manifestar seu aborrecimento, pelo contrário, era como se quisesse ver onde tudo aquilo iria dar .Ela estava sentada no sofá, no extremo oposto ao meu irmão , agarrada ao braço do sofá, inconscientemente, quase que encolhida, porém sem tirar os olhos do volume do calção de Renes (desde pequeno, seu pau sempre foi quase duas vezes maior que o meu). Senti ,que também ela estava excitada, mas ao contrário de nós, lutava para negar isto.
O sexo corria solto na tela, meu pau queria saltar do calção, chegando a despontar a cabecinha por cima do calção. Eu não fazia nenhum esforço para controlar minha ereção, meu pau pulsava angustiado. Foi quando de repente tudo começou. Foi como se um árbitro imaginário desse a partida. Saindo da sua inércia, minha cunhada ergueu-se mais um pouco e abaixando suavemente minha sunga , deixou meu pênis totalmente duro livre, passando calmamente a beijá-lo e acariciá-lo com os lábios, agasalhando com pequenas sucções, mordiscando-o devagarinho. Parecia um sonho ver aquele rosto moreno de traços perfeitos engolindo meu pau totalmente e depois retirá-lo da boca admirá-lo, cheirá-lo e voltar a engolir. Minha mão livre a esta altura já tinha liberado os lacinhos do seu biquini , libertando os seios de encontro à minha pele aumentando minha excitação. De repente Lú se ergueu , sem tirar os olhos de meu pau , se desvencilhou do que restava do bikini , e abrindo as pernas segurou meu pau guiando-o para sua xoxotinha encharcada, descendo suavemente seu corpo sobre meu pau endurecido.
A visão da minha cunhadinha literalmente engolindo o meu pau, com os olhos fechados de prazer, com a pele toda arrepiada, os mamilos dos seus seios endurecidos indo de encontro à minha boca, foi algo que nunca esquecerei pelo resto dos meus dias. Parecia um sonho.
Foi quando neste torpor que me lembrei de que não era um sonho. Lembrei de minha mulher. Desviei meu olhar do corpo de minha cunhada que me cavalgava totalmente desligada do que acontecia à sua volta, e os meus olhos encontraram Kelly, minha tímida e fiel esposa, sendo beijada e acariciada no pescoço por meu irmão, que tentava com um sorriso cínico convencê-la a se entregar aos seus instintos. Ela tentava resistir, mas sem muita determinação, estava letárgica pelo álcool . Estava já deitada, de pernas abertas, com meu irmão entre suas pernas. Ele já tinha soltado os lacinhos da parte de baixo do biquini e tentava direcionar seu pênis para a bucetinha de minha mulher. Ela lutava para tentar controlar Renes e se controlar, mas os movimentos de fuga do seu corpo em vez de evitar, graças a habilidade de meu irmão facilitavam enormemente a penetração, e ela foi aos poucos deixando ele entrar, tentando ainda lutar dizendo que não podia ,que não era certo,etc... Quanto mais ele introduzia aquele instrumento avantajado, mais ela ia se entregando ao prazer de ter aquela estrovenga dentro das suas entranhas. Quando se instalou totalmente dentro de minha mulher, Renes passou a chupar seus peitos como um náufrago sedento, beijando-a , chupando-a, deixando-a cada vez mais louca.
A partir daquele momento eu sabia que nunca mais mais ela seria a mesma. Tendo experimentado e gostado de um membro tão avantajado, ela nunca mais se satisfaria com o tamanho do meu pau. Estaria sempre insatisfeita com a memória do volume daquele pau entre suas pernas, aquele vazio a ser sempre preenchido, pois uma mulher só deseja ardentemente o que conhece, o que não conhece ela só deseja, mas sem entusiasmo.
Voltei a olhar minha cunhada que a esta altura já estava sentada de costas para mim, olhando também para o outro casal, demonstrando muito prazer com isto.
Renes colocou Kelly de quatro e enrabou-a numa estocada só, fazendo com que ela soltasse um gritinho de dor e de prazer. Logo começamos a gozar, nossos gemidos inundaram a sala. Eu era corno, e o pior estava gostando de ver minha mulher receber o esperma de outro homem, com risco mesmo de engravidar já que ela não evitava com nenhum método.
Com o corpo totalmente exausto e entorpecido, deixei-me cair na poltrona trazendo o corpo relaxado de minha cunhada sobre mim. Na minha frente, podia ver minha mulher totalmente nua, de costas para o meu irmão, literalmente coberta, por ele de modo que cada sinuosidade de suas costas encontrava anteparo no corpo de Renes . A visão da pélvis de Renes colada na bundinha de Kelly era excitante.
Estava admirando aquele quadro, quando subitamente Lú , saindo do seu coma , levantou-se e indo em direção ao marido, agachou-se ao lado do sofá, e levantando de lado o corpo de Renes , expôs o pau amolecido, passando a chupá-lo energicamente reavivando-o rápidamente. Depois ,ao vê-lo novamente em ponto de bala, sem tirar aquele instrumento da boca, abriu as nádegas de minha esposa , expondo aquele botãozinho rosado ainda virgem, indicando com o olhar e gemidos para seu marido qual era a sua intenção.
Dirigindo com a mão, aquele pênis descomunal para o ânus de minha mulher, aos poucos aquela cabeçorra foi abrindo caminho entre as carnes de Kelly, que despertada repentinamente pela dor aguda, tentava evitar aquele estrupo, pois sempre negara o meu pedido, por medo e pudor. Mais uma vez , suas tentativas de se desvencilhar do bote, só pioraram sua situação, pois seus movimentos empurravam sua bundinha para cima facilitando a penetração , fazendo com que o pau duro de meu irmão entrasse rasgando cada prega que encontrava pelo caminho. Minha mulher estava fraca demais para reagir; o máximo que conseguia fazer era soluçar baixinho derramando lágrimas de dor e de prazer.
Meu irmão completou totalmente a penetração, arrombando por completo as entranhas de minha mulher, começando logo em seguida a gozar em espasmos convulsos, seguidos de gemidos de minha mulher. Logo depois levantou-se com o pau ainda semi-ereto, olhando para mim com o ar de triunfo.
Eu , sem mesmo consciência do que estava fazendo, me masturbava alucinadamente, quando minha cunhada, tomando minha mão, me dizendo que eu não iria desperdiçar esperma de boa qualidade, me levantou e me guiou para cima de minha mulher, que ainda chorava baixinho, me empurrando para dentro do cúzinho de Kelly, totalmente arregaçado , ainda com grande quantidade de esperma escorrendo pelas bordas. Eu mal fui entrando, com grande facilidade , naquele cúzinho dilatado e fui gozando, chamando minha mulher de cachôrra ,de puta, num misto de raiva e excitação.
Estávamos todos tão atordoados que não percebemos que Sandra tinha despertado, e há muito acompanhava nosso desempenho. Ao percebê-la, não pude deixar de me espantar em ver que totalmente desligada de tudo acariciava um seio já exposto para fora de seu biquini amarelo, com a outra mão por dentro da calcinha se masturbando alucinadamente.
Minha irmã tinha visto tudo aquilo e não nos reprovara, não dissera uma palavra, pelo contrário, se comprazia de tudo.
Como sempre, a mestre de cerimônias, Lú, tomou a iniciativa, puxando-a para o chão, e a despindo rápidamente, começou a acariciar todo o seu corpo, beijando sua boca, concentrando suas energias em carícias nos seios e na bucetinha virgem e totalmente encharcada de minha irmã. Quando Lú com voracidade mergulhava sua boca na bucetinha de Sandra, massageando com maestria o clitóris , minha irmã se descontrolava alucinadamente, suplicando pelo fim de sua virgindade.
A esta altura Renes estava excitadíssimo, e para meu horror aproximou seu pênis da boca de Sandra, que esquecendo completamente do fato de Renes ser seu irmão consanguíneo, abocanhou-o, chupando seu membro como se fosse uma criança faminta. Lú então começou a abrir as coxas de minha irmã, preparando-a para o inevitável. Meu irmão ao ver o caminho desimpedido, a muito custo conseguiu tirar o pau da boca de Sandra , e, enfiando-se no meio de suas coxas fletidas, encaixou a glande na entrada da bucetinha virgem de nossa irmã, e sem nenhuma hesitação, começou a penetrá-la. Tentei gritar, mas não conseguia, estava excitado também. Não conseguia soltar um som sequer.
Sandra por sua vez nada fazia para impedir ser desvirginada por nosso irmão, pelo contrário, estimulava seu desempenho, gemendo, suplicando, pedindo para que acabasse logo com aquele tormento e dor. Impaciente, Renes entrou de vez, arrancando um grito alto de dor de Sandra, penetrando-a, preenchendo-a completamente.
Estava feito. O sangue que escorria pelo piso da sala testemunhava a pureza que minha irmã conservara até aquele dia e entregara de maneira tão absurda. Renes ainda fez algumas manobras , indo e vindo com o pênis pelas bordas da vagina de Sandra dizendo que era para não deixar nenhum fragmento do seu cabacinho para seu futuro marido "tartaruga". Logo depois , Sandra excitadíssima começou gozar aos gritos, seguida por Renes que resfolegava sobre ela como um animal moribundo gozando dentro de sua própria irmã. Agora sangue e esperma se misturavam no chão.
Não, não podia estar acontecendo. Até então éramos uma família normal, o que tinha acontecido? Renes desabou para o lado deixando-me a mostra a vagina dilacerada de minha irmã . Foi então que Sandra levantou a cabeça calmamente e com ternura olhou para mim dizendo "vem Michel, vem maninho, agora é sua vez de dar o polimento". Enquanto Kelly, desabada no sofá me pedia chorando para não fazer aquilo, fui puxado sem resistência por Lú , que guiou meu pau endurecido para dentro de minha irmã.
Penetrei lentamente com um misto de medo e excitação, praticamente sendo empurrado por Lú para dentro da minha irmãzinha. Aquela minha hesitação só fez prolongar a penetração, enlouquecendo mais ainda minha irmã que a esta altura já abocanhava de novo o pau amolecido e ensanguentado de Renes. Sentindo o gozo fluir, tentei retirar meu pau de dentro da minha irmã tentando com isto diminuir meu pecado, mas Lú ao sentir minha manobra me segurou firmemente fazendo com que eu despejasse todo meu esperma dentro de Sandra, misturando-se ao sêmen de meu irmão. Olhei para Kelly e encontrei seu olhar apavorado, mas sua mão massageava seu clitóris alucinadamente. Lú ,retirou com delicadeza a mão de minha mulher e mergulhou sua boca entre as pernas de Kelly, fazendo-a chegar rapidamente ao orgasmo, com grande alarido, caindo logo após num choro convulso.
Enquanto todos caiam num sono profundo, lembrei-me do noivo de Sandra, Adilson;teria ele despertado? Teria toda aquela loucura passado desapercebida para ele ? Levantei-me, me vesti e fui até o quarto onde ele estaria. Encontrei-o deitado, de olhos fechados, mas que pareciam piscar. Ao lado de seu corpo, molhando o carpete e umedecendo seu calção, uma mancha esbranquiçada, leitosa, denunciava sua aprovação.
Cinco meses depois, minha irmã se casava com Adilson, quase não podendo esconder a barriguinha de uma gestação já adiantada, que enchia de orgulho à Adilson e de horror a mim e ao meu irmão.

Posted by Erótico e Sensual at 01:23 AM | Comentários: (0)

Dança do ventre

Sensualidade é palavra-chave na dança do ventre, pois usa os movimentos, as roupas e as músicas em harmonia. Essa antiga modalidade de dança vem encantando homens e mulheres ao longo do tempo.


"A dança do ventre é altamente sedutora. Os movimentos são sinuosos e muitos lembram o andar do andar do camelo ou a ondulação da cobra", diz Lulu Sabongi, professora de dança do ventre da casa de chá Khan el Khalili, em São Paulo.

"A dança tem uma técnica muito bonita, diferente das outras, é a mais feminina delas. As roupas são sensuais: o sutiã meia-taça, a saia longa, transparente e abaixo do ventre, tudo muito bordado", afirma.

Ter uma mulher mais feminina e sedutora. Talvez seja essa a intenção dos homens que recorrem às aulas de Lulu. "Há namorados, noivos e maridos que pagam a mensalidade porque querem que a mulher aprenda a dançar para ele", diz.

Posted by Erótico e Sensual at 01:23 AM | Comentários: (0)

Bela morena

Posted by Erótico e Sensual at 12:37 AM | Comentários: (0)

Fantasia de uma amiga

Imaginei que nos tínhamos encontrado no CCB para tomar café. Cumprimentamo-nos e tomamos 1 café no bar das palmeiras. Ambos preparados para o encontro mas sem sabermos que tu estavas sem boxers e eu sem cuequinhas. Ao começar a falar ficamos já tesudos. Eu a ver o teu caralho a começar a notar por baixo das calças e a ficar com a minha cona húmida e a palpitar de tesão como está agora, tu sentiste o meu tesão na voz embargada.
Com o olhar assentimos sair dali e fomos para o teu carro.
Passaste para abrir a porta e senti o teu caralho assim, meio mole meio duro como aqui a roçar no meu rabo, deste-me passagem mas ficaste a segurar na porta para a fechar de maneira a que, ao passar para entrar eu tivesse de me roçar de novo em ti. Isso deu-me tesão porque fico maluca quando sinto um caralho assim a roçar nas minhas pernas ou no meio delas.
Roçar roçar até o sentir ficar duro e em riste. Ao dares a volta ao carro para entrar e sem que eu visse, abriste o fecho e o botão das calças ficando apenas seguras pelo cinto. Ambos sabíamos como estávamos mas fizemos de conta que não.
Saíste do estacionamento e começaste a andar pela marginal e a conversar. Dizias me que gostavas de conversar comigo, que eu te dava muita tesão e que adorarias ver-me brincar para ti. Já tinhas o caralho a espreitar nas calças mas a cabeça ainda coberta com a pele.
Vimos uma saída para a praia num sítio sossegado e tu fizeste sinal e estacionaste. Chegaste o teu banco todo para trás, sentaste-te virado de frente para mim e encostado na porta e eu fiz o mesmo. Seguraste a cabeça e colocaste-a de fora e perguntaste se o queria ver. Disse-te que sim com a voz embargada de tesão e os olhos fixos na cabeça coberta que surgia das calças.
Quando me disseste que cada vez que vinhas para a rua e o tiravas para fora imaginavas-me à tua frente esporravas te imenso e que ficavas com ele muito muito duro. Eu porém, não conseguia desviar os olhos do movimento dos teus dedos e com tesão acumulada nos lábios da cona via a cabecinha brilhante com o buraquinho a deitar já umas gotas do melaço do teu néctar. Sem desviares os olhos dos meus, ávidos da imagem que via à minha frente, passaste o indicador pelo buraquinho e levaste aos teus lábios besuntando-os com esse néctar e deixando-me com uma vontade louca para que os passasses na minha boca. Não resististe e puxaste as calças abaixo para que eu pudesse ver bem o teu caralho e os colhões cheios e tesudos de esporra.
Dava-te ainda mais tesão masturbares-te para mim e a visão que eu tinha era divinalmente erótica e cheia de tesão.
Sussurravas palavras, ias dizendo que gostavas de o acariciar assim e o que estavas a sentir ao fazê-lo ali para mim.
Dizias-me que também gostarias que eu abrisse as pernas e te mostrasse a minha cona, querias ver o meu rego, os lábios grossos das fotos que te davam tesão, querias ver o desenho que os pelos faziam, querias ver os lábios brilhantes e lisos de pelos a convidarem os teus lábios para se misturarem nos meus lábios.
Querias vê-la aberta, tesuda e brilhante dos meus sucos, viscosa e a emanar um cheiro a cona e sexo que só se consegue quando se está com muita tesão, querias ver-me mexer nela, abri-la, passar o dedo na racha e ao chegar ao grelo abri-la completamente e deixar-te ver o rosado buraco ávido por devorar o teu caralho
Querias ver o meu suco a escorrer de entre os lábios em direcção ao cuzinho.
Não irias resistir a lamber-me a cona toda, a meter a língua pelo buraco acima, a explorares as paredes quentes e viscosas da minha cona.
O clitóris escondido no capuz tesudo seduzia-te a que o sugasses. Que o sugasses com tanta força como se o fosses arrancar, fizesses triplicar-lhe o tamanho e a grossura. Esfregavas a tua boca nesta minha cona dolorosamente tesuda, mordias-me os lábios carnudos enquanto apertavas o caralho com força, com tanta força como aquela que me mamavas.
Querias penetrar-me assim, o meu vibrador é igual ao teu caralho, ias foder-me o cu enquanto me penetravas a cona com o vibrador para que, visses como ela se aperta a um caralho. Ias sentir no meu cuzinho a vibração de estar preenchida por dois bons caralhos.
Querias que arreganhasse a cona assim para ti para que roçasses e lhe desses palmadinhas com o teu caralho até sentires ela vir-se nele.
Por fim irias ver-me assim de gatas como uma cadela no cio, com a cona brilhante de tesão a chamar-te, a pedir para levar uma foda valente e tu com o teu caralho duro que nem pedra irias penetrá-la assim por trás, à canzana, e fodia-la com força, sem dó nem piedade em fortes estocadas até me esporrares o cú e a cona toda. Dobrado sobre mim ainda esfregavas o caralho meio tesudo e, quando ele já estivesse mole irias deslizar e lamber-me a cona toda, não deixando que ficasse vestígios dos teus e dos meus sucos.

Posted by Erótico e Sensual at 12:35 AM | Comentários: (0)

setembro 29, 2005

Bifes grelhados com piri-piri

 


Ingredientes:



  • 1 bife por pessoa;

  • piripiri q.b.;

  • azeite q.b.;

  • sal q.b.;

  • 200 g de cogumelos.

Confecção:


Temperar os bifes dos dois lados com piripiri e untá-los com um pouco de azeite.
Lavar muito bem os cogumelos e deixar a escorrer.
Saltear os cogumelos numa frigideira com um pouco de azeite.
Grelhar os bifes durante +- 5 minutos, temperando só depois de estarem grelhados.
Colocar os bifes numa travessa e à volta os cogumelos.
Decorar com azeitonas recheadas com pimentos e pés de salsa.

Posted by Erótico e Sensual at 11:48 PM | Comentários: (0)

A virgem

         Um lisboeta voltou de férias do Algarve todo maravilhado e foi logo contar as novidades aos amigos:
        - Bem.... vocês não sabem da maior: conheci uma algarvia virgem que era um estouro!
        - Virgem?!? - perguntou um dos amigos desconfiado.
        - Virgem, pá. Virgem mesmo!
        Entretanto no Algarve, um grupo de raparigas conversa na praia:
        - No outro dia conheci um lisboeta muita burro e tarado. Devia ser o gajo mais apressado do mundo! Era tão burro que nem tive tempo de tirar os collants... 
 

Posted by Erótico e Sensual at 11:46 PM | Comentários: (0)

Shannon






Vejam mais

Posted by Erótico e Sensual at 11:37 PM | Comentários: (0)

Sedução

Existem varias formas de seduzir, e inúmeros jogos de sedução, melhor forma?? É o seu grau de desejo, apartir do momento que você sente, quer, deseja, siga seus instintos e sua sedução será inevitável.


- O olhar é um dos mais fortes aliados da sedução, invista nele, atravez do olhar você consegue transmitir, muitas coisas.
- Movimente os cabelos, quando você mexe sensualmente ou quando você os toca, coloca atrás da orelha, uma franja caindo sobre os olhos, a curiosidade a ansiedade de você arrumar....
- Uma cruzada de pernas, sensual com certeza é uma forma de sedução, muito forte.
- Sua boca, sorriso malicioso, forma de movimentar seus lábios, dar uma mordidinha no cantinho, tocá-los sutilmente com o dedo, e olhá-lo rapidamente.
- Voz, seja natural, não force nada, fale calmamente, sinta a reação dele, quando estiver dizendo algo, diga olhando nos olhos dele e com um tom de voz um pouco mais baixo do normal, bem pouco.
- Com a língua, muito sutilmente contorne em seus lábios, insinuando que você gostaria de ser beijada. Mas finja que fez sem querer e disfarce.
- Se estiver em algum barzinho, ou algum lugar que você possa se levantar e ir ao toalete, ande de uma forma sensual, movimentos bem lentos, faça com que ele sinta todo seu desejo


Importante:


Esteja segura do que quer, nao confunda sensual com vulgar, e sempre acredite no seu poder de sedução.

Posted by Erótico e Sensual at 11:35 PM | Comentários: (0)

Num vôo

"Num vôo para os EUA, uma hospedeira muito sensual e com um corpo escultural, começou a dar-me uma atenção muito para além do normal. Sempre que pedia um serviço, ela roçava-se e a sua lingua foi sendo cada vez mais sugestiva. A dado passo ela convidou-me para visitar o cockpit o que aceitei. No caminho passámos por um gabinete utilizado pela tripulação para descansar, logo reservado. Perguntou-me se o queira visitar também. Voltei a aceitar. Uma vez lá dentro a nossa amiga tornou-se numa pessoa selvagem e lasciva, tendo-me simplesmente violado. Rápidamente demonstrou um grande desejo de sexo oral, tendo de imediato dirigido a minha cabeça para a sua vagina (desprotegida de cuequinhas) e ordenado que a lambesse o que obedientemente fiz. Enquanto a lambia e penetrava com a minha lingua ela foi acariciando o meu pénis que rápidamente meteu todo na boca. Entre gemidos, meus e dela, começou a massajar o meu pénis com a lingua sem nunca tirar-lo da boca. Atingi um estado de excitação enorme sem que no entanto ela se tenha queixado. Quanto maior era o pénis, mais humida ela ficava tendo a certa altura iniciado uma sucessão de orgasmos inacreditável. Neste momento atingi também um orgasmo que a avaliar pela quantidade de esperma que escorria pelos cantos da sua boca em direcção aos seios entretanto desnudados deve ter sido o maior de minha vida. Na escala nos EUA ainda nos encontrámos mais uma vez tendo a nossa amiga mostrado apetência para sexo nos sitios mais estranhos que uma pessoa pode imaginar."

Posted by Erótico e Sensual at 10:53 PM | Comentários: (0)

Loira provocante

Posted by Erótico e Sensual at 10:49 PM | Comentários: (0)

Ser homem

- Mestre, como é que eu sei se sou realmente homem?
- Para saberes se és realmente homem, tens de pôr as mãos entre as pernas e encontrar duas bolas. Porém meu filho, se encontrares 4 bolas não penses que és um super-homem, apenas estarás a ser enrabado.

Posted by Erótico e Sensual at 10:47 PM | Comentários: (0)

Experiência exibicionista

"A maior parte de nós (não disse todos) tem sua vida muito rotineira. Geralmente vamos para o trabalho, dele para casa, saímos aos finais de semana, mas pouco diferente disso. Eu tenho um gosto muito grande pelas novidades, e tudo que sai da rotina me agrada. E é justamente uma dessas saídas da rotina vou contar.

Minha família estava de férias, e eu, por motivos de trabalhos, não os pude acompanhar. Como estavam longe, nem aos finais de semana podia ir ter com eles. Por isso, tinha que me distrair sozinho. Num desses dias em que não se está com vontade de trabalhar, resolvi tirar a tarde para conhecer uma praia, que há muito tempo já ouvira falar, por causa das histórias de nudismo que aconteciam por aqueles lados. È uma praia do Alentejo. Peguei então no carro, no ferry até que por lá cheguei. Era uma linda praia, de imensos areiais, com muito poucas pessoas. Resolvi então andar um pouco, para ficar o mais distante possível da parte mais cheia, pois também estava disposto a experimentar o nudismo, que até então não tinha feito.

Coloquei então minha cadeira e chapéu de praia, em local que achei bem protegido e tirei os calções. Via-se casais ao longe, mas nada de mais, até que um casal que acabara de chegar na praia, ficou bem mais perto que os outros. Até aí não havia nenhum sinal de que algo poderia acontecer, mas sempre criamos expectativas. A princípio a senhora estava de biquini, mas seu acompanhante ficou logo nu. Achei que nada aconteceria, apesar de fantasiar com isso, pois a senhora tinha um lindo corpo, pelo fato dela ainda ter os biquinis. Mas notava-se que era uma linda mesmo uma linda mulher. Coxas grossas, um belo rabo, e aparentemente belas mamas, além de um rosto lindo. Acabei por distrair-me com uma leitura. Quando voltei a olhá-los, deparo-me com o dito casal nu. Claro que controlei-me para não parecer aqueles mirones indiscretos. Mas foi difícil que eles não percebessem como estava “nervoso” por aquela bela visão. Pude confirmar que a senhora tinha lindas mamas, e um corpo muito bonito. Ela deitou-se com o rabo para cima, e as vezes abria as pernas, num movimento natural, mas que deixava-me cada vez mais excitado, por ver aquele sexo exposto. Aos poucos, o casal foi ganhando confiança, pois viam que eu não fazia qualquer movimento, no sentido de perturbá-los, e acabaram se soltando. Acredito que também estivessem muito excitados, pois o senhor pulou logo para cima dela, acariciando-lhe o sexo e as mamas. Ela por sua vez, abocanhou-lhe a pila. Aquela visão deixou-me literalmente maluco. Não consegui me conter, e acabei por começar a masturbar-me. No começo meio escondido, para que o casal não se assustasse, mas depois notei que eles olhavam para mim, mesmo a querer ver o que fazia. A partir daí, o fiz sem pudor. Ele chupou-lhe o sexo, as mamas, ora ela estava por baixo, ora ele, uma verdadeira loucura. Exibíamos uns para os outros, sem o menor pudor, até que nos viemos. Foi uma experiência sensacional. Mas ainda não tinha acabado. Fomos para o banho no mar e voltamos e ficamos a pegar sol, cada qual no seu canto, sem nos falarmos ou trocarmos qualquer tipo de sinal.

Em certa altura, mais para o fim da tarde, o senhor saiu, talvez para dar uma volta e deixou a senhora sozinha. Ela então colocou uma t-shirt e levantou-se, dirigindo-se para as dunas. Fiquei um pouco frustrado, pois pensei que se ia embora. Estava enganado. Deitou-se nas dunas, e tive mais uma visão inesquecível. Ela parecia-me muito excitada e começou a se masturbar freneticamente, e com o sexo bem molhado e bem aberto, excitou-me, e de que maneira. Comecei também a masturbar-me, mas como havia pessoas ao longe, de frente para mim (ela estava protegida pelas dunas), não o pude fazer de forma bem explícita como teria gostado, por não se sentir absolutamente à vontade. Enfiava seus dedos fundo e a cada vez, levantava a cabeça para ver se eu estava a admirá-la e a masturbar-me. Pouco tempo depois, volta o senhor, e os dois dão mais uma. Eu nem podia acreditar naquilo que se estava a passar. Depois disso, e por que já se fazia tarde, fomos todos embora, mas sem trocar-mos uma palavra sequer."

Posted by Erótico e Sensual at 09:00 PM | Comentários: (0)

Que pedaço

Posted by Erótico e Sensual at 06:39 PM | Comentários: (0)

Começou pelo virtual

"Certa noite,num dos canais do IRC, conheci uma garota e após alguns dias de "teclanso" descobrimos que sexualmente tinhamos muito em comum.
Quando nos "deixávamos", tudo progredia...continuavamos “a ouvir“ suspiros, a sentir as linguas, a saliva, as dentadas, os chupões, os abraços.
Começámos por um envolvimento virtual, uma cumplicidade, uma descoberta à distância...
Sentiamos os nossos corpos vibrarem, quentes, arfantes, tensos , descontrolados,..
Corpos que cada vez mais se desejavam... se possuirem, trocarem prazeres...quantas fantasias não "sonhámos"!!!
Esta que a seguir relato,foi a nossa primeira fantasia virtual,foi assim que lhe descrevi...como gostaria que fosse a nossa primeira vez...se um dia nos viessemos a conhecer!
E assim aconteceu...ao fim de quase um mês de fantasias...acabámos por confirmar que sexualmente eramos mesmo o concavo e o convexo...encaixavamoscertinhos um no outro!
Hoje, já lá vão 6 meses, continuamos iguais...fazemos sexo virtual, tiramos prazer de uma entrega virtual por CAMERA, ao mesmo tempo que falamos pelo telemovel e quando nos enconttramos...entregamo-nos às mais loucas fantasias sexuais...
Como esta...

A água jorrando borbulhante recebe o teu corpo e o meu...
De olhos fechados entregas-te á excitação que as minhas caricias te provocam.
Deito umas gotas de gel na esponja e começo a passar-ta pelas costas, em movimentos muito lentos, suaves, provocantes, despertando em ti ondas de prazer...
Vou esfregando pelo meio das costas, abraço-te pela cintura, sempre por trás e meto-te a esponja por entre as coxas...que se abrem...
Volto a subir, acaricio-te as ancas, subo mais e toco-te nas maminhas, em círculos, vou-te excitando os mamilos, que ficam duros, saídos.
Deitas-te e sempre dentro da agua estendo-me por cima de ti ...abres as coxas e agarrando no meu membro, duro, excitado, mete-lo entre elas, apertando-o, friccionando-o na tua coninha molhada e quente...
Deixo cair a esponja...
De costas viradas para mim, abraço-te, agarro-te as mãos .. e obrigo-as (as tuas e as minhas) a descerem pelo teu ventre...até se aninharem na tua coninha .
Mãos agarradas, sou eu que indico ao teu dedo...o teu sexo ardente de desejo...
Tocas-te metes o dedo... giras em volta do clitóris..tiras de novo...para o meteres agora mas junto com um dos meus dedos...
hummmmm...ahhhhh
Começas massajar, sempre de costas pra mim, abres as pernas e apoias uma mão na parede, esticas-te para trás e com a outra mão acaricias-te, masturbas-te...
Tiras os dedos molhados da coninha... e docemente passas-los pelos meus lábios!!!
Tocas nas maminhas, excitas os mamilos, tocas-lhes...até os sentires rijinhos...saídos...
Tiras as mãos dos biquinhos dos seios, agarras o meu caralho e começas em movimentos de vai e vem...lentos....
Com os lábios e com língua, enquanto a água em jacto cai no teu corpo...passeio nas tuas costas, lambo-te o pescoço até chegar ao teus lábios...meto-te a língua na boca e sugamo-nos.
Na tua coninha...os nossos dedos estão melados, deslizam...fazendo-te balançar o corpo de tão excitado que está!
As tuas coxas abrem-se mais...com um dedo da mão que tenho livre, toco no teu cuzinho...forço a entrada, sinto-a contrair-se...
Volto-te para mim...ajoelho-me à tua frente, lambo-te o ventre, desço com a lingua e chego à tua coninha, abro-a com a ponta da língua....
As tuas pernas afastam-se mais...a língua penetra-te...entra...gira em volta do clitóris...
hummmm beija-me...simmmmm
-Faz chupa-me, lambeeee... maisssss...continua...nãaaaao pares...que booommmmmmmmm...simm. Quero chupar-teeee tb...provar o teu saborr...
Suspiras...acaricias-me os cabelos...e continuo...
Chupo-te...mordisco...meto a língua ainda mais fundo...volto a lamber...
Subo...sempre a lamber... paro no teu umbigo...faço-te arrepiar quando meto nele a lingua...subo mais..e sugo, mordisco-te as maminhas...o pescoço.. meto-te a lingua na boca...
Agora és tu que te ajoelhas lentamente...deslizando com os lábios...chupando-me os mamilos...lambendo-me o peito, o ventre...
Quando chegas ao meu sexo... demoras-te nele...
Arregaça-lo com a mão e com a língua tocas-lhe na cabecinha vermelha,inchada,luzidia, molhada...
Envolve-la com os lábios e deixas que te entre na boca..., vais lambendo-o todo...sempre em movimentos lentos, excitantes....chupas... e páras quando sentes que estou quase a vir-me.
Levantas-te e sempre de costas para mim pedes que te penetre, que te foda...
Ergues uma perna...empinas o rabinho, atira-lo para trás de encontro ao meu caralho...colo-me por detrás de ti, apoias as mãos na parede...
A água continua a cair nos nossos corpos, agarro-te pelas ancas e encostando a glande do caralho na tua cona lubrificada...meto...empurro.
Ele entra teso, duro.imponente, cheio de força...sabendo o prazer ke o espera e o gozo ke te vai dar...... ...
Entra mais....e mais....sai, entra, em movimentos ora rápidos ora suaves de vai e vem...
Dás-me os lábios para te meter a a língua na boca...
Sempre dentro de ti o meu caralho sente-se estrangulado, comido, sugado pela tua coninha...macia e quente..
Gritas, gemos...
que bommmmmm ..simmm fode-meee maiss, come-me...devoraaaa-me.
Suplicas,:
fode a tua gatinha selvagem... faz tudo o ke kiseres, simmmmmmaiiiii, keroooo
Não paro, aumento o ritmo...o meu ventre bate de encontro ás tuas nádegas...bombeio...enquanto com as mãos te excito os mamilos..
O entra e sai é agora rápido, metoooo...tirooooo, o meu caralho entra e sai impetuosamente na tua cona faminta de prazer..
Pedesmaissss...gritas...
simmmmmm agoraaaaaa..olha estou a virrrr-meeeeeeeee.....
Sinto a excitação no máximo....e quando me pedes...
anda, vemmmmmmm-te, inunda-me a coninha com os teus leitinhossssssss...fodeeeeee-meee
Não agüento mais....sinto o caralho latejar, sinto a tua coninha a CHUPA-LO....e venho-me!
Estremeces...mordes, arranhas...sofres mutações inebriantes, passas de gata selvagem, felina a gatinha doce, meiga e dengosa e quando te inundo, quando te dou a ultima gota de prazer, aconchegas-te a mim...ficamos abraçados aos beijos...trocamos caricias, falamos baixinho, trocando palavras ousadas...
Tocamo-nos...e o desejo volta de novo......
.....
Recomeçamos...
Contorces-te...insinuas...percebo que queres sexo anal, que te penetre o cuzinho ...queres-me selvagem...impiedosa...
Vês-me "perdido".....
Sexo erecto, excitado, duro, imponente.....
Ajoelhas aos meus pés...e começas a explorar com a lingua, as minhas coxas...enquanto suspira e dizes que adoras o meu bronzeado...o meu perfume..
Sobes...saboreando demoradamente cada pedacinho da minha pele, cada recanto do meu corpo......sinto a respiração aumentar...
Páraaaaas.. recomeças...deixando traços brilhante de saliva quente onde a tua língua passa...
Até que,impetuosamente, com a lingua, com os lábios, despertas no meu caralho uma onda de prazer...quente...húmida!
Prende-lo com lábios para o meteres na boca...giras com a lingua quente e molhada em torno dele...deixando-o viscoso...depois sugas, chupas...beijas...metes e tiras...repetes este ritual, esta dança erótica...sei lá quantas vezes...!!!
A minha excitação está quase no limite...mas controlo-me, não me quero vir, quero sentir o teu prazer....
Enlouqueço..."obrigo-te" a baixares-te...meto um dedo na tua boca, molho-o na tua saliva e toco no teu cuzinho, preparo-te, enquanto com a lingua excito a tua coninha, lambendo-a, beijando-a, chupando-a...

Suspiras, gemes, torno-me impiedoso mas meigo...abro-te as pernas, encosto a glande do caralho no teu cuzinho e empurro...suavemente....
Contrai-se...aperta...não cede...
Meto um dedo na tua coninha e molho-o nos leitinhos que há pouco deixei em ti, tiro-o e lubrifico-te o cuzinho...encosto-lhe de novo a glande do caralho...
Empurro, a pontinha entra...páro...depois mais um pouco....vai entrando...e quando está quase todo dentro...numa estocada suave mas firme...enterro-o todo e deixo-o ficar a pulsar dentro de ti!
Sugo-te a boca e lentamente imponho movimentos de vai e vem....demoro-me no fundo, tiro....e volto a meter...tiro outra vez...meto....
Contorces-te, enroscas-te...puxo-te contra mim...mordisco-te nos ombros, lambo-te as costas... acaricio e excito as tuas maminhas...toco nos mamilos.
Pedes-me para me deitar....vens por cima...agarras-me o caralho.....grosso...duro...e encostas a cabeça vermelha de tesão na entrada do teu cuzinho já lubrificado... lentamente sentas-te...ele entraa...rompe....
Começas numa cavalgada rápida,gritas de prazer,aumentas o ritmo do sobe e desce, os musculos apertam-no...pedes maisss....
O caralho engrossa, pulsa, enterras-te nele,arqueias-te em brutais investidas,moves lentamente os braços por cima da minha cabeça,varres-me o rosto com as maminhas doces...chupo-te os biquinhos...o teu corpo balança...estica-se....perdida de tesão ergues o ventre...para logo o baixares...excitada...a tua face avermelha....
Já nada te segura...estás prestes a explodir....sacodes a cabeça...
Aiiiiiiiiiii ke bommmmm hummmmmmm que bommmmmmm adoroooooo....issoooooo fodee-me doidooooo
Apertaas-me os quadris...e gritas...
-simmmmmmmm...aiiiii...fodeeeeeeee não paresssss querooooo
Mordes-me a lingua...chupas...o teu peito arfa...aumento os movimentos....
Saio do teu cuzinho....
Enterro-te de novo profundamente o caralho na cona...quente...humida..macia...
Recomeças então uma cavalgada impressionante...sobes e desces...olhando para o ventre...para veres o caralho teso...a entrar...a sair da tua cona...num vai e vem...que dura tempo e tempo...e que faz aumentar a minha tesão...
Sinto a tua excitação aumentar...a cada estocada...a tua cona enterra-se mais....enquanto te inclinas ora para trás......ora sobre a minha cara...para me abrires os lábios com a lingua...e chupares a minha...
Volto ao teu cuzinho....
O buraquinho já lubrificado abre-se, aperta-se em torno do meu caralho...que cada vez...te penetra mais profundamente.
Tu continuas...sobes...desces...
O caralho entra, penetra e sai...entra e sai...
Soltas um gemido, gritas......
-agoraaaaaaaaa...estouaaaa...vir-me....agora...dá-..mee ......ais....anda...issoooo....simmmmmmmm...aiiiiiiiiiiiiiiiiiiii...encheme-me de leitinho...
Carrego com mais força...aumento o vai e vem...torces-te....arqueias os rins ...esticas o ventre...e eu...acompanho o teu gozo...
Sempre...dentro de ti...do teu cuzinho...venho-me, deixo os leitinhos sairem, inundam-te, em golfadas intensas e quentes... ao mesmo tempo meto-te um dedo na coninha ...para que te venhas e gozes com mais prazer.
Rápido mas suavemente tiro o caralho do teu cuzinho e espalho-te pelo corpo, nos seios, no ventre golfadas de esperma!
Esfomeada, ávida...agarra-lo e apontando-o para a boca...de glande ainda inchada, de cor vermelha viva , lambe-la com a ponta da lingua...e recebes na boca e nos lábios os ultimos esguichos do meu leitinho quente!
Ajoelhada à minha frente...olhas-me de baixo para cima... e pedes-me outros ...mais prazeres....
Ergo-te...envolves-me ternamente o pescoço....e dizes-me provocante ao ouvido....
Hunnnn ..logo quero maissss...quero que me fodas, que me comas, quero mais gozo....
Aninhados um no outro, esvaziados da luxuria até ali contida em nós...trocámos caricias, planeámos outras fantasias que ambos desejavamos."

Posted by Erótico e Sensual at 06:37 PM | Comentários: (0)

Lotaria

Posted by Erótico e Sensual at 06:36 PM | Comentários: (1)

Guardado na caixa

- Oiça, não há maneira de engessar o seu Zé , por isso, vamos colocar umas talas de madeira para o imobilizar até melhorar.
- Mas doutor, eu vou casar amanhã.
- Só pode ser assim ou então não fica bom.
Inconformado, aceita pôr as talas de madeira. No dia seguinte, casa-se e os pombinhos vão para a lua de mel. Esposa:
- Olha, meu querido eu tive outros namorados antes, mas nenhum deles me tocou. Guardei-me toda para ti, sou virgem.
Marido:
- Eu também ...
O marido baixa as calças e diz:
- Vês, o meu ainda está guardado na caixa ...

Posted by Erótico e Sensual at 06:35 PM | Comentários: (0)

Baba de moça

 Ingredientes:


  • 1 frasco de leite de coco

  • 8 gemas de ovos

  • 1 colher de sobremesa de amido de milho

  • baunilha q.b.

  • 2 chávenas grandes de açúcar

  • 1 chávena grande de água

  • 1 colher de chá de manteiga

Confecção:


Num tachinho leve ao lume o açúcar e a água, deixar ferver até ficar em ponto de fio fraca.
Junte a manteiga mexa bem e deixe o xarope arrefecer.
Depois de fria acrescente as gemas batidas e passadas por um passador de rede, o leite de coco, o amido de milho e a baunilha misture tudo muito bem e leve novamente ao lume brando mexendo sempre para engrossar mas sem deixar ferver o creme para não talhar as gemas.
Retire do lume ponha numa taça ou em tacinhas e sirva bem fria.
Este creme só alcança o ponto ideal depois de fria.



Posted by Erótico e Sensual at 06:24 PM | Comentários: (0)

Halee






Ela está aqui

Posted by Erótico e Sensual at 05:03 PM | Comentários: (0)

Jogos Eróticos

"Sandra era a minha secretária há já dois anos. Foi o seu primeiro emprego. Era uma moreninha bonita de 21 anos, olhos castanhos, estatura mediana, mas com um peito digno de rivalizar com o da Samantha Fox. Tinha tido um envolvimento emocional com um jovem médico, mas ao fim de pouco mais de 1 ano, a ruptura chegou. Como não tinha família em Lisboa, frequentava com assiduidade a minha casa em épocas festivas, podia-se dizer que a relação profissional tornou-se numa relação de amizade comigo, a minha mulher e filhas. De tal forma que fora do ambiente profissional nos tratávamos por tu.
Por volta das 15 horas a minha mulher ligou para o escritório avisando que só devia chegar por volta das 22 h, pois tinha consultas até mais tarde e que tinha deixado as crianças em casa dos meus pais. Sandra, como eu estava ocupado com um cliente, informou-a que me transmitiria a informação logo que fosse possível. Assim, o fez, quando o cliente saiu, Sandra dirigiu-se ao meu escritório para me dar a notícia.
Por volta das 17 horas, quando ia sair perguntei a Sandra se tinha planos para esse fim de tarde. Respondeu que não, convidei-a a aproveitar a minha boleia e a comer uma pizza comigo. Aceitou, desde que nos despachássemos cedo pois tinha um relatório para redigir. Chegámos a minha casa por volta das 18h, disse-lhe que ia telefonar para a casa das pizzas a encomendar uma perguntei-lhe se tinha preferência, respondeu que não. Convidei-a a preparar um aperitivo. Após ter efectuado o telefonema, voltei à sala onde Sandra tinha dois whiskies preparados o meu puro e o dela com gelo. Começamos a conversar sobre trabalho, mas não tardei a perguntar-lhe meio a sério meio a brincar como ia de amores. Respondeu que de momento não tinha ninguém, decidira dar um tempo. Aproximei-me dela e pegando-lhe na mão disse-lhe que era uma pena, pois ela merecia ter alguém que a amasse. Os seus olhos procuraram os meus, num misto de vergonha e de alegria. Aproveitei para aproximar a minha boca da dela e dei-lhe um beijo nos lábios. Os seus lábios permaneceram imperturbáveis, mas os olhos cerraram-se, insisti num novo beijo e noutro, e noutro. Respirou ofegante, e disse-me que não se sentia bem, pois a Anabela tem sido tão simpática e acolhedora. Tranquilizei-a dizendo que eu e a Anabela, temos uma relação em matéria sexual muito liberal, e que por vezes temos uns devaneios, disse-lhe que Anabela era bissexual e que adora comer ou ser comida por uma mulher. Os olhos dela arregalaram-se como que incrédula, e acrescentou que gostava muito de mim, mas que não queria nenhum envolvimento que estragasse o meu relacionamento com a minha mulher. Assegurei-lhe que nos amávamos muito e que o que fazemos é por prazer, termos e dar. Não resistiu ao novo beijo que lhe dei e retribuiu abraçando-me. Apertei-a contra mim e perguntei-lhe se queria fazer amor comigo. Mais uma vez a minha mulher veio à baila. Disse-lhe que estava a trabalhar e que lhe contaria o que se passara e que nada iria mudar nos nossos relacionamentos. Respondeu, eu quero, muito fazer amor contigo, mas ..., não a deixei argumentar. Disse-lhe que então o interesse era mútuo e sugeri-lhe que fossemos para o quarto de hóspedes. Chegados ao quarto comecei a despir-me, mas apesar de nos conhecermos há muito tempo algo de timidez e vergonha tolhia-lhe os movimentos. Sugeri que fossemos para a casa de banho, às escuras nos despíssemos e tomássemos um duche para descontrairmos. Concordou, passamos à WC do quarto, e continuámos a despir-nos com a luz apagada, pus a água a correr no duche e perguntei-lhe se já se havia despido. Respondeu que sim, procurei-a no escuro para a conduzir ao chuveiro. Nos chuveiro, a água começara a cair sobre os nossos corpos desnudos, as minhas mãos procuraram o seu corpo e aproximei-o do meu. Os nossos corpos molhados tocaram-se. Os seus mamões tocaram o meu peito e comprovei de facto aquilo que já antevia, eram monumentais, mas rígidos. A nossas bocas trocaram um beijo prolongado, dava para perceber que o seu nervosismo estava a desvanecer-se e revelava mais entrega. Desliguei água e às escuras procurei uma toalha, ofereci-lhe para que limpasse os corpo. Perguntei-lhe se já estava preparada para passarmos ao quarto. Respondeu que sim. Enxuguei-me e encaminhámo-nos para o quarto. Agora, tinha a possibilidade de observar aquela mulher completamente nua. A cona estava completamente rapada à excepção de um pequeno tufo de pelos por cima dos lábios. Os seus olhos tiravam-me as medidas, e obviamente caíram no meu caralho que evidenciava uma semi-erecção. Abraçamo-nos e deitámo-nos lado a lado, tendo começado por beijar-lhe o pescoço até atingir-lhe os mamilos. Aí, a minha língua começou a executar um bailado em torno dos seus mamilos alternando com ligeiras mordidelas. A minha mão procurou a sua cona, o meu indicador penetrou-a e constatou que estava bastante lubrificada, a minha cabeça continuou em direcção à sua cona e comecei por chupar-lhe o clitóris. Estava a ter prazer, soltou uns gemidos e as suas mãos massajavam a minha cabeça pressionando-a contra a sua cona.
Eis que a porta do quarto se abre, Anabela, apareceu à porta,. Olá – disse ela, posso juntar-me a vós, Sandra deu um salto e tentou esconder o corpo revelando grande aflição. Anabela dirigiu-se a mim e beijou-me na boca e aproximando-se de Sandra, tranquilizou-a, afirmando que isto foi tudo preparado por nós, és muito bem-vinda ao nosso convívio. Posso participar? Perguntou directamente a Sandra. Esta respondeu-lhe que nunca estivera com uma mulher, mas que não estava em condições de dizer que não. Anabela, aproximou-se de Sandra, beijou-a no rosto e acariciou-lhe a face. A minha atenção voltou-se outra vez para Sandra e tentei pô-la à vontade enquanto Anabela se despia. Não tardou estar completamente nua, dirigiu-se a Sandra e disse-lhe tens alguma restrição em relação a mim? Posso fazer-te o que me apetecer? Sandra respondeu-lhe que sim. Anabela retorquiu-lhe que ela, também, tinha total liberdade para fazer o que lhe apetecesse quer com ela quer comigo ou apenas comigo. Anabela, colocara-se entre as minhas pernas e começou a chupar-me o caralho enquanto eu beijava Sandra e apalpava-lhe aquelas duas montanhas de carne e brincava como seus mamilos. Sandra observava Anabela a fazer-me um broche e timidamente aproximou-se de Anabela e massajou-lhe as costas, Anabela levantou a cabeça de entre as minhas pernas, sugeriu a Sandra que a substituísse, Sandra pegou na minha picha com ambas as mãos e encaminhou-a para a boca, a sua boca aglutinou-a e começou a chupá-la de forma vigorosa, o que me provocava uma enorme tesão. De repente sentia tremer, levantei a cabeça e apercebi-me que Anabela lhe lambia o rego do cu, provavelmente fazendo-lhe um botão de rosa. De vez em quando, Sandra, parava os seus movimentos bocais na minha picha como resposta às acções da língua da minha mulher.
Anabela, largara-a, avisou que voltava já, saiu do quarto e não tardou a regressar com um caralho postiço implantado à cintura. Pediu a Sandra que se deitasse de costas e abrisse as pernas, com cuspo humedeceu o caralho de silicone e enfiou na cona ansiosa de Sandra. As penetrações sucediam-se e eram acompanhadas de gemidos lancinantes da nossa jovem parceira. Coloquei-me por trás de Anabela, afastei-lhe o fio do suporte do caralho e penetrei-a na cona, os meus movimentos estavam descoordenados com os dela, não tardámos em acertar a cadência dos movimentos. Sandra cada vez gemia mais, a qualquer momento estaria a ter um orgasmo. Anabela, acompanhava as suas penetrações com mordidelas nos mamilos erectos de Sandra. Anabela pediu-me que lhe apertasse as nádegas, era sinal que estava prestes a vir-se. Pouco depois, Sandra primeiro e logo depois Anabela gritavam de gozo. Anabela, pediu para que me visse na sua boca. Tirei o caralho da sua cona repleta de líquidos e lambia saboreando os seus líquidos ao mesmo tempo que ela fazia o mesmo com Sandra. Anabela, perguntou a Sandra se alguma vez o namorado se tinha vindo na sua boca, respondeu negativamente com a cabeça. Anabela sugeriu que o fizesse comigo, Sandra mostrou alguma indecisão, Anabela agarrou o meu caralho e enfiou-o na boca. Eu afirmei-lhe que a beijaria logo que estivesse com a minha esporra na boca, Sandra, não resistiu à excitação e partilhava com Anabela a minha picha num broche e dois. Senti que estava próximo de atingir a ejaculação, avisei-as que estava quase a vir-me, ambas se colocaram de joelhos, Anabela com a boca aberta e língua de fora esperando receber os meus leites, Sandra estava expectante, mas ao ver a boca da amiga aberta segui-lhe o exemplo. A primeira golfada de leite atingiu bem fundo a garganta de Anabela, virei-me para Sandra, cujo rosto foi brindado com uma esporradela que lhe cobriu a face direita, mas à terceira foi de vez na boca ansiosa por sentir o calor e gosto doce da minha esporra. A sua língua lambia os lábios. Baixei-me e beijei-as partilhando a langonha que lhes tinha ejaculado nas bocas. Abraçados, prometemos voltar a repetir, ainda, hoje, a sessão. Sandra passa, agora, longas temporadas na nossa casa. Constitui o terceiro pilar na relação entre mim e a minha mulher de forma harmoniosa e Sandra encontro o afecto que lhe faltava na vida, complementado com grandes sessões orgiásticas."

Posted by Erótico e Sensual at 04:39 PM | Comentários: (0)

Calçado erótico

E que acham destes sapatos que podem ajudar na realização de alguma fantasia?




Podem encontrá-los AQUI

Posted by Erótico e Sensual at 04:19 PM | Comentários: (0)

O segredo da vóvó

Posted by Erótico e Sensual at 03:54 PM | Comentários: (0)

Esparguete à Paraíso

 Ingredientes:


  • 150 g de cogumelos laminados;

  • 250 g de esparguete;

  • 1 molho de espinafres lavados e arranjados;

  • 1 chalota picada;

  • 2 dl de natas;

  • 1/4 de chávena de queijo parmesão ralado;

  • noz-moscada q.b.;

  • sal e pimenta q.b.;

  • 6 colheres de sopa de manteiga sem sal.

Confecção:


Cozer o esparguete em água com sal durante 12 minutos. Escorrer.
Derreter a manteiga numa frigideira.
Juntar a chalota picada e os cogumelos laminados, saltear durante 3 minutos.
Juntar os espinafres picados e saltear durante mais 1 minuto.
Temperar com sal e pimenta.
Juntar o esparguete aos vegetais e retirar do lume, misturando bem.
Juntar as natas e o parmesão.
Colocar numa travessa e polvilhar com noz- moscada.
Servir imediatamente.

Posted by Erótico e Sensual at 02:42 PM | Comentários: (0)

O velhinho

O velhinho de 70 anos foi fazer um exame ao seu médico e durante as observações disse ao médico que estava com um problema sério:
- Senhor Doutor, estou com um problema grave ! Quando faço amor com minha esposa, nem sempre consigo ir para a segunda.
O médico riu e disse:
- Ora, meu senhor, na sua idade a primeira já merece aplausos.
O velho insistiu:
- O pior doutor é que na primeira eu sinto frio e na segunda eu sinto calor.
O médico ficou curioso e resolveu dar atenção ao velho.
- Então vejamos, qual o intervalo médio entre a primeira e a segunda ?
O velhinho respondeu:
- Bom, a primeira eu dou em Janeiro e a segunda em Julho.

Posted by Erótico e Sensual at 02:33 PM | Comentários: (0)

Deitada

Posted by Erótico e Sensual at 02:14 PM | Comentários: (0)

No WC

"O que vos vou contar aconteceu-me ontem, num centro comercial . Dirigi-me ao referido centro comercial para fazer compras numa grande superfície, uma vez que no fim de semana não tive oportunidade eram cerca das 9h 20m, deu-me vontade de urinar e dirigi-me à casa de banho. Estava em manutenção e aconselhavam a dirigir-me ao piso superior, assim o fiz. Chegado à porta da casa de banho do 1º piso deparo-me com o mesmo aviso, aconselhando-me a procurar a do rés-do-chão. Não me fiz rogado e entrei naquela casa de banho, deparei-me com uma das mulheres de limpeza que nem se voltou quando eu entrei. Dirigi-me a um dos cubículos, entrei, fechei a porta e comecei a urinar, sinto mexer na porta, aviso que estava ocupada, mas a porta abre-se, era a mulher da limpeza, voltei-me ainda com caralho na mão e fiquei surpreso pela sua atitude, dizendo-lhe que estava ocupada.
Era uma mulher madura, talvez nos 45 anos, morena com o cabelo apanhado num rabo de cavalo. Desafiou-me, só te quero chupar mais nada e atirou a sua mão em direcção ao meu caralho que ainda não tinha guardado. Ninguém vai entrar que eu fechei a porta e deixei o aviso da limpeza. Embora não fosse uma mulher deslumbrante, uma boca era sempre uma boca e porque não juntar o útil ao agradável. Concordei com a cabeça e ela desapertando a bata deixou antever um corpo roliço e um sutien que deveria segurar umas mamas tamanho 42. As suas mãos desapertaram e desceram-me as calças e as cuecas e ajoelhando-se, a sua boca começou a chupar-me o flácido caralho. Aos poucos ia adquirindo rigidez. As minhas mãos apertavam-lhe os mamões à medida que aquela língua se movimentava em torno do meu caralho. A mulher gostava mesmo daquilo e sabia deixar um homem feliz. Levantei-a e beijei nos lábios, primeiro sem grande adesão da sua parte mas quando lhe pedi para me deixar sentir o meu sabor na boca dela a sua boca abriu-se para deixar a minha língua entrar e tocámos um lambido e sugado beijo. Sentei-a na sanita e ofereci-lhe o meu caralho agora em perfeita erecção e os olhando para mim, abocanhou os 18 cm de carne de uma só vez, senti a glande bater na sua garganta. Apertou os lábios e começou a chupar como se estivesse a mamar numa teta, estava cheio de tesão sabia que não ia aguentar muito, mas estava a ser tão bom que decidi retirar-lho da boca para prolongar mais um pouco a sessão. Uma das suas mãos esfregava a cona ao mesmo tempo que me fazia o broche, dirigi a minha mão para a cona para a acariciar, mas ela advertiu-me logo que não a penetraria, disse-lhe que sim, que faria tudo o que ela quisesse. Pediu-me que a lambe-se pois era muito higiénica, aproximei a cara da sua cona e a minha aproximação do seu corpo permitiu sentir um odor agradável de quem tinha cuidado com a higiene e os meus dedos afastaram as suas cuecas para a minha língua trabalhar os eu clitóris. A agarrou-me na cabeça e pressionou-me contra a sua cona os meus lábios chupavam-lhe o grelo e ela esta a gostar, anda cá disse ela deixa-me sentir o teu leite na minha boca, levantei-me e oferecei-lho caralho ao mesmo tempos que ela continuava a masturbar-se, a sua boca deslizava para cima e para baixo no meu caralho, senti que estava próximo e advertia que estava quase a vir-me. Pediu-me para eu me vir na sua boca. A sua boca esta aberta à espera que as minhas mãos completassem o trabalho que ela havia iniciado, estava a caminho. A primeira golfada de esporra saiu a uma velocidade enorme que lhe deve ter batido bem fundo na garganta as restantes foram acertando no rosto e na boca os seus dedos empurravam a minha espora que lhe cobria as faces e o queijo para dentro da boca, depois de tudo limpo, perguntou se eu gostara, disse-lhe que tinha sido um dos melhores começos de dia de sempre. Agora és capaz de me dar um beijo como há bocado, puxei-a para mim e beijei-a, a sua língua ainda tinha restos da minha esporra que partilhámos naquele beijo. Quando nos estávamos a despedir disse-me, não penses que faço isto todos os dias mas fiz uma aposta com a minha colega, que estava ali no corredor, que havia de fazer-te a folha e ganhei. Mas ganhámos os dois não foi? Assegurei-lhe que sim e disse-lhe que e quisesse encontrar comigo fora dali podíamos dar aso a outras brincadeiras. Ficou com o meu número de telefone e agora estou à espera que aquela mamona me telefone. Pois reservo-lhe uma surpresa, juntá-la com a minha mulher."

Posted by Erótico e Sensual at 02:13 PM | Comentários: (0)

Amores de chocolate com amêndoa

  Ingredientes:


  • 170 grs. de chocolate culinária

  • 1 lata de leite condensado Nestlé

  • 150 grs. de amêndoa torrada

  • 150 grs. de sultanas

  • 1 pitada de sal

  • Manteiga para untar

  • Papel de alumínio para forrar

Confecção:


Forre um tabuleiro com papel de alumínio e unte-o com manteiga.
Parta o chocolate em pedaços, deite-os num recipiente e leve-os a derreter em banho-maria.
Deite o leite condensado e o sal num tacho e junte-lhes o chocolate derretido; leve ao lume, mexendo sempre, durante 10 minutos.
Retire do lume, junte as amêndoas e as sultanas e misture bem.
Com uma colher de sopa retire pequenas porções do preparado, coloque-as em cima do papel untado e deixe arrefecer até que fiquem bem frias.
Coloque-as numa taça de vidro transparente e sirva ou faça pequenos embrulhos com papel celofane.

Posted by Erótico e Sensual at 02:04 PM | Comentários: (1)

A marca

Uma mulher entra no consultório de um médico para uma consulta. Tira a blusa e o médico percebe uma marca vermelha em formato de "H" na região dos peitos da paciente.
- Por que você tem essa marca vermelha? - pergunta o médico.
- Oh! Meu namorado entrou em Harvard e está tão orgulhoso disso que nunca tira o sueter de Harvard, nem quando fazemos amor...
Dois dias mais tarde, outra mulher vem ao consultório e, quando tira a blusa, o médico percebe uma marca roxa em formato de "Y" na região dos peitos da paciente.
- Como você conseguiu essa marca?
- Oh! Meu namorado entrou em Yale e está tão orgulhoso disso que nunca tira o sueter de Yale, nem quando fazemos amor.
Dois dias mais tarde, outra mulher vem passar por uma consulta. Quando tira a blusa, o médico nota uma marca vermelha em formato de "M" em seu peito.
- Você tem um namorado em Michigan?" - pergunta directamente o médico.
- Não, mas tenho uma amiga na universidade de Wisconsin. Por que o senhor quer saber?....

Posted by Erótico e Sensual at 01:56 PM | Comentários: (0)

Missy






Sigam-na

Posted by Erótico e Sensual at 01:35 AM | Comentários: (0)

Que grande negócio

"Eu trabalhava como vendedora numa firma de automóveis em que o serviço apesar de rotineiro até não era muito desagradável pois conhecia-se montões de gente todos o dias.
Certo dia um novo cliente, que mais tarde se tornou um cliente habitual, pediu-me para lhe mostrar o catálogo dos diversos modelos referentes àquela marca, porque como era costume tínhamos alguns em exposição, mas como é óbvio, não poderiam estar todos ali.
Mostrei-lhe o catálogo e fui lhe dando referências de cada modelo como habitualmente costumava fazer.
Não tinha notado nada de estranho até aquele momento, apenas um olhar quase penetrante mas isso já era habitual em quase todos os homens que pretendiam comprar carro.
Ele fazia muitas perguntas sobre cada modelo dizendo que não havia percebido, uma ou outra coisa, quando eu havia explicado e apesar de o fazer com um tom de voz um tanto ou quanto insinuante eu já estava a ficar farta e encarei-o com intenção de o descartar pois aquilo já parecia gozo, quando me dei conta de que naquele olhar havia qualquer coisa que ele realmente via e desejava mas que não se tratava de um carro.
Gelei por um momento mas contive-me e para despachar aquela situação fiz a pergunta habitual: -"Há algum modelo que o interesse mais, podemos mandar vir se não o tivermos cá?", á qual tive resposta imediata: -"Sim há um, mas tem aqui mesmo", e lançou novamente aquele olhar de malícia desta vez acompanhado de um sorriso completamente devastador, engoli em seco e perguntei-lhe se o levaria naquele momento e ele disse que naquele exacto momento não mas que sim iria tê-lo. E saiu com o mesmo ar de sacana com que tinha me gozado naquele momento e com o cartão da firma que continha como é óbvio, o número de telefone da firma e o meu número de telemóvel como vendedora.
 Saí da firma no horário usual de encerramento e dirigi-me normalmente até minha casa, era sexta-feira e no sábado eu não trabalhava.
Fiz o jantar e fui tomar um banho para relaxar, estava exausta e um pouco intrigada com as reacções daquele cliente estranho...não conseguia esquecer aquele olhar e aquele sorriso ambos tão envolventes...
Estava a delirar, não podia imaginar coisas afinal aquele era apenas mais um dos muitos clientes que por ali passavam.
De repente o telemóvel tocou e como tinha o costume de o levar sempre comigo para onde eu ia, atendi mesmo estando no banho.
Qual foi o meu espanto quando aquela voz, que parecia que eu conhecia há muito tempo, respondeu do lado de lá dizendo que queria obter o modelo que desejava antes que alguém se atrevesse a ficar com ele, respondi-lhe dizendo que a venda poderia ser efectuada na segunda-feira no horário normal de serviço mas ele não se contentou e insistiu pedido-me que lhe cedesse alguns minutos de conversa e como eu não lhos cedi ele entrou por um rumo um pouco diferente na conversa e perguntou-me se eu estava a tomar banho, pois conseguia ouvir o mexer da água respondi-lhe que isso não lhe dizia respeito e já ia desligar o telemóvel quando ele disse que daria tudo para poder estar ali comigo, observando-me e tocando-me, fazendo-me deliciar no calor daquela água e na maciez da espuma que cercava todo o seu desejo...o meu corpo, que se fundia naquela espuma espessa, todo coberto por ela mas ao mesmo tempo todo nu... que saltaria para dentro daquela banheira e me afogaria de desejo e depois me salvaria do sufoco enlouquecendo-me de beijos, acariciando-me e espalhando o "gel" quente que lhe sairia da sua embalagem, e tinha "gel" para muitos banhos...eu já não conseguia desligar o telemóvel, eu não estava resistindo a todos aqueles desaforos escaldantes e tocava-me na rata tão molhada não da água mas sim do tesão que aquela conversa me proporcionava, "sacaneei-me" até quase morrer tentei não fazer barulhos para ele não se sentir triunfado mas estava quase impossível suportar, eu tremia tanto que acho que ele percebeu... também tive a sensação de que ele se "tratava bem" mas ele fez questão de deixar isso bem claro, pois não evitava a respiração ofegante e descontrolada, respirei fundo, tomei coragem e perguntei-lhe, já receando a resposta, o que queria de mim, qual era a sua ideia, o que achava que iria conseguir com tudo aquilo que estava a dizer, tentei fazê-lo com ar zangado mas sentia-me tão mole que acho que não consegui fazê-lo acreditar que não estava a gostar pois ele prosseguiu dizendo que viu o modelo que gostava e ia tê-lo muito em breve, custasse o que custasse, faria tudo para o ter...e desligou!
Saí de pulo daquela banheira, enrolei-me na toalha mas estava tão nervosa que quase não me segurava de pé, sentei-me na beira da banheira e ainda sentia aquela respiração de desejo nos meus ouvidos e aquela voz sensual que me tirava do sério, aquele homem desejava-me e fazia-me desejá-lo a ponto de me proporcionar um estado terrível de ânsia, comecei a tocar-me novamente mas estava tão carente depois do sucedido que aquilo só não bastava...então recompus-me, levantei-me, tentei esquecer e fui jantar.
Comia tranquilamente quando, de repente, ouço a campainha tocar, era de estranhar pois não esperava ninguém e se fossem as minhas amigas telefonariam-me antes pois sabem que não costumo abrir a porta a ninguém muito tarde.
Esperei mais um pouco pois podiam pensar que não estaria em casa e desistirem, fosse quem fosse, mas isso não aconteceu então comecei a ficar preocupada, hesitei por um instante e dirigi-me á porta. Qual não foi o meu espanto quando mesmo ali á minha frente se encontrava o bendito cliente que me havia "torturado" á poucos minutos atrás. Gelei por completo, a minha primeira reacção foi fechar a porta, mas foi uma tentativa falhada ele fez barreira e conseguiu entrar dizendo que estava ali para obter o que desejava e desejava tanto, ainda consegui dizer que chamaria a policia se ele tentasse alguma coisa, mas ele, não sei como, conhecia-me e sabia como me amolecer, ora com o olhar, ora com o sorriso, ora com palavras e ali estava eu na frente daquele homem completamente sozinha e vestindo apenas um roupão.
Á entrada da porta ficava uma pequena sala de estar e para ele veio mesmo a calhar...sem muitas conversas ele atirou-me para cima do sofá que se encontrava perto e decidiu por si ajoelhar-se á minha frente e invadir a minha "privacidade" com a sua boca...acho que foi a melhor decisão que ele tivesse tomado, abriu-me as pernas mais um pouco e eu não resisti aquele linguado quente e molhado e tão bem trabalhado, comecei a gemer sem controlo possível e entre tudo isso ele ia dizendo que sem dúvida aquele seria o melhor negócio da sua vida.
De seguida e sem dar tréguas ele levantou-se e enfiou o seu mastro que já se encontrava de fora, na minha boca, eu quase não podia respirar, ele enfiava-o tão fundo e de repente quase o tirava de vez e tornava a enfiá-lo e assim sucessivamente, gemia como um louco dizendo que finalmente eu era dele...foi quando ele lançou do seu interior para o interior da minha boca todo aquele suco quente segurando e pressionando a minha cabeça.
Tornou a tocar-me para se recompor e quando já estava activo novamente, e isso levou o quê?...uns dois segundos...enfiou o seu pau na minha ratinha muito molhadinha e beijou-me fogosamente a boca, o pescoço e á volta das minhas mamas mordendo de seguida os mamilos rijos de desejo...sim aquilo era bom sentia-me tão preenchida, aquele pau sabia o que fazia, dava-me o maior tesão que senti na minha vida, mas tudo melhorou quando eu decidi desfrutar daquele homem noutra posição, assim virei-me e ele enfiou-o por trás, é uma posição um pouco selvagem mas tão vantajosa, conseguia tocar no que lhe ficava de fora e ele adorou, ele por sua vez podia acariciar minhas mamas e ver o meu cuzinho, vibrávamos de tanta excitação, não estava a aguentar aquilo tudo, parecia que eu estava a sonhar, o melhor sonho que já havia sonhado, mais molhado, mais quente, mais doce e mais violento...saiu da minha ratinha o maior jacto que eu me pudesse lembrar e ainda deu tempo de me voltar e receber em cima da minha barriga o "creme" quente do seu mastro, o que me fez deliciar perante o olhar daquele homem que tanto me desejava e que, inconscientemente, sempre o havia desejado desde o primeiro momento, mas só ali o descobri.
Quando tudo se acalmou, conseguimos estabelecer um diálogo, foi quando eu perguntei como ele sabia onde eu morava, ele disse que havia me seguido desde o trabalho até casa e quando telefonou estava parado em frente da porta, pronto para agir, disse também que já há muito tempo vinha seguindo os meus passos, daí conhecer mais ou menos os meus gostos e a única maneira mais viável de me possuir seria do modo que realmente as coisas aconteceram.
Sabia que eu ia ficar assustada, mas nunca teve intenção de me fazer mal...apenas me desejava muito e não descansava se não me tivesse nem que fosse só por um instante, o que não aconteceu pois a partir dessa altura voltámos a ver-nos com alguma frequência, mas sem compromisso e sempre que ele saía dizia que aquele teria sido, sem dúvida, o melhor negócio da sua vida."

Posted by Erótico e Sensual at 01:27 AM | Comentários: (0)

Freira curiosa

Posted by Erótico e Sensual at 01:16 AM | Comentários: (0)

Poção mágica

 Ingredientes:


  • Genebra;

  • leite de coco;

  • gengibre fresco ou seco ralado na altura;

  • Pernod.

Confecção:


Misturar bem todos os ingredientes, num copo de misturas, em proporção ao gosto, e tomar imediatamente.

Posted by Erótico e Sensual at 01:12 AM | Comentários: (0)

Bela visão

Posted by Erótico e Sensual at 12:55 AM | Comentários: (0)

Aluna de História

"Sou professor de História numa escola da zona centro de Portugal, e em Setembro iniciei uma turma de 12º ano onde a maioria dos alunos são mulheres, e como sempre no início observo-as todinhas e há sempre aquelas que me chamam mais a atenção. A aluna com quem se passou esta aventura chama-se Verónica e foi assim. Na última sexta feira antes de terminar o trimestre estava marcada uma festa numa discoteca e eram quase 6 horas quando saí da escola, ao passar o portão vi a Verónica sozinha e parecia esperar transporte, mandou-me parar e pediu-me se lhe dava boleia para o outro lado da cidade onde eu moro sozinho, chovia bastante e a amiga dela não estava contacável. Ok, dei-lhe boleia e pelo caminho ela contou-me que à noite iria à discoteca com a amiga que tinha transporte do namorado e morava num prédio pertinho do meu, até à meia noite iria esperar em casa dela e depois de regressarem da discoteca dormiria em casa dela, mas que não sabia nada dela e tinha o telefone desligado. Deixei-a junto ao prédio e disse-lhe que no caso de a amiga não estar em casa poderia ir até minha casa em vez de estar à chuva ou ir para um café. Chovia mesmo muito e ofereci-me para a esperar, ela recusou dizendo que a amiga de certo estaria em casa, mas caso contrário iria ter comigo - perguntou-me qual era o meu andar e eu respondi-lhe e disse-lhe ainda que não tinha vontade de ir à discoteca, mas em último caso a iria lá levar. Esta menina era uma daquelas que mais me tinha chamado à atenção ao longo do trimestre, pela forma como se vestia, pela forma arrojada como se comportava entre outros aspectos. Bom, depois de a deixar fui para casa e troquei de roupa, fiz uma fogueira, e quando me preparava para iniciar o meu jantar tocou a campainha, era a Verónica. Subiu e apareceu-me completamente enxarcada, tinha um casaco pequeno que logo tirou e umas calças de ganga todas molhadas, só a camisola tinha escapado à chuva. Explicou-me que a amiga não estava em casa nem ela nem os pais e eu encaminhei-a para a fogueira para se secar e esfregando as mãos de contente por ter uma bela companhia para o jantar disse-lhe que lhe poderia emprestar algumas roupas para se trocar, ela respondeu dizendo que tinha no saco roupa que pretendia levar à discoteca e perguntou-me se podia trocar-se, disse prontamente que sim e que se quisesse poderia tomar um banho. Aceitou imediatamente, mas deixou o saco na sala. Dei-le toalhas e fui fazer duas febras para o jantar. Estava a pôr a mesa quando ela me apareceu embrulhada numa toalha que lhe tapava apenas metade do rabo, pediu-me um secador e voltou. Passados uns minutos, estava eu no sofá junto à lareira onde ela tinha deixado o saco, ela voltou já com o cabelo seco e com as roupas molhadas na mão atirando-as para o chão - reparei nesta altura que além da camisola e das calças estava também umas cuequinhas pretas e um sotien o que significava que ela estava sem mais nada debaixo da toalha, baixou-se, a toalha abriu mas eu não vi nada e... devagarinho tirou roupas do saco para vestir, mesmo ali junto a mim tirou tudo com muito cuidado, tirou uma camisola de gola alta vermelho escuro, uma mini-saia creme com pregas e rodada como está na moda, umas meias de rede, umas cuequinhas cor de rosa apenas com um fiozinho atrás e quando tirou o sotien do saco disse: "Isto não preciso", pediu-me uns chinelos e voltou para a casa de banho. Eu estava nervoso com a situação e quando ela voltou ainda fiquei mais, trazia as meias na mão e a mini saia era mais curta do que parecia. Sentou-se à mesa antes de mim e eu reparei que ela tinha o rabo colado à cadeira pois a saia era minúscula e não dava para prender debaixo do rabo. Estava linda, jantámos e sem arrumar a mesa fomos para o sofá, mas antes o telefone dela tocou, era a amiga, falaram e enquanto isso eu sentadinho observei-a de pé a por diversas vezes vi-lhe a tanguinha cor de rosa. O meu pau estava louco e ela percebeu e foi direitinha ao assunto: desligou o telefone, agarrou as minhas mãos e colocou-as à volta das pernas dela (ela estava em pé e eu sentado no sofá). Percorri todas aquelas pernas e acariciei-lhe o rabo, passei as mão por dentro do fio da tanguinha, ela baixou-se e abraçou-me, tirei-lhe a camisola, apalpei-lhe as mamas e ela apalpou-me o pau, tirou-o e chupou uns minutos, pedi-lhe para que ela se despisse e ela levantando-se tirou primeiro a tanga e depois de dançar um bocado tirou a saia, veio para cima de mim e fizemos um 69, colocou-me uma camisinha e fodemos no sofá e no chão junto à lareira, ela teve orgasmos e eu ejaculei nas mamas dela, ficamos nús a fazer amor até à meia noite - muito sexo oral - ainda voltàmos a foder na minha cama. Era quase uma hora quando a amiga dela apareceu, eu estava de robe e a Verónica com a mini saia e a camisola de gola alta, a amiga entrou a acho que percebeu algo, antes de sairem, a Verónica meteu a maõ debaixo da saia, tirou as cuequinhas e deu-mas dizendo: "São para si, vou melhor assim para a discoteca, um dia destes venho cá buscá-las com a Carla (amiga)". Tenho aqui as cuequinas ao meu lado e estou ancioso pela chegada das duas amigas."

Posted by Erótico e Sensual at 12:37 AM | Comentários: (0)

setembro 28, 2005

R - Grelhado Afrodisíaco

Ingredientes:



  • 100 grs. de alho francês
  • 400 grs de carne de javali ou de cordeiro
  • 2 colheres de sopa de caldo de carne
  • 150 grs. de brócolos
  • 2 colheres de sopa de molho de tomate
  • 4 colheres de sopa de cebolinha picada
  • 4 colheres de sopa de hortelã picada
  • 1 colher de sopa de sumo de limão
  • 1 colher de sopa de ervas picadas ( salsa, coentros, etc.)

Confecção:


Arranje o alho francês e corte-o em rodelas não muito finas.
Corte em tiras a carne de javali.
Lave e arranje os brócolos, separe-os em galhinhos.
Ponha uma chapa ao lume de grelhados a aquecer.
Misture a carne com todos os temperos.
Deixe tomar gosto por 5 minutos.
Ponha todos os ingredientes na chapa já quente e deixe grelhar virando a carne e legumes de vez em quando.
Depois de grelhado regue com manteiga derretida misturada com sumo de limão ou se preferir um fio de azeite.

Posted by Erótico e Sensual at 07:58 PM | Comentários: (0)

Christina





Aqui há mais

Posted by Erótico e Sensual at 06:48 PM | Comentários: (0)

Tirar o ar

O menino entra de repente no quarto e vê a mãe em flagrante deitada por cima do pai.

- Que é que estás a fazer, mamã?
- Ah... querido... bem... é que o teu pai está muito gordo e eu estou a tirar todo o ar que está dentro dele...
- Não adianta, mamã! Quando tu fores trabalhar, a vizinha do lado vai soprar no canudinho e ele volta a encher de novo!

Posted by Erótico e Sensual at 06:25 PM | Comentários: (0)

Quantas consegues?

Numa certa noite, estavam dois amigos (um preto e um branco) a discutir sobre quem conseguia dar mais quecas numa noite. Para resolver a questao,
decidiram ir a uma casa de putas.
Uma vez lá chegados, escolheram as suas companheiras e cada um dirigiu-se ao respectivo quarto.
O amigo branco, energicamente, deu a primeira, agarrou num lapis e fez um traço na parede. Logo a seguir, adormeceu.
Acordou poucas horas depois, e entusiaticamente (embora com menos energia) deu a segunda, deitou-se e fez outro traço na parede. Logo a seguir voltou a
adormecer.
Voltou a acordar algumas horas depois e a custo, lá conseguiu dar a terceira, arrastou-se para a parede e fez o terceiro traço. A seguir
adormeceu para o resto da noite.
Na manhã seguite, o amigo preto foi ao quarto do amigo branco, para ver como ele se tinha safado. Olhou para a parede e exclamou:
- Cento e onze?! Sacana, ganhaste-me por três!!  

Posted by Erótico e Sensual at 02:47 PM | Comentários: (0)

setembro 27, 2005

Irmãs da Misericórdia

Um homem esta a conduzir por uma auto-estrada deserta, quando ve um cartaz na berma da estrada que diz:
IRMAS DA MISERICORDIA CASA DE PROSTITUICAO 10 Km.
 Pensa que foi so um relampago da sua imaginacao e continua atento a estrada sem mais pensamentos. De repente encontra outro cartaz que diz:
IRMAS DA MISERICORDIA CASA DE PROSTITUICAO - 5 Km e chega a conclusao que esses cartazes sao reais. Quando passa pelo terceiro sinal que diz:
IRMAS DA MISERICORDIA CASA DE PROSTITUICAO PROXIMA A DIREITA
Uma grande curiosidade apodera-se dele e vai ate a estranha casa.
Para o carro no estacionamento e avista uma pequena casa de pedra com um pequeno sinal na porta dizendo:
IRMAS DA MISERICORDIA.
Sobe as escadas e toca a campainha. A porta e atendida por uma freira num longo e negro habito que lhe pergunta:
 - O que podemos fazer por ti, meu filho?"
 Ele responde:
 - Eu vi os cartazes ao longo da estrada e estou interessado em fazer negocio."
 - "Muito bem, meu filho. Segue-me por favor."
 E e conduzido por varias salas e corredores, e cedo fica desorientado.
 A freira para perto de uma porta fechada, e diz ao homem:
- "Por favor bata a essa porta".
 Ele faz o que ela lhe disse e a porta e atendida por outra freira num longo
habito segurando uma caneca de lata. Esta freira diz-lhe:
- "Por favor ponha 10.000$00 na caneca, depois va ate ao fim deste corredor ate uma porta larga de madeira"


 Ele tira duas notas de cinco contos da sua carteira e coloca-as na lata da freira. Corre um pouco ate ao fim do corredor e passa pela porta,fechando-a atras dele. Quando a porta bate atras dele, descobre que voltou ao parque de estacionamento, e ve um outro pequeno sinal que se encontra virado para ele:
VAI EM PAZ, ACABASTE DE SER FODIDO PELAS IRMAS DA MISERICORDIA.

Posted by Erótico e Sensual at 08:32 PM | Comentários: (0)

A vizinha

Tudo isto se passou num fim de semana normal como tantos outros em pleno verão. Quando toca a campainha eram umas 10,30 h, mas como estava de férias é claro que aproveito-as para dormir um pouco mais e não sei porquê mas acordo sempre com uma excitação logo de manhã que ás vezes tenho de “aliviar-me” se é que me estão a perceber.
Era a minha vizinha Patrícia que estava fazendo um trabalho no PC dela e começou a ter um problema, como ela sabia que eu percebia (modéstia á parte) um pouco de computadores ela não hesitou (ainda bem) em me vir chamar para ver se eu resolvia o problema dela (podia ser que ela me resolvesse o meu, aquele que quando acordo...) ainda por cima ela como já nos conhecemos a alguns anos acabamos por estar á vontade um com o outro, tratavamo-nos como irmãos mas neste dia .... bem ela chegou á minha porta com uma camisa um pouco comprida mas dava bem para ver aquelas lindas pernas e de cuecas..... eu nem queria acreditar naquilo que estava a ver, é claro que já a tinha visto daquela maneira (até com menos roupa...mas isso agora não vou contar-vos) mas ainda não a tinha visto assim logo ao acordar... imaginem só , ela de camisa e cuecas eu apenas de boxers ... Por sorte consegui resolver o problema do PC dela bem rápido mas inventei uma desculpa para demorar mais algum tempo pois estava a adorar estar ali com ela ..... «bem patrícia, acho que já está, mas se em todo o caso é melhor esperar um pouco a ver se não acontece novamente» disse-lhe eu... Sentei-me na cama dela que por acaso ainda não estava feita, apetecia-me deitar-me nela e sentir um pouco do perfume dela que ainda estivesse nos lençóis, mas tive de me conter e ao pensar nisso aqui o “ júnior” começou a dar sinal ... tive de por uma almofada dela no meu colo pois sentia-me um pouco embaraçado se ela me visse naquele estado. Ela estava sentada na sua secretária mesmo á minha frente ... apetecia-me mesmo abraçá-la ali e beijá-la .. Novamente tive de me controlar.. passado um pouco ao mesmo tempo que íamos falando de algo mas não me perguntem o quê pois quase não liguei o que ela estava a dizer , o meu fluxo de sangue estava todo direccionado par uma parte do meu corpo... Passado um pouco ela olha para trás e levanta-se eu a pensar que era agora... mas não, ela reparou que tinha a cama por fazer e disse que ia a fazer num instante (para decepção minha) mmm reparei ela ao baixar-se que não tinha soutien e como já a tinha visto uma vez a trocar de roupa nu (sem que ela soubesse) sabia bem que ela tinha uns seios... de fazer “água na boca” redondinhos, no tamanho certo, firmes....perfeitos. Tive de me levantar para ela fazer a cama mas o meu estado continuava na mesma ...então não larguei a almofada e fingi que estava a tira-la para ela fazer melhor a cama. Mas logo de seguida ela vai agarra-la tentei arranjar algumas desculpas para ela não o fazer mas foi inútil.. ela claro que percebeu porquê que eu não queria largar a almofada então insistiu para eu lhe devolver a almofada (mais tarde percebei que ela tb sentia uma atracção por mim) lá tanto andou que tive de lhe dar ... agora mais que nunca, o “júnior” estava rijo ...duro....sei lá chamem o que quiserem. Ela olhou-o (por cima das boxers é claro) de seguida olhou-me nos olhos... pude reparar que estava já com os biquinhos dela tb rijos o que me fez sentir um pouco mais seguro naquela situação.... e diz-me isso é tudo por minha causa....que poderia eu dizer....« claro , há já algum tempo que penso em ti, que desejo-te» (disse-lhe mas estava todo vermelho...apetecia-me fugir dali) ela, sem dizer mais nada agarra-me pelo pescoço, pela nuca....chega-se e beija-me. Ai finalmente pude sentir-me bem seguro...então aproveitei e retribui aquele beijo...pude sentir a língua dela , os lábios dela a boca....mmm que beijo molhado....delicioso. as minhas mãos começaram a percorrer aquele corpo...e para minha surpresa senti as mãos dela percorrer tb o meu... principalmente uma delas que foi descendo pelo meu corpo....brincava com os pelos do meu peito...passava pelo meu umbigo.....e desceu ainda mais mergulhando por dentro das minhas boxers , até que senti-a a agarrar o meu sexo...pensei que iria me vir antes sequer de ter iniciado alguma coisa, com tanta excitação que estava a sentir naquele momento... comecei tb a desabotoar a camisa que ela trazia .... podia ver aparecer por entre aquele tecido ...aqueles maravilhosos seios ....agora não me limitava a ver como o fiz na outra vez...é claro que ela não sabia ... mas agora poderia senti-los , apalpa-los, beijá-los, mordisca-los, chupa-los... maravilhar-me neles .... e foi exactamente o que eu fiz, a minha boca foi descendo pelo corpo dela, deixei por um momento de beijar a boca dela , para me poder tb deliciar pelo resto do corpo, desci pelo seu pescoço onde podia sentir o perfume dela ... achei que não fosse aguentar de tanto desejo, beijei cada centímetro, cada milímetro de facto apesar de eu estar com uma vontade de fazer amor com ela ... sim amor... acho que tudo aquilo fez-me despertar algo em mim que julguei não existir, eu estava mais preocupado (não sei se será esta a palavra certa) com o prazer dela do que com o meu, queria que ela se sentisse bem comigo....eu estava a adorar as preliminares bem eu por acaso sempre adorei as chamadas “ preliminares ” a minha boca continuou a percorrer aquele corpo....cheguei finalmente aos seios dela onde passei a minha língua naquele vale que era formado pelos lindos seios dela, passei a minha boca, a minha língua, os meus dentes por aquele pedaço de carne...... mmmm....... cheguei ao mamilo dela , duro, puxei-o suavemente com os dentes..ouvi ela dar um gemido maior...senti que estava a gostar, chupei-os....e como os chupei. A minha mão passava agora tb pelo outro seio dela onde sentia-o firme, agora beijava aqueles seios lindos, podia sentir um pouco do suor dela .. o que me excitava ainda mais. Fui descendo....por aquela barriga...cheguei ao umbigo...enfiei a minha língua nele beijei-o fui continuando, agora com as minhas mãos e tb com a ajuda da minha boca baixei aquelas cuequinhas dela, começava a ver os pelos dela..... finalmente estava a ver por inteira ...completamente nua...ali para mim..se isto fosse um sonho , só espero não acordar dele. Sem dizer nada “afundei-me” no sexo dela, eu próprio esta a estranhar-me pois nunca tive tanto desejo de fazer isso , a minha boca parecia que queria “engoli-la” todinha... penetrei a minha língua nela, teve o primeiro orgasmo, parecia que ela ia desmaiar então antes que caísse deitei-a na cama, voltei a subir pelo corpo acima beijando-a, lambendo-a chupando cada pedacinho dela, beijei a boca dela , ela de certo podia sentir o seu próprio sabor, e acho que com isso ainda ficou mais excitada... de tal maneira que fez-me mudar de posição, agora estou eu deitado na cama de peito para cima e ela sentou-se em cima de mim, olhei-lhe nos olhos e parecia-me que me queria comer.... pude perceber o quanto que ela estava a adorar aqueles momentos, mas antes de ser penetrada, agora foi a vez dela descer pelo meu corpo, enche-lo de beijos e lambidelas até chegar ao meu sexo, agarrou-o e começou a beijar a cabeçinha , parecia que ela tinha curso superior em como excitar um homem pois fazia aquilo de uma maneira, vê-la passar a língua, como se tratasse de um gelado, ela ia me punhetando ao mesmo tempo que me chupava, eu apoiei uma mão na cabeça dela, não queria que ela parasse.....estava quase a vir-me ela percebeu, então deixou de me chupar...deixou-me mais louco....ter de reter aquele desejo dentro de mim, eu queria vir-me na boca dela....mas acabou-me por compensar , sentou-se em cima de mim, mais propriamente em cima do meu sexo com uma mão encaminhou o meu sexo para dentro dela, e desceu lentamente , eu ia acariciando-lhe os seios, ela por vezes baixava-se para me beijar mas sem parar de “cavalgar” , cada vez mais rápido, senti ela vir-se mais uma vez.....enfiei nisto um dedo no cuzinho dela o que ela adorou estava quase a vir-me....e acabamos por nos vir-mos ao mesmo tempo. Ficamos ali deitados por umas duas horas, abraçado s um ao outro e beijando-nos prometendo que iríamos repetir esta experiência mais vezes ...

Posted by Erótico e Sensual at 01:40 AM | Comentários: (0)

Crepes flamejados

Ingredientes:


Para a massa:


  • 225 g de farinha;
  • 2 dl de leite completo;
  • 3 ovos;
  • sal q.b.;
  • 2 colheres de sopa cheias de manteiga;
  • 1 colher de sopa de açúcar.

Para o recheio:


  • 100 g de açúcar;
  • 1/2 manga;
  • 50 g de morangos ou outra ao gosto;
  • 2 kiwis;
  • 1/3 de uma maçã;
  • 1 vagem de baunilha;
  • gelado ao gosto q.b.

Confecção:


Primeiro os crepes: Numa taça ponha a farinha o açúcar e o sal.
Abra uma cavidade no centro e ponha os ovos ligeiramente batidos, misture tudo muito bem.
Adicione o leite e, com a vara de arames bata bem para que fique uma massa lisa sem grumos.
Por fim junte a manteiga derretida mas não quente e ligue sem bater.
Deixe a massa a repousar durante 20 minutos.
Faça os crepes como habitualmente, untando uma frigideira antiaderente
Levando ao lume a aquecer e depois pôr uma concha de massa rodando a frigideira para que fiquem com o formato de discos, e deixar alourar de um lado e do outro.
Repetir a operação até acabar a massa.


O recheio: Cortar todas as frutas em cubos pequenos depois de descascadas.
Leve uma frigideira ao lume com o açúcar para fazer um caramelo clarinho.
Junte os cubos de fruta e, deixe formar uma calda o que leva +- 2 minutos.
Corte a vagem de baunilha ao meio e adicione ao doce.
Deixe arrefecer.
Recheie cada crepe (2 crepes por pessoa) com o doce de frutas e feche os crepes no formato que desejar.
Ponha os crepes no prato que irá servir com uma bola de gelado ao centro.
Com uma pequena quantidade nas laterais do prato de aguardente aquecida puxe-lhe fogo para flambear e sirva em chamas.

Posted by Erótico e Sensual at 01:38 AM | Comentários: (0)

Máquina de ordenha

Pois tava lá o empregado da fazenda de vacas leiteiras lavando e Limpando o curral quando deparou-se com uma máquina moderna de ordenha.
Curioso,ele começou a apalpar a máquina até que ela lhe chupou um dedo.
Mente suja, meio taradão, ele logo colocou o bilau na máquina e a máquina chupava como uma doida. E ele ali, fazendo aquela cara de prazer até atingir o orgasmo. Rapidamente seguiu-se um segundo orgasmo. Na hora que ele foi tirar o pingolin da máquina cadê que ele saía?
Puxou e nada.
E a máquina chupando. E ele puxava e nada.Desesperado, ele começa a procurar o botão prá desligar aquela coisa. E a máquina chupando. Já tododescabelado ele viu a plaquinha, do lado:
"DESLIGA-SE AUTOMATICAMENTE AOS CINCO LITROS."

Posted by Erótico e Sensual at 01:33 AM | Comentários: (0)

setembro 26, 2005

Costeletas de cabrito à Afrodite

Ingredientes:



  • 8 costeletas tenras de cabrito;
  • 4 fatias de presunto sem sal;
  • 4 fatias de queijo mozzarela;
  • 1 chávena de (chá) de pão ralado;
  • 2 dentes de alho picados;
  • 1 ovo batido;
  • manteiga (quantidade suficiente);
  • piri-piri q.b.

Confecção:


Colocar uma fatia de presunto sem sal e outra de queijo sobre uma costoleta pôr a segunda costoleta em cima, aparar se for preciso.
Segurar as costoletas com 1 palito em cada ponta; passá-las pelo pão ralado, alho picado e piri-piri.
Com cuidado passar por ovo batido e novamente por pão ralado e fritá-las em manteiga de ambos os lados para que fiquem douradas.

Posted by Erótico e Sensual at 07:00 PM | Comentários: (0)

O corno

Um indivíduo surpreende a mulher em sua cama com outro... Tirou o revólver da cintura, armou o gatilho e então já ia metendo bala nos dois, quando parou pra pensar e foi percebendo como a sua vida de casado havia melhorado nos últimos tempos. A esposa já não pedia dinheiro pra comprar carne, aliás, nem para comprar vestidos, jóias e sapatos, apesar de todos os dias
aparecer com um vestido novo, uma jóia nova ou uma sandalinha da moda. Os meninos mudaram da escola pública do bairro para um cursinho superchique, na zona Sul. Sem contar que a mulher trocou de carro, apesar dele estar há quatro anos sem aumento e ter cortado a mesada dela. E o mercado então, nem se fala, eles nunca tiveram tanta fartura quanto nos últimos meses. E as contas de luz, água, telefone, internet, celular e cartão de crédito, fazia tempo que ele nem ouvia falar delas. O caso é que a mulher dele era mesmo um avião, uma mistura de Tiazinha com Vera Fisher, temperada no caldo da Feiticeira. Coisa de louco. Guardou a arma na cintura e foi saindo devagar, para não atrapalhar os dois. Parou na porta da sala e disse pra si mesmo:
- O cara paga o aluguel, o supermercado, a escola das crianças, as contas da casa, o carro, o shopping, todas as despesas e eu ainda faço amor com ela todos os dias...
E fechando a porta atrás de si, concluiu:
- Bolas, o corno é ele!

Posted by Erótico e Sensual at 06:52 PM | Comentários: (0)

Preto e branco II

Posted by Erótico e Sensual at 06:29 PM | Comentários: (0)

Exótica

Posted by Erótico e Sensual at 04:57 PM | Comentários: (0)

Primeiro menage

"Esta história passou-se na Alemanha onde eu vivo.
Eu estava num lindo dia de verao a passear por um floresta onde se faz nudismo. A maior parte das pessoas que lá estao sao homens só de vez em quando se encontram lá mulheres e casais.
No meu passeio reparei num casal que estava também nú a passear, era um casal muito excitante, ela era loura com cabelos bastante compridos e com um corpo de fazer inveja a muitas top-models, devia ter uns 30 anos, ele era também louro e tinha um corpo musculado também com a mesma idade. Quando eu passei por eles reparei que eles se começaram a beijar e o caralho dele começou a crescer a um tamanho descomunal. Eu não consegui parar de olhar para eles a beijarem-se mas continuei o meu passeio, é óbvio que eles também repararam que eu estava com uma tesao enorme. Eles seguiram-me e eu parei a olhar para um rio que existe no meio da foresta. Ai eles comecaram a foder á minha frente, ela comecou por lhe fazer um broche e eu entao percebi o que eles queriam, aproximei-me deles e comecei a acariciar-lhe as mamas, como já estava nú e de pau feito, ela logo começou a chupar-me também, é incrível como ela conseguiu meter os dois membros ao mesmo tempo dentro da boca, eu estava tao excitado que nem notei que ele começou a acariciar-me o cú e a beijar-me. Eu em jovem já tinha tido relações com homens, mas há já muito tempo que isso não acontecia. Ela então pediu que ele a fode-se enquanto ela me continuava a chupar o caralho que já estava prestes a explodir. Quando ele a penetrou ela soltou um grito e eu vim-me na boca dela, ela bebeu todo o meu leite até á última gota, mas eu continuava excitado com aquela cena, então resolvi ir para trás dele e comecei a enfiar-lhe o meu membro no seu cú, ele gemeu também, pareceu-me gostar. Aquela cena foi o máximo, ele a fode-la e eu a fode-lo a ele. Entretanto mudamos de posição e eu fodia, mas no cú também, a mulher parecia ter ido ao ceú e ter voltado. Ele observava a cena toda e masturbava-se com fúria enquanto dizia para eu a foder toda, mas pediu para eu nao me vir porque também ele queria provar o meu leite, entao ele deitou-se por baixo de nós enquanto eu a fodia ele lambia-me os tomates, eu não aguentei mais e tirei o meu caralho dentro do cu dela e deitei todo o meu leite na
boca dele que estava maravilhado e acabou por se vir também. Nós despedimo-nos sem saber como é que cada um se chamava e infelizmente não nos voltamos a ver. Para mim foi uma experiência óptima, a minha primeira com um casal."

Posted by Erótico e Sensual at 03:59 PM | Comentários: (0)

Gosto do rosa

Posted by Erótico e Sensual at 03:19 PM | Comentários: (0)

Queres brincar?

Posted by Erótico e Sensual at 12:45 PM | Comentários: (1)

Bons profissionais

"Olá, eu sou a Suzete, sou casada, tenho 33 anos, não tenho corpo de modelo, mas também não sou nada de se atirar fora.
A história que vos vou contar passou-se comigo à uns meses atrás.
O meu marido tem um trabalho um pouco stressante e não temos aquilo que eu considero uma vida sexual satisfatória e de quando em vez tenho umas aventuras por fora para pôr as contas em dia. Mas esta não estava prevista.
Tínhamos acabado de mudar de casa e eu andava nas limpezas e arrumações. Como era verão e o nosso apartamento é no último andar, andava nua em casa pois os prédios vizinhos são mais baixos e ninguém me pode ver.
De repente tocou a campainha e através do vídeo porteiro vejo dois homens com malas e rolos de fio. Vinham instalar a Tvcabo.
Carreguei no botão de abrir a porta de entrada do prédio e fui procurar algo para vestir. Uma camisa de dormir, curta e muito decotada, foi o que encontrei mais rapidamente e nem me lembrei de cuecas ou soutien. Tenho um peito tamanho quarenta que mal me cabia dentro da caixa da camisa de noite.
Bateram à porta.
Fui abrir. Apresentaram-se e expliquei-lhes onde ficariam os televisores. Eram muito bem constituídos e atraentes. As t’shirts justas realçavam-lhes os músculos, que sem serem exagerados, eram firmes e um pouco salientes. Comecei logo a sentir-me molhada e os meus mamilos eriçaram-se. Eles também não ficaram indiferentes. O mais novo, que devia ter uns vinte e dois anos, colocou um dos rolos de cabo em frente do sexo para esconder uma erecção. O mais velho, uns trinta anos, começou a explicar o que iriam fazer, mas comia-me com os olhos. Nunca estivera com dois homens ao mesmo tempo mas iria tentar naquele dia...
Durante cerca de duas horas andaram pela casa a esticar cabos enquanto eu ia retirando copos das caixas. Tirava-lhes os jornais que os protegiam, limpava-os e colocava-os nas prateleiras do móvel. Para os tirar das caixas tinha de me baixar, o que fazia a camisa de dormir subir, expondo o meu apetitoso traseiro e a minha racha depilada.
O serviço deles deve ter demorado o dobro do tempo habitual pois não tiravam os olhos de mim, especialmente quando me baixava.
O mais novo pediu autorização para usar a casa de banho. Eu indiquei-lhe onde era e tenho a certeza que se foi masturbar. Este pensamento deixou-me ainda mais excitada. De tal maneira que quase escorria pelas pernas abaixo. Tinha de ser possuída por aqueles dois machos.
Finalmente deram o trabalho por terminado e o mais novo começou a levar as caixas e o resto dos cabos para baixo. O mais velho pediu para lavar as mãos pois ia começar a preencher os papeis para eu assinar.
Entretanto chegou o mais novo que pegou no resto do material e o levou.
Depois de preenchidos os papeis, pediu-me para os assinar. Peguei na caneta que me estendia, debrucei-me languidamente sobre a mesa expondo as partes intimas e de repente senti uma mão apertar-me uma nádega. Fiz um risco no lugar da assinatura.
– Desculpe. – disse eu – Enganei-me.
– Não tem importância, eu faço outra folha. – mas a sua outra mão começara a explorar o interior alagado da minha cona.
Arrastou-me para o sofá e assim que me estendi começou a lamber gulosamente a minha rata sem pêlos.
Entretanto chegou o seu colega, que deixara a porta aberta e ao ver o espectáculo esbugalhou os olhos. Aproximou-se ao meu sinal, meteu o maior vergalhão que eu já havia visto para fora das calças e deu-mo para lamber. Tentei engoli-lo mas revelou-se uma missão quase impossível, pois devia de ter mais de vinte e quatro centímetros e era tão grosso que tive escancarar a boca para o conseguir abocanhar.
Um caralhão na boca e uma língua sabida na cona fez-me vir em menos de nada.
Trocaram de posições, mas o mais novo não me lambeu. Enfiou de uma só estocada aquele monstro por mim a dentro o que me fez gemer de dor e prazer. O mais velho tinha p’raí uns dezasseis centímetros e era fino. Comecei logo a imaginar-me empalada por estes dois. Gemia que nem uma louca. Nunca sentira tanto prazer em toda a minha vida e o melhor ainda estava para vir.
O mais novo sentou-se no sofá segurando o pau pela base e eu montei-o. Rapidamente um dedo penetrou no meu cú e depois outro, abrindo caminho para o caralho que lá vinha. Foi forçando a entrada com cuidado e quando se enterrou todo ficámos parados por breves instantes. O meu corpo era percorrido por arrepios e tremores de prazer. Estava presa por aqueles dois machos. Sentia-me nas nuvens. O que me enrabava começou o seu lento vai e vem. Eu mexia-me o que conseguia, roçando o grelo na pintelheira do tronco que se mantinha quieto. Já não gemia. Gritava de prazer. Depressa cheguei ao sétimo céu e uivava como uma loba. Os espasmos percorreram-me o corpo e quase desmaiei. Estava toda rebentada, ardia-me o cú e a cona latejava.
Sentei os dois no sofá e comecei a lambe-los à vez. O primeiro a descarregar os seus líquidos na minha boca foi o mais velho. Mal engolira tudo quanto recebera, outra descarga. Agora era o mais novo que gemia loucamente.
Limpei os restos de esporra dos dois caralhos e fui-me lavar com água fria para acalmar os ardores. Quando cheguei à sala já eles se tinham composto e lá estavam os papeis para eu assinar.
Naquela noite, quando o meu marido chegou, perguntou se os homens da Tvcabo tinham sido bons profissionais.
Respondi:
– Óptimos. Vê lá tu que nem quiseram uma gorjeta de cinco contos."

Posted by Erótico e Sensual at 12:29 PM | Comentários: (0)

De rede vestida

Posted by Erótico e Sensual at 12:08 PM | Comentários: (0)

Redacção

 A professora entra na sala de aula e diz:
-Crianças, hoje vamos ter aula de poesia. Joãozinho, não me quer fazer uma poesia?
-Claro professora. Como é o seu nome?
-Natacha.
Então, o Joãozinho começou:
-Estava a andar pela praia, encontrei a Natacha. Veio a onda do mar e molhou a sua canela!
-Mas não rimou, Joãozinho!
-É que a maré estava baixa...

Posted by Erótico e Sensual at 01:57 AM | Comentários: (0)

Beleza

Posted by Erótico e Sensual at 01:15 AM | Comentários: (0)

setembro 25, 2005

Fruta

Três pessoas sobreviveram a um naufrágio: um português, um americano e um brasileiro. Eles nadaram, nadaram, nadaram, até que chegaram a uma ilha.
- IUHUUUU!!!! Uma ilha! Estamos salvos!! - gritaram.
Logo que chegaram à tal ilha perceberam que a mesma era habitada por nativos pouco amigáveis. Então, foram conversar com eles:
- Olá, somos sobreviventes de um naufrágio. Poderiam ajudar-nos?
- Não, vocês não podem ficar aqui. (detalhe: os nativos eram poliglotas)
- Mas, por favor... snif, snif... deixe-nos ficar... nós vamos morrer se vocês não nos deixarem ficar aqui!!!
- Tudo bem... tudo bem... mas para ficarem na ilha cada um dos três tem de ir ao mato e trazer duas frutas!!!
Então, os três imbecis foram atrás das frutas...
O primeiro a chegar foi o americano, com uma ameixa e uma uva.
Então o nativo mor disse:
- Agora, coloca as duas frutas no cú. Se rires morres!!!
O americano pôs a ameixa... e tudo ok. Colocou a uva... e riu-se... Teve o pescoço cortado!
Mais tarde veio o português, com uma maçã e uma laranja e o nativo mor fez o mesmo discurso...
- Se rir morre!!!
O português, no sacrifício, colocou a maçã. Na hora da laranja ele se matou de rir e teve o pescoço cortado.
Mais tarde, os dois se encontraram no céu e o português disse ao americano:
- Então? Também te riste, não foi?
- Pois foi, a uva estourou quando eu tava a colocá-la... fez cócegas e eu não aguentei e ri... E tu?
- Eu fiz um tremendo sacrifício para pôr a maçã mas, quando tava a colocar a laranja, vi o brasileiro a chegar com um melão e uma melancia!!! 

Posted by Erótico e Sensual at 11:47 PM | Comentários: (0)

Joãozinho na aula

A professora entra na sala e se depara, horrorizada, com a seguinte inscrição no quadro negro: "Joãozinho tem o Pau Grande!". Imediatamente ela apaga a inscrição e sem fazer nenhum comentário, começa a aula.
No dia seguinte, ao entrar na sala novamente, a mesma inscrição em letras garrafais: "Joãozinho tem o Pau  Grande!". Pela segunda vez, ela apaga os dizeres, sem fazer nenhum comentário.
No outro dia, a história se repete, e no outro e no outro e no outro... até que um dia ela resolve colocar à prova a veracidade daquela mensagem. Quando toca a campaínha avisando que a aula terminou ela pede para todos sairem menos o Joãozinho. Tranca a porta, tira a roupa e viola o menino.
Dia seguinte, ao entrar na sala, ela lê no quadro: "A Propaganda é a Alma do Negócio!". 

Posted by Erótico e Sensual at 03:37 PM | Comentários: (0)

Pôr do Sol

Posted by Erótico e Sensual at 01:10 AM | Comentários: (1)

Ela e o vermelho

Posted by Erótico e Sensual at 12:35 AM | Comentários: (0)

Salada de amor

Ingredientes:



  • 4 colheres de sopa de açúcar
  • 1 melão pequeno
  • 4 metades de pêssego em calda
  • 2 dl de natas
  • canela q.b.
  • 1 embalagem pequena de gelado de baunilha
  • 2 merengues comprados feitos
  • gengibre q.b.

Confecção:


Cortar os pêssegos em cubos.
Descascar o melão e cortá-lo em cubos.
Colocar 1 colher de gelado bem cheia no fundo de cada taça.
Colocar os cubos de pêssego e os cubos de melão polvilhados de canela e gengibre.
Repetir as camadas.
Terminar com os merengues desfeitos.
Bater as natas com o açúcar em chantilly.
Decorar ao gosto.

Posted by Erótico e Sensual at 12:28 AM | Comentários: (0)

setembro 24, 2005

Joãozinho

 Joãozinho batendo boca com um coleguinha do prédio:
 - Meu pai é melhor que o seu - desafia o coleguinha.
 - É porra nenhuma! - retruca Joãozinho.
 - Meu irmão é melhor que o seu!
 - É o caralho!
 - Minha mãe é melhor que a sua!
 - Bem... isso pode ser! Meu pai vive dizendo a mesma coisa!
Posted by Erótico e Sensual at 11:32 PM | Comentários: (0)

De rede

Posted by Erótico e Sensual at 09:53 PM | Comentários: (0)

Ostras no forno

Ingredientes:


2 dúzias de ostras;
2 chávenas cheias de cogumelos laminados;
1 cebola picada;
1 colher de (sopa) bem cheia de manteiga;
1 colher de (sopa) rasa de farinha;
1 dl de vinho branco;
1 dl de natas;
pão ralado, sal e pimenta q.b.



Confecção:


Abrem-se as ostras e coa-se por um pano húmido a água que deitarem.
Coze-se a cebola na manteiga, num tacho tapado, até ficarem transparentes. Juntam-se os cogumelos, cortados em falhas, torna-se a tapar o tacho e deixa-se ferver mais 5 minutos, em lume brando.
Deitam-se a água das ostras e o vinho branco, no qual se desfez a farinha, e vai-se mexendo até obter um composto cremoso.
Se começar a ficar muito espesso, dilui-se com água morna.
Depois de fervinhar alguns minutos retira-se liga-se-lhe a nata e tempera-se com pimenta em pó e sal.
Espalham-se as ostras no fundo dum prato pírex untado com margarina, cobrem-se com o creme, polvilha-se levemente com pão ralado, e mete-se no forno.
Serve-se sem demora, logo que a superfície estiver corada.



 

Posted by Erótico e Sensual at 09:20 PM | Comentários: (0)

Cinto de castidade

O Rei Artur estava pronto para ir para as Cruzadas. Antes de partir, vai ver o mago Merlin e pede-lhe para fabricar o melhor cinto de castidade que pudesse. Isso para que nenhum cavaleiro atentar  contra a  virtude de sua linda esposa. No dia seguinte, Merlin volta com um  cinto  que, contrariamente a todas as expectativas do Rei Artur, possui um  buraco exatamente onde não deveria ter...
- Merlin!!! - berra o Rei - Estás a gozar comigo?
- Observe, Majestade, - diz o Mago, mostrando uma pequena guilhotina  com uma lâmina afiada - ela funciona assim que se introduz algo no  buraco...
- Excelente! Realmente excelente. Traga-me a Rainha, para que   possamos instalar a geringonça!
Três anos depois, Artur volta das Cruzadas. Ao chegar a Camelot,  convoca todos os cavaleiros:
- Vamos lá! Baixem as calças, é o exame médico!
Todos os cavaleiros alinham-se em frente ao Rei e baixam as  calças.
Para horror e estupefação do Rei, todos estão amputados!!! Todos,  excepto o fiel Lancelot.
O Rei, vendo que seu fiel amigo não o traiu, agarra-o pelos ombros e  diz:
- Lancelot, estou orgulhoso de ti! Enquanto nenhum dos outros  resistiu à tentação de dormir com a Rainha, conseguiste domar os teus  impulsos.
- Por isso, concedo-te o que quiseres. Faz a tua escolha.
Mas Lancelot ficou mudo...
- Que foi, Lancelot? Perdeste a língua?!

Posted by Erótico e Sensual at 09:08 PM | Comentários: (0)

Vens comigo?

Posted by Erótico e Sensual at 09:03 PM | Comentários: (0)

Sol e Lua

Certo dia perguntaram ao Sol porque não casava com a Lua, tão linda que ela era...
Sol - Eu, casar com essa gaja que, só porque é Nova, anda de Quarto em Quarto e de vez em quando aparece Cheia!!!
De igual modo perguntaram à Lua porque não casava com o Sol, esta, já habituada à má língua do Sol, respondeu prontamente...
Lua - O quê, casar com aquele "frouxo" que leva 12 horas para se pôr e outras 12 para se vir ?!? 

Posted by Erótico e Sensual at 08:56 PM | Comentários: (0)

Curtinhas

- Querida! Prepara-te que vais levar 3 fodas!
- Já vens bebado outra vez!
- Não! Trago é 3 amigos!!


 


--------*--------



 
P: Porque Deus deu o penis ao homem?
R: Era a unica maneira de fazer as mulheres calarem a boca!


 


--------*--------


 


Um gajo vai a uma pizzaria agarrado a duas gajas e pede duas pizzas.
Empregado: Sao familiares?
- Não, sao putas, mas têm fome...

Posted by Erótico e Sensual at 08:49 PM | Comentários: (0)

Olhar sedutor

Posted by Erótico e Sensual at 03:30 PM | Comentários: (0)

Durante a festa do Sporting

Esta história aconteceu com o ex namorado meu e mais um casal amigo quando o Sporting ganhou o campeonato em 2000.
Eu chamo-me Fiona, tenho 25 anos, cabelos pretos, olhos azuis e digamos…que tenho muito por onde agarrar (risos)!! Tenho uns seios bastante grandes, o que eu adoro, pois quando estou na cama com alguém gosto que mos mordam e brinquem bastante com eles.
A Sofia, é mais nova (mas é bem “saídinha da casca”!) tem 20 anos, é morena, mais baixa que eu e também tem uns seios bastante gostosos. Ela convidou-me para irmos beber uns copos, pois a cidade estava ao rubro com todo o pessoal na rua comemorando a vitória do Sporting. No fim de bebermos apenas uma bebida fomos Ter com o meu namorado Carlos e com o seu amigo Paulo, a casa do Paulo.
Quando lá chegámos começamos a conversar e a beber bastante, pois comprámos muita cerveja para comemorar. Palavra puxa palavra e o ambiente começou a aquecer e a nossa mente começou a vaguear e a prever coisas bastante picantes. Como nós somos todos bastante amigos uns dos outros a coisa foi rolando muito naturalmente…
A sala do Paulo estava com um sonzinho porreiro e com umas luzes bastante gostosas (daquelas luzes vermelhas que tornam o ambiente mais propicio). O Paulo é alto, tal como o Carlos, ambos têm 1.90m, o corpo é parecido, embora O Carlos seja mais moreno do que o Paulo.
Estávamos os 4 sentados, cada um num sofá quando calhou em conversa uma aposta para ver se cada um era capaz de beijar o outro. O Carlos, acabou por dar um beijo à Sofia, depois deu um beijo ao Paulo (este foi um único acto entre eles, não se voltaram a tocar) e por fim eu beijei a Sofia. Todos nós nos ríamos muito com toda aquela situação e também o álcool já começava a fazer efeito.
O Carlos e o Paulo saíram da sala por uns instantes e eu que já estava a olhar para a Sofia e comecei a imaginar como seria estar com ela, cheguei-me ao pé dela e comecei a beija-la. Ela não ofereceu nenhuma resistência, então comecei a tocar-lhe nos seios. Parámos e voltámo-nos a sentar antes que os rapazes chegassem mas quando eles chegaram, eu continuei a olhar para a Sofia e não aguentei e começámo-nos a beijar de frente para eles. Eles não aguentaram e chegaram-se perto de nós, o Carlos por trás de mim e o Paulo por trás de Sofia…era uma confusão de línguas! Como estávamos com pouca luz ninguém sabia de quem eram as mãos que andavam pelo nosso corpo. Sofia estava-me a beijar e eu peguei na mão dela e levei-a até aos meus seios e ela apertou-os com força (coisa que eu adoro). Carlos tocava no meu rabo com aquelas mãos que eu tanto adorava. Voltei a agarrar na mão da Sofia pu-la dentro das minhas cuecas e ela ía-me tocando lentamente e quando eu estava quase a vir-me, senti que era a mão do Carlos, meu namorado. Paulo com o seu pau duríssimo roçava-se toco no cú da Sofia e acariciava-lhe os seios. Passados uns minutos tiramos a roupa e ficámos todos nus na sala, o cheiro a sexo pairava no ar e todos estávamos loucos de tesão, pois tínhamos vontade de já o Ter feito á muito mais tempo e ninguém teve coragem de o demonstrar.
Tiradas as roupas, trocámos os pares por um bocadinho, a Sofia e o Carlos devoravam-se aos dois, o Paulo levou-me para o fundo da sala e beijou-me em todo o lado, inclusive tocando-se com os seus dedos lá em baixo.
Fui Ter com o Carlos e sentei-o no sofá e comecei a fazer a coisa que tanto ele e eu mais gostamos, comecei a fazer-lhe um br*****, lambi, lambi e ele gemia, gritava e ía dizendo que a minha boca o deixava cheio de tesão e que adorava os meus br*****. A Sofia fazia o mesmo ao Paulo…era um espectáculo de se ver: dumas belas morenas de seios grandes a mamarem neles os dois, o cheiro a sexo cada vez ficava mais intenso e nunca nenhum de nós teve vontade de parar.
Eu, Fiona, peguei na mão da Sofia e puxei-a para ela me ajudar a fazer outro br**** ao Carlos…como o Paulo já se tinha vindo na boca da Sara, ela aceitou prontamente e começámos as duas; uma lambia a sua cabecinha super dura e a outra ía lambendo suas bolas.
O Paulo colocou a Sofia no chão e lambeu-a toda, começou nas mamas e desceu até lá a baixo, enquanto Carlos me fazia o mesmo mas sentada no sofá. Eu gritava muito enquanto, sentia a língua dele dentro de mim, sentia o meu clitóris crescendo cada vez mais…foi das vezes que me vim mais em toda a minha vida; quando o Carlos me deitou no chão, senti que eu até escorria pelas minhas pernas! Deitada no chão, o Carlos lambia-me, fodia-me com a língua enquanto a Sofia lambia as minhas mamas, chupava-me os biquinhos e dava-me beijos na boca e o Paulo fazia um min*** à Sofia. Eu gemia, gemia já não aguentava mais e foi quando pedi à Sofia se ela me queria lamber, pois eu tinha muita curiosidade em ser lambida por uma mulher…ela aceitou logo e trocou de lugar com o Carlos que veio encarregar-se das minhas mamas e da minha boca. Era super bom sentir a língua da Sofia dentro de mim e a língua do Carlos dentro da minha boca e de volta dos meus biquinhos.
O Paulo que estava desocupado (risos!) deu a ideia de deitar a Sofia e foi a vez de ela ser rainha…deitada no chão, abriu bem as pernas e foi ao céu! O Paulo labia-a toda, bem devagarinho da maneira que todas nós gostamos, eu encarreguei-me das mamas, e o Carlos lambia-lhe os lábios. Estivemos nisto um bom tempo até o Carlos sair da sala…nesse momento, eu sentei-me no sofá e sentei a Sofia de frente para mim, nós as duas nuas, tocando uma no corpo da outra e o Paulo posicionou-se por trás do cú da Sofia. Eu apertava com força as mamas dela e ela gemia muito mesmo enquanto Paulo me apalpava toda...
Depois tivemos de vir embora pois os pais do Paulo estavam prestes a chegar e não convinha que nos apanhassem assim!!
Espero que tenham gostado deste conto…embora não tivesse havido penetração (desta vez!) foi bastante bom e nós as meninas vimo-nos muito!

Posted by Erótico e Sensual at 03:25 PM | Comentários: (0)

Mulheres

Posted by Erótico e Sensual at 03:08 PM | Comentários: (0)

Pulga sofre

 Uma pulga está tomando sol na praia, toda bronzeada, debaixo de um guarda-sol.
Nisto, chega outra pulga, branca e morta de frio. A primeira pergunta-lhe:
- O que aconteceu?
- É que eu quis vir à praia, tomar um solzinho e entao subi no bigode de um motociclista que vinha pra cá. Acontece que o cara veio a 200 km/h e eu quase congelei de frio!
A pulga bronzeada responde:
- Pô, você tem que fazer como eu: esconda-se no banheiro feminino e quando  entrar uma garota, esconda-se na calcinha dela. Naqueles pelinhos macios,
você viaja quentinha e segura!
No fim de semana seguinte, voltam a encontrar-se na praia: a primeira,  bronzeadíssima e a segunda novamente branca e morta de frio.
- E agora, o que aconteceu? Nao fez como eu disse?
- Claro que fiz. Me escondi no banheiro e quando a garota entrou e baixou a calcinha, eu me acomodei ali muitíssimo bem e dormi.
- Entao, por que você está assim?
- Nao faço a menor idéia: quando acordei estava de novo a 200km/h no bigode do motociclista!

 

Posted by Erótico e Sensual at 03:05 PM | Comentários: (0)

setembro 23, 2005

Princesa loira

Posted by Erótico e Sensual at 05:42 PM | Comentários: (0)

Beijo de flor

Posted by Erótico e Sensual at 02:55 PM | Comentários: (0)

Passarinho

Um rapaz estava na praia, todo nú, naquela de apanhar um solzito. Foi então que viu uma criancinha que se aproximava. O rapaz tapou as partes íntimascom um jornal que estava a ler.
A menina perguntou-lhe:
- O que é que tens aí debaixo do jornal?
- É um passarinho - respondeu ele.
A garota foi embora e o rapaz adormeceu. Quando acordou, estava num hospital com tantas dores que mal conseguia pensar. 


Quando a polícia lhe perguntou o que tinha acontecido, o rapaz respondeu:
- Não sei, estava deitado na praia e uma menina perguntou-me qualquer
coisa sobre as minhas partes intimas e a próxima coisa que sei é que estou aqui.
A polícia voltou à praia, encontrou a menina e perguntou-lhe:
- O que fizeste com o rapaz que estava aqui deitado todo nú?
 Depois de uma pausa, a menininha respondeu:
 - Com o moço? Nada. Eu só estava a brincar com o passarinho, mas o
malandro cuspiu-me. Então eu torci-lhe o pescoço, parti-lhe os dois ovinhos e deitei fogo ao ninho!

Posted by Erótico e Sensual at 01:48 PM | Comentários: (1)

Na cadeira

Posted by Erótico e Sensual at 01:06 PM | Comentários: (0)

Estranha sms

Era uma quente tarde de sexta feira... apesar do cansaço de uma semana de trabalho, o entusiasmo de um fim de semana ajudava a aguentar as últimas horas que restavam para sair do escritório... Toca o telemóvel.... uma mensagem de um número que não conheço... “ Sabias que aguardo ansiosamente para te poder por as patas em cima... hás de gemer e gritar até não teres força nem para abrires os olhos...” Fiquei a olhar para o telemóvel e confesso que senti um arrepio de excitação... com um sorriso malicioso associei a sms ao meu marido..... Passados alguns minutos liga-me o meu marido... eu atendo e digo-lhe...”com que então tens patas!!! Muito me dizes...” ele fica surpreendido e diz-me que não sabe do que estou a falar e depois conto-lhe da sms ao que ele responde... descansa que quem quer que seja há-de aparecer.... Passou-se a tarde.....
Saio do escritório e dirijo-me como sempre para a paragem do autocarro e espero.... espero.... e ouço uma buzina que me arranca da investigação mental que eu estava a fazer... sobre o remetente da sms.....
Como que sobressaltada acordo e vejo que á minha frente está parado um carro... com uns amigos lá dentro.... daqueles que conheço desde que me lembro que sou gente... pessoas com quem partilhei os doces, os passeios de bicicleta, as incursões em casas em construção.... enfim... amigos de infância.... Oferecem-me boleia e eu aceito.... porque significa que chego mais rápido a casa... e vou poder atacar o meu marido.... pois que a sms abriu-me o apetite de uma forma....
Começa o caminho para casa... ele ainda faz distribuição de uns amigos que moram mais perto do meu local de trabalho... e depois prepara-se para me levar a casa... sem transito estaríamos cerca de 40min na viagem....
Conversa puxa conversa... ele sai-se com um “Olha que tu se não fosses uma mulher casada dava uma volta contigo”... E eu respondo... “tem juízo que ainda mal largaste as fraldas.... para mim serás sempre aquele puto rebelde com quem eu brincava aos detectives...”.. resposta pronta... “Gostava eu de investigar outras coisas agora...” e rebentamo-nos a rir com a conversa.... Nisto eu dou por mim a pensar se não seria ele o remetente da estranha sms... Resolvo começar a picar... pergunto como vai a namorada e o que fazem... como fazem... do que eu gosto do que não gosto e a conversa a ser toda levada para o sexo... todas as frases eram interpretadas de uma forma libidinosa... Rimo-nos e de novo ele diz... “ estou a falar a sério... é que olho para ti.. sinto o teu cheiro e só consigo pensar em ..... sabes???” eu nem consigo responder.... coro, numa mistura de vergonha e excitação e os meus mamilos dentro do leve top de licra que tenho vestido denunciam-me.... “Já vi que as animei... essas duas aí devem ser de comer e chorar por mais..” baixo os olhos como que por vergonha... mas olho para as calças dele.. e vejo um volume que também me aguça a curiosidade, começo a sentir pequenas vibrações dentro de mim... começo a não saber se quero chegar rápido a casa... se quero parar pelo caminho..... ele põe uma mão na minha perna, e aperta ligeiramente... acima do joelho... directamente na pele, pois com saia e com o calor que estava não tinha vestido meias...
Sento-me de lado no banco... expondo um pouco mais da perna... insinuo-me... faço para que note a minha excitação... estaríamos a uns 15 minutos de casa....ele sobe mais a mão até tocar a minha roupa interior de renda macia... vejo que está ao rubro.. parecia que as calças iam rebentar.... ele acaricia-me.. eu gemo baixinho... ele pergunta-me se pode parar o carro... “é melhor não... tenho o meu marido á espera....” ele aceita embora contrariado a minha decisão.... mas nem por isso tira a mão de dentro da saia.. e enfia-me um dedo de uma só vez... sem dificuldade.... eu escorria fluidos... e gemia de prazer... ele encosta o carro e faz-me vir só masturbando-me..... fica um silencio... um pouco pesado... ele põe o carro em marcha e leva-me direitinha para casa....
Chegamos a casa e ele diz-me “então depois falamos....” - “entro.... senão o meu marido vai estranhar...” digo eu com pouca convicção....
Entramos em casa, eu com o meu habitual “’Mor já cá ‘tou!” e aparece o meu marido com uns calções de quem se preparava para ir dar um mergulho na piscina.... eu digo... “olha que boa ideia.... mergulho para refrescar...” , o meu marido convida o nosso amigo para um banho de piscina e pra ficar para jantar... ele inicialmente recusa e eu digo-lhe...”Vá aceita lá que eu não cozinho assim tão mal e arranjo-te uns calções aqui do meu esposo.... vocês devem vestir mais ou menos o mesmo número...” ele aceita mas olha para mim com um ar malicioso.....
Enquanto ele muda de roupa o meu marido abraça-me e coloca uma mão no meu sexo... vê que estou toda encharcada e confesso-lhe o que se passou..... então concordamos que devia ser ele o responsável pela sms... decidindo dar-lhe o que ele desejava..... ver-me a ter prazer até esgotar-me completamente...
Eu resolvo vestir o biquini mais pequeno que tenho e oriento as coisas para um jantar leve e fresco..... enquanto os dois já estavam na piscina.... junto-me a eles e o meu marido sai com a desculpa de ir buscar uma cerveja fresca.... e eu sussurro ao ouvido do meu amigo..” demoraste tanto tempo a mudar de roupa...” e toco-lhe no sexo...agora aparentemente morto... ele arrepia-se e estremece.... cora no momento em que chega o meu marido... acusou-se naquele momento...... o meu marido olha para mim, já com os calções a levantar... e diz “ já fizeste das tuas... pela cara dele”... aproxima-se de mim e beija me... com desejo..... de tal forma que apesar de estar dentro de água sentia me a escorrer de líquidos... que tesão.... quando olhei para o lado o nosso amigo esfregava-se por cima dos calções... o meu marido ao aperceber-se, mete-me uma mão no sexo e acaricia-me, depois solta a parte de cima do meu biquini.. e eu dirijo-me ao meu amigo e dou-lhe um beijo... carregado de desejo.... pego-lhe na mão e coloco sobre o meu peito... não precisei de fazer mais nada... nas horas que se seguiram parecia que fazíamos regularmente sexo os três, estávamos em perfeita sintonia.
O meu marido levanta-me a altura da cara dele e começa a fazer me um minete fantástico... eu começo a gemer e o nosso amigo começa a chupar-me os peitos... tilitando com a língua os meus mamilos, rijos de tanto prazer.... debaixo de agua procuro o pau dele e começo a acariciá-lo... ele geme e diz-me que sou fantástica... que me quer foder toda.... peço-lhes para sairmos da piscina... vamos para o telheiro que dá apoio a piscina....
Deitam-me numa espreguiçadeira, o meu marido continua o brilhante minete que me estava a fazer eu pego no pau do nosso amigo e começo a fazer-lhe um broche, ele de tão excitado pega na minha cabeça e começa a empurra-la até eu engolir toda aquela virilidade... quase me engasgo..... ele pede para trocarmos.... quer sentir o meu sabor.. e começa a lamber-me, começa a foder-me com a língua eu gemo e peço-lhe para enfiar aquele rolo de carne saboroso todo em mim... assim que ele enfia venho-me... num orgasmo violento e sonoro... mas ele não pára, enfia-se em mim e fode-me com vigor eu chupo com violência o caralho do meu marido.... o meu marido começa a gemer... noto que se esta a vir... mas ele sai dentro de mim para se acalmar e informa me que vai fazer uma coisa nova..... aproxima-se do meu amigo pede lhe que se desvie.. deita-se por baixo de mim e enfia-se na minha cona... pede ao outro que meta lá também.... inicialmente senti alguma dor... mas depois sou levada a um delírio com dois caralhos enormes dentro de mim... pensei que ia rebentar de tanto prazer venho-me outra vez e eles também... fico estonteada com tanta esporra á minha volta... paramos uns segundos e o nosso amigo pergunta se alguma vez me tinham ido ao cuzinho.... eu disse que sim.. o meu marido e eu já fizemos de tudo (a dois)... ele pergunta se podia comê-lo... que já há muito tempo desejava invadir aquele buraquinho... eu disse que sim e comecei a acariciar o mastro dele.. que em pouco tempo estava apto para serviço.... o meu marido com a visão que estava a ter num instante ficou com uma erecção daquelas de sonho....
Então passamos para o panorama seguinte... o nosso amigo veio lamber-me o cuzinho... e como eu gosto de sentir lá uma língua... estava a adorar... ele começou a enfiar um, dois e três dedos ate ter aquele buraquinho bem preparado... eu chupava o meu marido e gemia por quantas forças tinha... até que ele diz se já pode... eu peço-lhe para esperar um pouco e deito o meu marido na espreguiçadeira e deito-me por cima dele enfiando o mastro dele ate aos tomates dentro de mim, ai que prazer... quase me vinha de uma enfiada só... preparei o meu cuzinho e empinei-o... o nosso amigo nem teve grande dificuldade... enfiou-se todo e começou a entrar e sair... de forma vigorosa... gemendo, perguntando se eu estava a gostar....eu pedia mais e mais... eles fodiam-me com uma sintonia inacreditável... eu estava-me a vir... eles gemiam... estava quase... e viemo-nos os três ao mesmo tempo.... foi delicioso.... depois deitaram-me no chão.... nem me conseguia mexer... estava exausta... sem forças para respirar sequer.... passados uns dez minutos mais reposta de energias... dirijo-me a ele e sussurro lhe ao ouvido...” bom agora já sabes como é... já me puseste as patas em cima... já me fodeste como um louco, já me deixaste sem forças...”, ele olha para mim... com um ar completamente confuso e diz-me “De que estás a falar... passaste-te...”, afinal não foi ele o remetente da sms... mas ele muito agradeceu ter-mo-nos enganado... e passado naquela paragem naquele dia... jantamos e ele saiu... eu e o meu marido fodemos com a excitação que estávamos até ás seis da manhã.... já não me restava forças nem para me mexer na cama... adormeci desliguei.....


Há dois dias recebi uma sms do tal número..” Nem imaginas como quero foder essa cona toda... hás-de gritar até perderes a voz por completo”......

Posted by Erótico e Sensual at 12:51 PM | Comentários: (0)

A preto e branco

Posted by Erótico e Sensual at 12:19 PM | Comentários: (0)

Curta

NAMORAR COM UM RADIOLOGISTA É UMA MÁ APOSTA, POIS TÊM TENDÊNCIA A DIZER:

FICA QUIETA, SÓ UM SEGUNDO, NÃO RESPIRES, JÁ ESTÁ!

NAMORAR COM UM INFORMÁTICO É UMA BOA APOSTA, POIS TÊM TENDÊNCIA RESOLVER

QUALQUER PROBLEMA SAINDO E VOLTANDO A ENTRAR.

Posted by Erótico e Sensual at 11:44 AM | Comentários: (0)

setembro 22, 2005

Queres espreitar?

Posted by Erótico e Sensual at 11:58 PM | Comentários: (0)

Uma das melhores

 

Tenho 19 anos e sempre quis ir para a cama com o João, um militar de 28. É melhor amigo do meu irmão, e por isso trata-me como se eu fosse uma criança.


Apesar das minhas investidas, inúmeras, ele não se atreve a ir comigo para a cama, por causa da bendita amizade.


Lourdes, a minha melhor amiga, já havia tido sexo com ele. Fizemos um pacto de que não destruiríamos a nossa amizade por causa de homem. Caso encontrássemos alguém a sério, por quem estivéssemos apaixonadas e cegas de desejo por uma vida conjunta, alguém por quem sentíssemos uma reciprocidade a nível sentimental, diríamos à outra, e aí não haveriam divisões ou concessões. Confessávamos aberta e liberalmente os nossos desejos e fantasias em relação ao João, sem sentir que a outra seria uma ameaça. Se existisse um homem que não se pudesse ter por inteiro, dividiríamos a metade. Como o João só me olhava como se eu fosse uma criança, era natural que a Lourdes fosse a primeira. Fiz com que ela me contasse todos os detalhes. Ela andou muito eufórica durante alguns dias, mas depois confessou-se um pouco desiludida e não queria tocar no assunto. Na última semana ela apenas tinha me ligado a dizer: “Agora é a sua vez.” O João deve ter perdido a graça para ela. A Lourdes costumava perder o desejo pelos homens, depois que conseguia levá-los para a cama. Apesar de ser cinco anos mais velha que eu, dizia nunca ter se apaixonado. “Eu não acredito em amor, pois não consigo acreditar em nada que eu não possa tocar” – era a sua afirmação de praxe, que usava para justificar que o sexo para ela era uma espécie de sentimento. Nunca acreditei que seria assim para sempre. Um dia ela experimentaria o amor, mas, quando isso acontecesse, talvez ela não me contasse, por ser dominadora e não gostar de se sentir frágil ou vulnerável.


Eu já tinha percebido: o João era um homem mulherengo, do tipo que gosta muito de sexo. Estava sempre a sair com várias mulheres. Era casado há apenas dois anos, mas isso não impedia seu louco desejo de experimentar novas ratas. Não era o tipo de homem que inventa que é solteiro, ou que conta que a mulher está acamada, em estado terminal. É o tipo de homem que, se você o conhece de forma diferente da familiar qual o conheci, te diz que é casado mesmo, mas gosta de sexo e quer ir contigo para a cama. E termina a frase com uma pergunta simples e directa: "Topas?" Não consigo imaginá-lo a levar um "não" como resposta, também porque, o João é um homem irresistível. Tem 1.80m, cabelo escuro, olhos castanhos enigmáticos, e um corpo muito bem definido. Alinha-se como uma espécie de homem que gosta de seduzir, e parece estar a fazê-lo todo o tempo. Um dia ouvi uma conversa em que ele contava para o meu irmão que a situação estava um pouco complicada, porque uma mulher com quem tinha saído estava apaixonada por ele. “Eu não represento nada para você?” – era o que ela parecia ter-lhe dito, aos prantos. Mas a sua resposta não havia deixado margem de dúvidas de que ele não queria nada mais além de sexo: “Sim, claro que representas. Foste uma das minhas melhores fodas.”


Já tinha apreciado seu belo corpo na piscina, todo molhado e bronzeado, mas toda a família e amigos estavam reunidos, e não tive oportunidade de abordá-lo.


Pobre João…Ele ainda não sabe que eu consigo tudo o que quero! Peguei uns dvds no quarto do meu irmão e resolvi ir até o seu apartamento. Quando cheguei, quem abre a porta é a Sofia, sua esposa. Calculei mal a hora; pensava que ela já tinha saído, pois tinha marcação feita no salão da minha irmã, e pelos vistos demoraria, já que reservou hora para fazer cabelo e depilação. Eu disse que tinha uns dvds para entregar ao João. “Deixe comigo que eu entrego.” – ela interpelou. “Mas ele não está em casa? É que não tenho bem certeza se são esses, e quero ver se não está algum a mais.” – foi o que eu consegui inventar na hora. Deu um grito no João para que ele se despachasse, informando brevemente que eu tinha que entregar-lhe umas coisas. Pediu desculpas porque estava de saída, mas disse que eu aguardasse na sala, porque ele estava no banho. Despediu-se de mim e saiu. Fui até a janela e vi-a arrancar com o carro. Contei dez segundos e subi para o quarto deles.


Ele acabava de sair do banho, vestindo apenas numa toalha branca, amarrada na cintura. Fez uma cara de espanto inicial, mas depois já não parecia preocupado com a minha presença. Receoso talvez, porque sabia que sempre que eu estava por perto era sinal de que eu tentaria seduzi-lo. Sentou-se numa poltrona cor de vinho que estava na frente da cama, puxou por um cigarro, e perguntou: "O que mesmo você disse que tinha que me entregar?" Tirei o meu vestido e sentei-me em cima do seu colo, apenas vestindo uma cueca fio dental. Senti o pau dele crescer debaixo de mim. "A minha virgindade" - respondi.


- Mas eu já te disse que contigo eu não vou para a cama. Sou o melhor amigo do seu irmão. Eu prometi-lhe que serias a única mulher com quem eu não iria para a cama. – e deu uma tragada longa, colocando o cigarro no cinzeiro.
- És o melhor amigo dele; não vais para a cama com ele.
- Não seja malcriada… Eu posso ir para a cama com todas as mulheres que eu quiser, mas não vou estragar a minha amizade com seu irmão por causa disso…
- Meu irmão não precisa de saber. Fica sendo um segredinho nosso… - eu falei meiguinha com voz de gato. – Veja bem… Você me quer que eu sei. E não adianta esconder a verdade, porque o Joãozinho não te deixa mentir. – E desfiz o nó da toalha, colocando o pau dele pra fora, erecto e cheirando a xampu. – Veja só como eu estou nervosa por estar aqui contigo…- falei mansinho, pegando na sua mão e colocando-a no meu peito esquerdo, nu e rijo. – Sente as batidas do meu coração? E não é só o meu coração que está assim. - Puxei minha cueca para o lado e mostrei minha rata. – Está vendo? Ela está ansiosa para encontrar com o Joãozinho, que está aí, bem na minha frente. Vem cá… Me dá a sua mão… Sente como ela está molhadinha? Já estou sentindo-a inchar por dentro, de tanto desejo… Parece que meu coração está agora dentro dela, pulsando, cada vez mais forte. Acho que vou explodir se o Joãozinho não cuidar dela. Agora seja um bom menino e faça o que tem que fazer. – ordenei num tom suave e insinuador.


Ele calou-se, pois não teria mais como resistir. Puxou o resto da toalha para o lado e meteu o seu pénis dentro de mim. Ele deve ter sentido que eu mentia em relação à virgindade, mas possivelmente não estava a se preocupar com isso naquele instante. Como já estava dentro, agora não ia parar antes do objectivo final. Beijou-me na boca intensamente. Brincou com a ponta da língua nos meus seios, depois pegou-os com as mãos e começou a beijá-los, a chupá-los, quase mesmo a sugá-los para dentro da sua boca. Beijou-me o pescoço e deu uma lambidela na minha orelha. Continuamos metendo ali sentados no sofá, suas mãos ora tocavam meu rabo, ora segurava na minha cintura, e ele ficava dizendo o quanto eu era apertadinha e gostosa. “Me chama de sua putinha” – pedi. “Arranca meu cabacinho todo!” Era tanto desejo que eu sentia, era tanto tempo que eu queria aquela foda, que nesse momento eu já estava a ter meu primeiro orgasmo. Ele notou que eu estava completamente molhada, e chegou o rabo um pouco mais para a frente no sofá, permitindo que eu passasse os meus pés em volta das suas costas. O movimento ficou mais sincronizado e nossos corpos ficavam cada vez mais juntos. O sofá parecia se mover junto com a gente, e já quase chegava na cama. Levantou-se do sofá, me levando junto, ainda com as minhas pernas em volta das suas costas. Continuou me metendo de pé, e depois deitou-me na sua cama, que ainda estava desfeita, e continuou a penetrar-me, chamando-me nomes e suspirando. Depois saiu e tirou a minha cueca, que possivelmente já deveria estar a incomodá-lo. Colocou-me de quatro na beirada da cama, e ficou de pé do lado de fora. Começou a meter de novo na minha rata, segurando-me pelas ancas e dizendo: “Sua putinha deliciosa! Toma todo o meu pau, toma!” Vez ou outra dava-me tapinhas no rabo, e continuava no movimento de vai e vem, até que ele gritou: “Ahhhhh. Estou quase… Quase… Qu… Hum…” E senti ele tremer, e o pau dele a latejar dentro de mim.


Ficamos ali deitados na cama. Olhamos um para o outro, como dois namoradinhos, e de repente vi no seu olhar que ele parecia encabulado. Depois levantei-me e pedi que me emprestasse uma toalha. Entrei no quarto nua, depois de um duche rápido, e ele ainda estava deitado, a olhar-me e sem dizer muitas palavras. Peguei na minha cueca e coloquei dentro da minha bolsa, pois ela estava completamente molhada.


Ele não havia conseguido ser fiel ao seu melhor amigo, mas eu tinha sido fiel à minha. Ele viu-me a sair sem cuecas e sem palavras, mas antes de fechar a porta eu disse:


- Foste uma das minhas melhores fodas.

Posted by Erótico e Sensual at 08:31 PM | Comentários: (0)

Provocação

Posted by Erótico e Sensual at 02:05 PM | Comentários: (1)

Desconhecido do ônibus

Naquela sexta-feira havia saído mais cedo do trabalho meu horário, de sair era sempre às 20 horas, sabia que o metrô estaria muito cheio pois era hora de pico, mas não me importei queria chegar logo em casa. Quando entrei no trem ainda não estava muito cheio, mas tive que ficar em é, porém na proporção que as estações iam passando aumentava o número de pessoas, foi quando percebi um olhar insistente sobre mim, achei interessante a pessoa e comecei a olhar também, ele era um homem de estatura mediana, cabelos pretos e curtos, terno azul marinho, camisa branca e gravata vinho, lábios carnudos, barba bem feita, deveria ter aproximadamente uns 35 anos, para quem não espera nada no final de semana uma paquera ocasional seria ótima.
Havia uma força em seu olhar que me deixava como que hipnotizada, parecia que ia tirar minha roupa com os olhos, tal pensamento me deixou estranhamente excitada, mas havia toda uma luta moral com relação a tais pensamentos. Cada vez que nossos olhares cruzavam mais sentia que havia algo no ar que me aquecia. Estava gostando cada vez mais daquela situação, foi quando resolvi firmar meu olhar no seu olhar e uma onda
de calor percorreu todo meu corpo, fiquei assustada, pois nunca havia sentido algo assim, sem ser tocada. De repente senti que ele caminhava em minha direção o que me deixou um pouco assustada e excitada, ele me deu um leve sorriso, que me deixou mais gelada, mas não quis fazer nada que o impedisse de se aproximar, continuei olhando-o, não sabia o que poderia acontecer, mas decidi pagar para ver até onde toda aquela
situação me levaria. Num rápido instante pude sentir sua respiração muito próxima de mim, era quente e seu corpo roçou o meu, pensei que iria desmaiar. Felizmente havia chegado na estação que desceria, ao sair do trem e dar alguns passos, olhei para trás e o vi me seguindo, pensei é loucura, mas não é pecado.
Reduzi minhas passadas até que ele se aproximou de mim, me cumprimentou com um olá e continuou me acompanhando sem dizer nada, de repente ele me puxou pelo braço e entramos num corredor ligeiramente escuro, podia perceber que havia uma porta logo na frente, ali mesmo ele começou a me beijar o pescoço e alisar meu corpo, estava tão excitada que não reagi, meu corpo clamava por aquele homem que nunca
havia visto.
Suas carícias ficavam cada vez mais ousadas, sentia seu pênis duro roçando meu corpo, quando percebi ele levantando minha saia, fiquei desesperada, pois temia que alguém da estação nos flagrasse ali, mas o tesão que estava sentindo falou mais alto, num instante senti sua mão afastar minha calcinha para o lado e seu pênis saltar para fora e penetrar minha xaninha que latejava e estava muito molhadinha ansiando por aquilo. Ele me apertava contra a parede e dava estocadas firmes e fortes, com aquele pau grande e grosso. Quanto mais ele me fodia mais meu tesão aumentava, senti então o gozo brotar forte em mim e nele também, fiquei encharcada de porra. Me afastei um pouco dele, arrumei minha roupa e ao insinuar me afastar ele me puxou novamente dizendo que deveríamos continuar em seu apartamento que era ali perto, concordei sem pensar nos riscos que poderia estar correndo, pois nunca havia sentido tanto tesão.
Fomos para seu apartamento, não trocamos mais nenhuma palavra, mal entramos ele me agarrou forte me beijou os lábios e sua língua passeou por minha boca, fiquei louca de tesão, ele então foi tirando a minha roupa e eu a sua, escorregamos para o tapete, não dava tempo para mais nada, lambíamos o corpo um do outro freneticamente, quando meus lábios chegou em seu pênis, que era generoso, e abocanhei-o chupando como se fosse minha mamadeira, então senti sua boca em minha xaninha que ainda estava úmida com sua porra, e ele chupou meu clitóris com tanta força que foi um misto de dor e prazer, gemi como uma cadela no cio, seu pau continuava em minha boca, e me deliciava com ele, chupando todo outras vezes só a cabecinha, depois pus suas bolas todas em minha boca, ele gemeu de tesão.
No momento seguinte, ele me pediu para ficar de quatro e então senti de fato toda a espessura e comprimento de seu pênis totalmente dentro de mim; pois lá na estação não pude senti-lo assim. Seus movimentos eram ritmados e suaves, em seguida foram ficando cada vez mais rápidos e sentia-o forte dentro de mim. Sentia que seu tesão aumentava e ele começou a me xingar dizendo que era sua putinha gostosa, safada, vadia. Enlouqueci de tesão, rebolava em seu pau como uma cabrocha, foi quando ele tirou seu pau da minha xaninha e começou a enfia-lo em meu cu, respirei fundo várias vezes, pois ficaria mais relaxada e poderia sentir mais prazer. Ele enfiou tudo e pude sentir suas bolas encostar em minha bunda, seus movimentos inicialmente calmos foram aumentando e sentia então só estocadas fortes e viris, parecia que não bastava, pois ele me puxava pelos cabelos e forçava o máximo, sentia dor e prazer, quando o senti explodindo todo seu gozo dentro do meu cuzinho e pelas minhas pernas o meu gozo escorrer, gozei como nunca havia gozado.
Depois, fomos para o banheiro tomamos banho e aproveitamos para mais uma. Estava exausta e ele também, convidou-me para jantar, foi então que nos apresentamos e ficamos sabendo algumas um do outro. Passamos o final de semana juntos e fizemos mil loucuras. Esta é outra história...



 

Posted by Erótico e Sensual at 01:59 PM | Comentários: (0)

setembro 21, 2005

Tina

Posted by Erótico e Sensual at 12:54 PM | Comentários: (1)

Verde encanto

Posted by Erótico e Sensual at 10:28 AM | Comentários: (0)

Os dados


Dadão HOT


Dadão em espuma e tecido, com estampa. Jogo do amor hot. Em um dos dados o local e no outro sugestão de posições. Saia da rotina com esta super novidade. Os dados são grandes, tem 7cm em cada lado, normalmente.



Três Dados Cupido


Em um dos dados o que você deve fazer, nos outros dois, partes do corpo do homem e da mulher. Alta qualidade. Embalado em caixa de acrílico. Entregamos para todo Brasil mediante confirmação de pagamento.

Posted by Erótico e Sensual at 10:17 AM | Comentários: (0)

setembro 20, 2005

Insaciáveis

Sempre tive atração por aquele corpo sedutor e sempre desfrutei de suas qualidades. Nossa vida é corrida, mas prazerosa. Todos os sábados vou a casa dela e lá curtimos um ao outro. Tenho que contar um episódio que me acontecera num desses sábado, não que descarte os outros momentos, mas este episódio marcou nossas vidas.

Naquele dia fazia muito calor e ao chegar na casa dela, minha roupa se encontrava molhada de suor. Foi quando Claudinha me propôs que tomássemos banho de piscina. Como não tínhamos nada o que fazer, resolvemos então, refrescar nossos corpos naquela água. Vesti minha bermuda e aguardei-a na piscina. Não demorou muito e a vi toda sensual com aquele biquíni colado no seu corpo fazendo sobressaírem suas partes intimas e transparecendo toda aquela bela forma. Repentinamente, Claudinha mergulhou na piscina e pude ver aquela água escorrer no seu corpo, resplandecendo sua pele. Nadamos e quando já não agüentávamos, resolvemos nos abraçar e a nos beijar. Aquele beijo molhado começou a me excitar e, logo já percebi que ela também já começara a se excitar. Nos degustamos nos beijos, e ela sentou no meu colo e cruzou suas pernas nas minhas costas. Foi então que não agüentei e comecei a passar a mão no seu corpo; começando pelas pernas, onde acariciei com vontade aquelas coxas excitantes; subindo, passei a mão na sua bucetinha que se encontrava toda molhadinha. Passei a mão para os seios e apertei-os com vontade e, neste momento comecei a chupá-los e a lambê-los, nisso, ela já suspirava nos meus ouvidos. Comecei a masturbá-la com minhas mãos e ela gemia nos meus ombros. Não demorou muito quando senti sua lingüinha entranhando nos meus ouvidos e suas mãos passando no meu pau. Comecei a me excitar fervorosamente quando a pedi para transarmos ali mesmo. Para minha surpresa ela saiu de cima de mim e mergulhou naquela água, tirando minha bermuda e segurando com gosto o meu pau. Senti sua boca deliciar-se em minha tora, chupando em um vai e vem alucinante. Num momento onde já estava preste a gozar pedi a ela que parasse. Ela subiu e com seu jeito assanhado, sentou novamente em cima de mim com as pernas entrelaçadas nas minhas costas. Neste momento eu já estava no auge da minha excitação, quando ela falou baixinho nos meus ouvidos que a penetrasse. Peguei meu cacete e comecei a completar todinho o espaço daquela bucetinha gostosa e fui enfiando até o fundo da sua vagina. Neste momento começamos um gostoso vai e vem. Ela em cima de mim e, eu em baixo metendo gostoso nela. Ela não parava de gemer em meu ouvido e eu não parava de assanhá-la chamando-a de minha safadinha, danadinha e gostosinha. Foi quando gozei naquela xoxotinha gostosinha. Ela pensara que naquele momento eu já havia terminado, quando para sua surpresa comecei a transar novamente com ela. Seu suspiro era de prazer e eu não parava de meter novamente nela quando pela segunda vez gozei, encharcando-a de prazer.

Relaxamos naquela piscina, porém nossos corpos começaram a sentir a brisa fria do entardecer, foi então que resolvemos tomar uma ducha morna. Ela com seu jeito sexy começou a passar o sabonete na sua pele e, eu o admirava. Sua pele já se tornava lisa, quando resolvi deixar minhas mãos se perderem naquele corpo. Aquele atrito acendeu novamente o nosso fogo e ela com seu jeito safado começou a ensaboar o meu pau. Eu não deixei por menos, e comecei a lhe masturbar. Os calores de nossos corpos nos enlaçavam de prazer, quando resolvi jogá-la contra a parede e a introduzir meu cacete novamente naquela xoxotinha. Trepamos e logo nossos corpos gozaram de prazer. Terminado nosso banho, resolvemos curtir umas musicas.

Algum tempo depois, Nandinha começou a dançar sensualmente para mim. Quando vi na mais perfeita forma, aquela bundinha arrebitada rebolando. Seus traços eram perfeitos e sua forma era alucinante. Ela não parava de dançar e num momento inesperado ela chamou-me para acompanhá-la no seu ritmo sensual. Como não consegui acompanhá-la, apenas admirei-a sem saber o que fazer. Ela percebendo, foi logo rebolando e esfregando sua bunda no me cacete. Já excitado peguei-a de jeito e comecei a beijá-la selvagemente. A noite já resplandecia e ela toda molhadinha quis transar apoiada e inclinada na mesa. Neste momento coloquei-a deste modo, vislumbrando aquela bela imagem excitante: sua bundinha rebitadinha, juntamente com sua bucetinha toda molhadinha. Peguei meu pau todo excitado e comecei a enfiá-lo naquela xoxotinha maravilhosa. Ela começou a gemer e eu colocava meu cacete repentinamente dentro dela e tirava-o devagar para mostrá-lo seu tamanho. Ela não agüentava de prazer e gemia intensamente num som alto onde me excitava ainda mais, logo, eu balançava o meu cacete ao fundo daquela grutinha delirante. Seu gemido se tornava ainda mais alto, demonstrando que já estava prestes a gozar. Foi então que não agüentei e gozei juntamente com ela, molhando toda a sua vagina. Neste momento o cansaço era maior e resolvemos assistir um filme na sala.

A noite já era visível e o máximo que fizemos, foi deitarmos no sofá descansando nossos corpos depois de um grande dia de prazer. O filme começara legal, mas logo se tornou enjoativo. Ela deitou em meu colo e logo, começou a passar as mãos nas minhas pernas. Neste toque ela se sentou e resolveu me beijar. Os beijos dela incendiaram meu corpo novamente e logo percebi que meu pau estava completamente excitado. Ela percebendo, não parou de me provocar e logo pos suas mãos no meu cacete tirando-o para fora. Foi quando senti novamente sua boca molhar meu pau e a chupá-lo novamente num gostoso vai e vem. Eu a segurava pelos seus cabelos e ao mesmo tempo masturbava aquela xoxotinha maravilhosa com minhas mãos. Ela não parava de chupar meu cacete, quando no ponto máximo de excitação pedi a ela que parasse. Neste momento entranhei minhas mãos naquela bucetinha e com um toque leve tirei aquela calcinha sensual. Comecei a beijar suas coxas e a lambê-los até chegar naquela bucetinha maravilhosa; logo comecei a chupá-la e a masturbá-la, mexendo minha língua como uma cobrinha peçonhenta. Ela queria mais, e não parava de gemer naquele sofá. Num momento árduo senti que sua bucetinha já estava prestes a gozar e resolvi tirar minha boca de sua vagina. Ela, toda excitada, pediu que a penetrasse novamente. Foi quando peguei meu cacete todo excitado e comecei a acariciar sua xoxotinha. Logo, comecei a penetrá-lo naquela bucetinha e a introduzi-lo até o final de sua vagina. Começamos novamente um vai e vem. Ela deitada e, eu em cima dela. Nossos corpos se encharcavam de suor e de prazer, quando por fim gozamos novamente.

Já era tarde e tive que ir embora. O dia se foi, mas o prazer ficou em nossas mentes. Se não fosse pelo tempo, nós continuaríamos esta história e não terminaríamos; pois nossos corpos realmente são insaciáveis.

Posted by Erótico e Sensual at 11:56 PM | Comentários: (0)

Um olhar sensual

Posted by Erótico e Sensual at 10:17 AM | Comentários: (0)

Mudar o pneu

A história que vou contar aconteceu no ano passado. Foi num daqueles dias de sorte que uma pessoa apenas tem na vida! É verdade! Chamo-me Helder e tenho 21 anos. Mas comecemos a narração!
Eram aí… umas seis e meia da manhã, quando me levantei! Não fazia muito o meu género “madrugar” tão cedo, mas naquele dia apeteceu-me. Lavei-me, arranjei-me e saí. Como era cedo, apeteceu-me ir a pé até ao emprego. Ia ser um dia igual aos outros, pensei. Mas estava enganado.
Pouco faltava para chegar ao emprego, quando vi uma mulher a olhar com ar estupefacto para a frente de um carro. Cheio de curiosidade, aproximei-me. e vi então o que se passava: o pneu estava vazio! Mas o que mais me excitou foi ver que já conhecia aquela mulher de vista. Era uma mulheraça! Alta, morena e com um peito de se lhe tirar o chapéu. Eu confesso: há muito que eu a galava com os olhos sempre que a via.
— Está furado? — perguntei, como se não fosse óbvio.
— Está.
— Se precisar de ajuda… — ofereci-me solícito.
— Sabe mudar a roda? — perguntou ela com um sorriso, diria de esperança.
— Sei. — respondi — Se a senhora quiser, eu posso mudá-la.
— Ah, que bom! — exclamou ela aliviada — Mas trate-me por Maria, peço-lhe.
Foi quase um choque que senti por todo o meu corpo! Aquela mulher, uma trintona avançada, pedia-me para a tratar pelo seu nome próprio! Num ápice, fiquei com um pau que não digo nada!
— As ferramentas do carro, onde estão? — perguntei com o ar mais natural que pude.
Sem nada dizer, ela aproximou-se da tampa da mala do carro e abriu-a.
— Estão aqui! — disse.
Aproximei-me também. Lá estava a roda suplente e as ferramentas. Tirei-as para fora e comecei a mudar o pneu furado. Mas eu não fazia apenas o meu trabalho. De tempos a tempos, quando estava agachado, ia olhando para as belas pernas dela.
“ Oba!”, quase exclamei para mim próprio, bendizendo a dado momento a minha sorte.
Maria tinha-se acocorado junto de mim, de tal modo que as saia já de si curta tinham revelado quase tudo o que havia para mostrar: a totalidade das pernas até ao cimo e umas exíguas cuecas tanga arrendadas mostrando uma boa parte dos pêlos púbicos.
Custou-me imenso deixar de olhar para as pernas dela. Mas tinha que o fazer antes que ela desse pelo meu olhar. O meu pénis parecia explodir de tamanho. E estava tão duro que me magoava, de apertado que estava nas minhas calças.
— Já está! — exclamei finalmente, pondo-me de pé.
— Obrigada! — disse ela. — Agora, tem que ir lá acima lavar as mãos.
— Oh! Deixe-se estar! — respondi — Lavo-as no emprego!
— Nem pense nisso! Não pode ir embora assim todo sujo! — volveu Maria — Venha a minha casa aqui em frente.
O meu coração deu um pulo. “Está a convidar-me para ir a casa dela!”, constatei. De repente senti que tremia como varas verdes. Estava mais excitado do que nunca, e aquele convite…
— Venha! — insistiu ela mais uma vez.
— Pois sim! — concordei cada vez mais excitado.
Pouco depois, eu entrava em casa de Maria. Ela levou-me a uma das casas de banho, onde lavei as mãos.
— Acho que me posso ir embora. — disse eu quando regressei à sala de estar onde Maria me esperava.
— Estás com pressa? — perguntou ela com um enorme sorriso nos lábios.
Só então reparei nos enormes volumes dela debaixo da blusa. Notava-se bem como o peito quase saltava fora do sutiã e isso deixava-me incomodamente atesoado. Com algum esforço, desviei os olhos do peito dela.
— Espera! — disse Maria, aproximando-se de mim.
Naquele momento, senti que algo importante iria acontecer.
— Acho que chegou a minha vez de te resolver o teu problema.— disse ela com um ar meigo.
— O meu problema! — exclamei com surpresa.
— Esse que aqui tens! — volveu a Maria, agora com voz um pouco sensual aproximando-se cada vez mais de mim — Este!
Julguei estar a sonhar! A mão dela agarra-me o piça por cima das calças.
Lembro-me que abri a boca com a surpresa.
— Não te agrada? — perguntou ela, afagando-me delicadamente o grosso talo.
— Sim, mas...
— Schit! — fez aquela mulher, pondo-me um dedo sobre os lábios, para que me calasse — Nada de mas!
Não disse mais nada. Limitei-me a apreciar aquelas festas sensuais que tanto me estavam agradar.
— Quero foder contigo! — disse Maria, quase em sussurro pouco tempo depois.
Ainda julguei ter ouvido mal. Mas quando ela me começou a desapertar o cinto e as calças e as puxou para baixo, compreendi que ouvira muito bem. Entusiasmado, comecei também a despir as cuecas mas aquela mulher não me deu tempo. Ela própria puxou-mas para baixo.
— Uhau! Isto é tudo teu? — perguntou Maria espantada — Tens um belo malho, excepcionalmente grosso, sabias?
Fiquei calado. Na verdade, nunca ninguém mo tinha ainda dito directamente. Mas já o tinha deduzido.
— Deita-te no chão. — ordenou Maria.
Obedeci num ápice. E se algumas dúvidas tinha ainda quanto às verdadeiras intenções dela, desfizeram-se completamente quando a vi levar as mãos debaixo da saia e despir cuecas. “Aquela mulher queria mesmo foder comigo!”, exclamei pensando estar ainda a sonhar.
Maria pôs uma perna de cada lado do meu corpo e acocorou-se até toda a zona vulvar ficar em contacto com o meu pénis.
— Gosto de me roçar por um bom mangalho! — exclamou Maria, roçando-se por ele.
Eu estava simplesmente deliciado! Pena que a saia dela me ocultasse todo aquele contacto entre as nossas partes genitais. Mas aquele roça-roça estava a excitar-me de sobremaneira.
— Oh! — gemi — Faz isso tão bem!
— Gostas? — perguntou ela, parecendo satisfeita com o meu comentário, roçando-se ainda mais por mim.
— Sim! — respondi superexcitado.
— Pois ainda vais gostar mais! — respondeu-me ela.
Vi-a erguer-se um pouco e meter a mão por baixo da saia e agarrar-me no pénis apontando-o à entrada da vagina.
— Ah!..... — gemeu Maria — Como é bom sentir as paredes da rata alargadas por um bacamarte grosso como o teu!
Eu estava delirante com os movimentos suaves dela a cavalgar-me .
— Há muito que não tenho um caralho como o teu dentro de mim! exclamou ela, aumentando um pouco o ritmo dos seus movimentos para cima e para baixo.
Eu estava cada vez mais admirado. Aquela mulher, que parecia tão fina e tão nobre quando a via, estava a portar-se como uma desbochada. Mas eu estava a gostar
— Fode-me! — instigou-me ela — Mexe-te!
“ Aquela mulher era na verdade excepcional”, pensei, começando a movimentar o meu corpo ao encontro do dela.
— Isso! Fode-me com esse teu caralho! — incitou novamente Maria, cavalgando-me cada vez mais rapidamente.
Eu estava a sentir um enorme prazer. E sabia que não demoraria muito tempo a vir-me.
— Oh! — gemi em já pleno êxtase.
— Isso, filho! — disse Maria — Fode! Vem-te dentro de mim!
O peito de Maria dançava dentro da blusa dela bem em frente dos meus olhos, enquanto eu a estocava. Sentindo uma vontade doida de agarrar aquele peito, estendi os braços e aparei-o nas minhas mãos. A seguir agarrei naqueles grandes peitos e apertei-os a medo nas minhas mãos, ao mesmo tempo que sentia uma onda enorme de prazer a partir do meus testículos.
— Isso! Apalpa-me o peito! Brinca com as mamas, enquanto me fodes com esse teu caralho bom! — exclamou Maria, ondulando a pélvis em cima de mim.
Eu estava já completamente desinibido. Agarrando com força aquele peito, sentiu uma onda de prazer subir-me pelo pénis acima.
— Venho-me! Oh!... estou a vir-me... — gritei, sentindo correntes de líquido a brotar do meu pénis .
— Vem-te! Vem-te dentro de mim! — incitava Maria — Enche-me com a tua esporra!
Fiz-lhe a vontade. O meu pénis deslizava agora melhor dentro de Maria, que não parava de gritar:
— Fode-me! Fode-me, que estou quase, também!.
Tentei aguentar. Mas para meu desespero. toda a minha carga já tinha saído e o meu pénis começou a amolecer. Por fim, com ele completamente murcho, saiu de dentro da vagina dela.
— Desculpe! Não aguentei! — tentei justificar-me ao aperceber-me da expressão de desconsolo de Maria.
— Tudo bem! — tranquilizou-me ela — Na próxima vez correrá melhor!
— Na próxima vez, eu até a podia lamber! — exclamei radiante por haver uma próxima vez.
Vi Maria arregalar os olhos de espanto.
— O quê? Tu eras capaz de me lamberes? — perguntou surpreendida.
— Era!
— Anda cá! — disse-me ela, agarrando-me pela mão e arrastando até ao quarto dela.
— Espera um pouco. — disse Maria entrando na casa de banho que dava para o quarto — Não fujas, enquanto me lavo — acrescentou rindo.
“ Fugir eu?", exclamei comigo mesmo.
— Agrado-te? — perguntou ela, pouco depois, quando saiu da casa de banho.
Acho que os meus olhos saltaram das órbitas. Todo aquele corpo nu era uma maravilha. Mas o peito!...
— A Sra. é maravilhosa! — respondi com olhos fixos no enorme par de mamas
— Vamos combinar o seguinte. Eu sou Maria, lembras-te? E quero que me trates por esse nome. Nada de Senhoras, está bem?
Eu disse que sim com a cabeça. Depois, ela agarrou-me na mão e puxou-a ao encontro da sua púbis — Vê como ela é sedosa! — exclamou, fazendo a minha mão passar pela mata alourada dela.
Não precisei que me ensinassem o que haveria de fazer. Passeando lentamente a minha mão pela pintelheira dela, esfreguei-a levemente até enfiar um dedo entre os grandes lábios vaginais. E o meu dedo, que já tem alguma experiência, depressa encontrou o clítoris.
— Oh! Tu, afinal sabes dar prazer! — comentou Maria com satisfação.
— Tenho alguma prática! — redargui com um sorriso.
— E não deve ser pouca, meu maroto! —respondeu-me ela.
De repente, senti-me a ser sofregamente beijado. A língua dela entrou pela minha boca a dentro explorando-a todo o seu interior. Não fui de modas. Retribui o beijo com igual ardor, mas sem deixar de lhe afagar prodigamente o clítoris dela, tentando excitá-la cada vez mais.
— Oh!... mete o teu dedo na minha cona! — gemeu Maria lascivamente.
— O que eu gostava agora era de ta lamber! — volvi.
Maria afastou-se repentinamente e, confesso, tive medo que ela tivesse ficado ofendida com o meu comentário. Mas não!
—É toda tua! Lambe-a! — exclamou Maria deitando-se na cama de pernas escancaradas.
Só sei que me atirei para o meio daquelas pernas abertas, caindo de gatas sobre a vagina dela.
— Uhh!... — gemeu Maria, quando percorri com a língua a vulva.
Lambia-a de alto a baixo toda a superfície encharcada com o muco gomoso que eu sabia ser produzido pela excitação em que estava a vagina de Maria. Um forte aroma impregnava-me as narinas. Não pude deixar de comparar aquele aroma e o sabor daquela goma de mulher adulta com os das raparigas que eu já lambera. Os de Maria eram muito mais fortes! Afastei ligeiramente o meu rosto da vagina dela de modo a visualmente poder apreciá-la melhor. No meio da espessa mata, estavam dois grossos e grandes lábios que protegiam um mucosa cor de rosa, centrada por um clítoris inchado. Um pouco mais abaixo deste, estava a entrada do túnel do amor.
“ Tenho que foder esta cona mais uma vez!”, pensei para comigo próprio. Mas primeiro, queria excitá-la ainda mais. Pondo um dedo no clítoris dela, comei a friccioná-lo lentamente, umas vezes em todo o seu comprimento, outras apenas em redor da sua pequena cabeça inchada.
— OH!... — gemeu alto Maria.
Percebi que devia estar a trabalhar bem. Pelos gemidos de Maria, todo o seu interior devia estar a ser invadido por ondas de prazer. O meu dedo percorria agora toda a superfície vulvar de alto a baixo só se detendo à entrada da vagina de Maria. Quando o meti dentro, foi como se aquela mulher tivesse entrado em erupção:
— ISSO! Fode-me com o dedo! Faz-me vir! — gritou ela quase louca de prazer.
Retirei o dedo e voltei a esfregar-lhe o clítoris e lambendo-lhe a entrada onde estivera momento antes o dedo. Mas Maria, nem por isso deixava de gritar:
— Ai! Auuuhhhh!.... esfrega-me!... lambe-me...
Aquela vagina era agora um mar de muco gomoso revolto por um corpo em fúria de prazer.
— Oh... fode-me. FODE-me! — gritou Maria histérica.
Galguei para cima dela, enfiando-lhe de uma só vez todo o seu pénis.
— Oh, caralho bom! Fode-me. Fode-me com ele. Fode-me com o teu caralho! — vociferava Maria, em total delírio de prazer.
Senti-me excitado com aquela linguagem, para mim surpreendente. Continuava em cima dela movendo-me energicamente para cima e para baixo, penetrando-a fundo. Também eu estava delirante. Aquela era a minha primeira foda numa mulher adulta. Os seios dela omprimiam-se contra o meu peito. Senti vontade de os ter nas mãos. Agarrei-os firmemente enquanto aumentei o ritmo do meus movimentos.
— Oh! Oh! Aperta-me o peito enquanto me fodes! Isso! Não pares!
Agarrei neles com força, quase fazendo doer as minhas próprias mãos, mas nem por isso, Maria se queixava. Antes parecia que lhe dava ainda mais prazer.
— Aperta-me as minhas mamas! Fode-me a rata!
— Estou a foder-te! Estou a foder-te e a agarrar nas tuas mamas boas! — gemi também de prazer.
— Sim! Fode-me e agarra-me nas minhas mamas boas! Mas faz-me vir! Preciso de me vir outra vez!
De repente, senti que estava prestes a vir-me mais um vez e tive medo que não conseguisse fazer com que Maria se viesse também e abrandei o ritmo dos movimentos. Mas ela não abrandou o ritmo do seu corpo e, para meu desespero, comecei a vir-me abundantemente.
— VENHO-me! — gritou ela subitamente — Venho-me! Não pares agora! Fode-me!
Quando eu já desesperava, senti que Maria tinha finalmente o seu orgasmo.
— Oh! Oooohhhh! — gemi também eu.
— Isso! Vem-te comigo! Vem-te, que eu me estou a vir contigo!
— Eu venho-me!.... Eu veeenhooo-meeee!.... — gritei de prazer.
— Vem-te, meu rapaz. Vem-te, que beeem o mereee.... eeeceeees!!.... — gemeu Maria uma última vez.
— Oooohhhh!!....
Foi o meu último gemido. Depois, só sei que caí sem forças em cima de Maria.
— Meu Deus! — exclamou subitamente Maria,— Tão tarde!
Depois de enorme esforço despendido ambos tínhamos adormecido, quase imediatamente, em cima da cama. À pressa, vestimo-nos e saímos para os nossos empregos. Eu poderia ter alguma flexibilidade no horário, mas nem por isso queria chegar muito atrasado.

Depois daquela manhã, voltámos-mos a encontrar a por várias vezes. O esquema era bem simples. Ela tinha ficado com o meu telemóvel e quando lhe apetecia... telefonava-me. A única condição que ela impôs, foi a de eu nunca lhe telefonar.

Posted by Erótico e Sensual at 12:16 AM | Comentários: (0)

Estonteante!!

Posted by Erótico e Sensual at 12:12 AM | Comentários: (0)

setembro 19, 2005

De vermelho

Posted by Erótico e Sensual at 01:16 AM | Comentários: (1)

Anedota - Pescaria

Um casal foi de férias, para um lago onde se podia pescar.
O marido adorava pescar ao amanhecer e a sua mulher gostava de ler.
Uma manhã, o marido voltou depois de várias horas de pescaria e decidiu deitar-se para uma pequena sesta. A mulher, então, decidiu sair a passear com o barco. Remou uma pequena distância, ancorou o barco e retomou a leitura do seu livro. Passado um bocado, apareceu um guarda junto do barco.
Chamando a senhora, disse-lhe:
- Bom dia minha senhora, que faz aqui?
- Estou a ler - respondeu ela, pensando se não seria óbvio.
- Encontra-se numa área de pesca restrita - continuou o guarda.
- Mas não estou a pescar! - ripostou a mulher.
- Sim, mas tem todo o equipamento. Terei que lhe passar uma multa.
A mulher, nem querendo acreditar no que ouvia,  responde-lhe:
- Se o Senhor Guarda fizer isso, eu acusá-lo-ei de violação!
- Mas eu nem sequer lhe toquei! - gaguejou o guarda guarda meio atordoado...
- Pois não, mas tem todo o equipamento! - respondeu-lhe ela com um sorrisinho  ...


 

Posted by Erótico e Sensual at 01:11 AM | Comentários: (0)

setembro 17, 2005

Anedota na Igreja

Um casal resolve levar pela 1ªvez os seu dois filhos de 8 e 7 anos á igreja. Sentam-se na primeira fila para que os filhos possam apreciar bem a missa. O problema é que miudos de 8 anos não costumam gostar de igrejas(principalmente estes). Vai daí e um deles adormece ferrado.
Mas por um azar desgraçado, o padre repara, e decide dar-lhe  um susto:
"Ei, meu menino, quem foi que criou o céu e a terra?"
O outro miudo, para ajudar o irmão, espeta-lhe uma valente  alfinetada no rabo, fazendo com que o desgraçado acorde em sobressalto grite:
"MEU DEUS!"
"Muito bem, meu filho" - diz o padre, pensando que se calhar o  rapaz não estava a dormir.
Passados 5 minutos o rapazito volta a adormecer, e desta vez o padre tem a certeza!!!
"Então e diz-me lá, quem foi o filho de Maria e José?
Outra alfinetada...
"JESUS!!"
O padre desta vez percebe o que aconteceu, mas não pode dizer nada. A resposta está certa!!! Mas o sono é uma coisa desgraçada e o  miudo volta a adormecer. Rapidamente o padre dispara mais uma pergunta:
"O que disse Eva para Adão quando eles acordaram no primeiro  dia?"
Antes que o irmão lhe voltasse a dar uma alfinetada o miudo grita:
"SE ME VOLTAS A ENFIAR ISSO NO CÚ DOU-TE UMA CHAPADA NA CARA!!!"

Posted by Erótico e Sensual at 05:49 PM | Comentários: (0)

Apimente sua noite e faça diferente

Uma das melhores coisas de um namoro - senão a melhor - é o sexo. Os casados garantem que sentem saudades da época que namoravam porque a vontade e a frequência das transas era maior enquanto os jovens não vêem a hora de casar para poderem transar todos os dias sem terem que se preocupar com horários, lugares ou em fazer tudo tão escondido. Tanto num caso como no outro, aproveitar para fazer alguma coisa diferente certamente seria uma experiência, assim, excitante para os dois.

Por isso, nada melhor que alguns toques sobre como bolar algo diferente para curtir esse dia ao lado do seu parceiro(a).

Se o relacionamento estiver no comecinho, recomenda-se surpresas mais comuns apenas com "um toque" diferente, como bombons ou flores acompanhados de óleos para massagens com um cheiro que agrade os dois ou até mesmo um joguinho de DADO ERÓTICO que tem várias posições sexuais. Nesse caso, o dado é lançado e a posição sorteada é a que o casal deve fazer.

Já quem estiver a fim de criar um clima todo especial pode preparar todo um ambiente para os dois. Nesse caso, é bom comprar algumas velas aromática e colocar uma música que os dois gostem e, se o lugar tiver uma banheira, colocar sais de banho.

Posted by Erótico e Sensual at 04:19 PM | Comentários: (0)

Na sala de casa

Como de costume, ficávamos assistindo TV na sala quando não saímos para canto algum.
Cada um ficava em um sofá, mas logo os olhares, as brincadeirinhas, eu pulava para sofá que ele estava.
Deitados no sofá, ele atras e eu na frente, ele começava a se esfregar em mim, colocava a mão na minha barriga e empurrava para trás, assim, passava a mão na minha bucetinha por cima da minha calça e sentia que já estava quente, a calcinha estava úmida...
Seu pau ia ficando duro e ele esfregava ainda mais na minha bundinha.
Nós nos levantávamos , ele me colocava encostada na parede, abaixava minha calça e depois minha calcinha, pois ele estava louco para sentir seus dedos na minha bucetinha, então ele começava a brincar com seus dedinhos lá dentro, seus dedos saiam melados com meu gozo.
Ele agachado no chão da sala, começava a chupar, lamber e sugar minha bocetinha com sua língua quente. Eu segurava a cabeça dele e apertava mais e mais na minha bucetinha carnuda.
Não estávamos sozinhos em casa, e tínhamos que fazer tudo muito rápido e com certo silêncio. Mas tudo isso era excitante..
Ele levantava e trocava de lugar comigo, ficava na parede e eu na frente dele , mas de costas. Na minha sala há um espelho e sempre transávamos nesse local, porque tornava a transa muito mais gostosa.
Eu começava a rebolar e ficava na ponta dos pés e sentia seu pau embaixo da calça querendo sair pra fora.
Ele pegava nos meus seios que estavam tão duros quanto seu pau e apertava e quando eu olhava para o espelho , o meu amor estava totalmente excitado.
Ele me colocava de quatro no sofá (no braço), eu empinava a bundinha e a bucetinha pra ele dar uma lambidinha , quando sinto ele invadindo minha bucetinha e eu gritando bem baixinho, ele enfiava de um só vez, bem forte, uma delicia, não tínhamos muito tempo... Segurava na minha cintura e empurrava meu corpo contra ele, parecia que queria me engolir com seu pau. Ele apertava minha bundinha, pegava no meus seios e metia seu pau gostoso...
Ele entrava,saia e eu empinava cada vez mais pra ele.
Falava vai, vai , vai logo e nós gozávamos gostoso....
Ele ajeitava a calça e corria pro banheiro e eu levantava a calça e a calcinha...
E ficávamos na sala com cara de paisagem rs....

Uma delicia, transar sem data e hora marcada, e com a gente sempre era assim. Era só nós nos encostar, que acendia o fogo. O que tornava a nossa vida sexual excitante era o improviso...transamos sem tirar toda roupa, na garagem, no corredor...mas isso , deixa pra próxima vez.

Posted by Erótico e Sensual at 11:48 AM | Comentários: (0)

Uma gata

Posted by Erótico e Sensual at 11:44 AM | Comentários: (0)

Na piscina

Estava de férias no norte do país com os meus pais, numa das muitas casas que os donos alugam durante o Verão. Os meus pais tinham saído naquela tarde para ver uma exposição de quadros a óleo. Como eu não aprecio, resolvi ficar em casa para me defender do calor insuportável que se fazia sentir. O mês de Agosto sempre foi quente naquela zona, mas naquele dia estava demais.
O telemóvel tocou. Do outro lado ouvi a voz de Pedro, um rapaz mais ou menos da minha idade, 23 anos, que eu conhecera na véspera. Era para me convidar para ir até à piscina dele. Aceitei de bom grado. Quando lá cheguei, estava lá um outro amigo dele. Estavam em fato de banho e já tinham mergulhado. Pedro apresentou-me o amigo. A primeira coisa que reparei foi como ele quase me despia com os olhos. Eu trazia uma blusa que me moldava o peito e uns calções igualmente justos. Deixei cair o meu olhar para baixo e reparei no enorme pénis dele por baixo dos calções molhados. Eu já não era virgem e as coisas do sexo há muito de deixaram de ter qualquer segredo para mim. Por isso depressa me apercebi como ele estava cheio de desejo. Olhei então para Pedro e, claro, para baixo ventre dele. Encontrava-se também atesoado. “Vai ser lindo!”, pensei. Não querendo dar muita importância ao assunto, despi a blusa e os calções e mergulhei na piscina. Eles depressa me imitaram. Mergulhámos várias vezes e demos várias braçadas. Algum tempo depois deitámo-nos na relva, ou melhor, deitei-me eu, ficando de costas com uma perna para cada lado. Interiormente, diverti-me imenso com os pretextos que eles arranjavam para se porem de pé e passarem à minha frente para me observarem a parte de baixo da cueca do biquini. E os pénis deles como estavam grandes. Mas eu também sou provocadora. Reconheço que o sou! Como que desprendidamente, perguntei pelos pais de Pedro. Disseram que não estavam. Então, perguntei se poderia tirar o sutiã do biquini. Os olhos deles quase pularam da cara. Disseram logo que sim e que podia tirar tudo o que quisesse. Sorri para eles, dizendo que bastava tirar o sutiã. Foi giro vê-los a olharem o mais discretamente que podiam para mim, enquanto conversávamos. O meu peito não é muito grande, mas é grandinho e os olhos deles quase saiam das órbitas.
“ Vocês nunca viram uma rapariga sem sutiã?”, perguntei eu a dado momento.
“ Já!”, responderam eles hesitantes.
“ Então, porquê esse ar de sedentos para mim?”, perguntei.
“É que nunca tivemos com uma assim tão perto”, respondeu Pedro.
“ Não queres também tirar a parte de baixo?”, atreveu-se a perguntar Afonso, o amigo de Pedro.
Sorri divertida. “Aqui não. Podem?nos ver.”, respondi com um sorriso.
“ Ninguém nos vê”, asseverou Pedro, desta vez com ar guloso.
Olhei para eles cada vez mais divertida com a situação. Os pénis deles pareciam saltar dos fatos de banho. De repente, quis ver até onde eles eram capazes de ir.
“ Tiro os meus calções se vocês despirem também os vossos.
“ A sério?”, perguntaram delirantes.
“ A sério!”, disse eu.
“ Então, tira!”.
“ Tirem os vossos primeiro.”, volvi.
Foi num ápice que desapareceram os calções dos corpos dos rapazes. Os pénis deles, grandes e erectos, estavam imponentes. Senti-me excitada a olhar para eles.
“ Então, não tiras os teus?”, protestaram os rapazes com a demora. Resolvi moer mais a situação.
“ Vocês estão muito excitados!”, disse eu olhando para os pénis deles.
“ Nunca viste o teu namorado assim?”, perguntou um deles.
“ Já!”
“ E o que lhe fizeste?”
Sorri-lhes sem dizer nada enquanto despia sem pressa os calções. Eles pareceram delirar com a vista.
“ Não queres fazer o mesmo connosco?”, perguntou Afonso, sempre o mais usado.
Até queria, pensei. Mas eu não estava para dar ali uma de barato. Queria gozar também. Sensualmente abri as pernas expondo toda a zona vulvar. Vi-os arregalarem os olhos ficando fixos naquela parte do meu corpo. Os seus pénis pareceram ficar ainda mais empinados.
“ Chupo o primeiro que me lamber.”, disse em tom de desafio.
Caíram os dois entre as minhas pernas tendo cada qual ser o primeiro a lamber-me. Nunca tinha tido duas línguas ao mesmo tempo na minha vulva e gostei da experiência. Mas assim também não podia ser. Eles eram demasiado impulsivos e eu gostava de gozar com mais calma. Afonso parecia ser o mais experiente e por isso chamei Pedro para junto de mim.
“ Deita aqui ao meu lado!”, disse eu.
Notei alguma contrariedade nele, mas obedeceu. Assim que ficou deitado, puxei-o para mim e beijei-lhe a boca ao mesmo tempo que eu pegava numa das mãos dele e a levava ao meu peito.
“ Beija-me e brinca com o meu peito!”, disse-lhe eu.
A minha boca foi beijada e os meus peitos chupados e acariciados.
“ Gosto das tuas mamas!”, exclamou Pedro, que depressa igualara a ousadia do amigo.
Gostei de mais esta experiência: sentir a rata lambida enquanto era beijada e chupada no peito. Levei a mão ao pénis de Pedro e massajei-o suavemente.
“ Oh!”, gemeu Pedro quando comecei a masturbá-lo.
Em baixo, ondas de prazer irradiavam para todo o meu corpo. A língua de Afonso tinha sido substituída pelo seu dedo no meu grelinho e este era esfregado, dando-me um prazer que não sonhava vir a ter naquela tarde. As ondas de prazer foram-se tornando cada vez mais intensas.
“ Oh!”, gemi eu desta vez, começando a contorcer-me com as sensações do orgasmo que se aproximava.
Afonso pareceu entusiasmar-se com o meu suspiro e enfiou um dedo dentro de mim sem afastar o outro do meu clitóris. O prazer era cada vez mais intenso e eu tive que abandonar Pedro. Eu estava quase no ponto e desejava ardentemente o pénis de um deles dentro de mim. Decidi aguentar mais um pouco. Queria ser penetrada apenas quando estivesse preste a vir-me.
Pedro continuava deitado a meu lado e eu tinha voltado a agarrar-lhe no pau esfregando-o com a mão. De repente, não aguentei mais.
“ Fode-me!” pedi de repente.
Afonso galgou para cima de mim afastando o amigo para o lado. Quando me penetrou, julguei ser bom demais.
“ Fode!” Pedi mais uma vez. Quando ele me enfiou eu já estava a vir-me. Mas sentir o pénis duro a mover-me dentro mim, foi o êxtase final. Eu vinha-me num orgasmo há muito necessitado. Aquelas férias com os meus pais eram um pouco controladoras dos meus movimentos e eu estava habituada a duas ou três quecas por semana. Enquanto nos vínhamos, rebolámos várias vezes na relva, ora ficando ele, ora ficando eu por cima. Quando nos acabámos de vir estávamos exaustos. Afonso sorriu para mim e beijou-me pela primeira vez na boca.
“ Nunca comi uma miúda como tu, sabias?”
“ Eu também gostei de o fazer contigo!”
“ Tratas agora do Pedro enquanto vou dar um mergulho? Afinal, ele é o dono da casa!”
Disse que sim com a cabeça. Vi Afonso erguer-se e dirigir-se para a piscina. Ergui-me também e aproximei-me de Pedro, que continuava de pau em riste. “Vou fazer-lhe o melhor felaccio tua dele.”, decidi. Havia ali uma árvore e encostei-o contra ela. Pela segunda vez naquela tarde, peguei nas mãos dele e levei-as ao meu peito enquanto roçava os meus lábios pelos dele. As minhas mãos agarraram no pénis dele e massajaram-no de alto a baixo enquanto o meu peito era trabalhado. Eu tinha agora uma mão nos tomates dele e a outra mão esfregava-lhe o pénis de alto a baixo. Senti Pedro arfar de prazer de excitado que estava. Comecei a descer a minha boca pelo corpo dele abaixo sempre aos beijos. Sem largar a ferramenta dele, beijei-lhe pescoço, o peito, o umbigo e finalmente os tomates. Depois….
“ Ooohhh!…” ouvi gemer Pedro quando fiz desaparecer de uma só vez o pau dele dentro da minha boca.
Eu estava de cócoras aos pés dele e a minha posição era uma pouco instável. Levei as mãos ao rabo dele e continuei. Só a minha boca trabalhava naquele pau duro. A minha língua percorriam-no de alto a abaixo sem esquecer os tomates para depois voltar a metê-lo na minha boca. De repente, ele veio-se sem aviso prévio. Um jacto de líquido quente atingiu-me a garganta, e depois outro e outro. Sem o tirar da minha boca, agarrei no pau dele punheteei-o por entre chupadelas. Desde miúda que o fazia, e nisto eu sabia que era mestra em dar prazer. Quando senti que Pedro não tinha muito mais para deitar cá para fora e o pénis começa a murchar, tirei a mão dele e apenas a minha boca continuou a chupá-lo. Há muito que os meus anteriores namorados me ensinaram que gostavam de continuar a serem chupados mesmo depois de se virem.
Quando terminámos e caí finalmente no chão, olhei para Afonso que nos observava de perto. Tinha o pau novamente erecto e olhava com ar guloso para mim.
Subitamente, ouviu-se o portão a abrir-se. À pressa, apanhámos os nossos fatos de banho, vestimo-los e atirámo-nos para a piscina. Quando os pais de Pedro apareceram, viram três jovens a refrescarem-se, nadando calmamente na piscina.


Posted by Erótico e Sensual at 12:42 AM | Comentários: (0)

Anedota do Médico

Reunião semanal da equipa médica do hospital. Na ordem do dia, uma acusação da enfermeira Joana contra o doutor André. Este ter-se-ia dirigido a ela com termos impróprios. O director diz:
- Este tipo de atitude é inadmissível neste hospital. O senhor tem algo a dizer em sua defesa?
O médico responde que está envergonhado pelo ocorrido, mas que há circunstâncias atenuantes:
- Deixe-me explicar como aconteceu. De manhã, o meu despertador não funcionou. Quando eu vi as horas, pulei da cama, prendi o pé no cobertor, caí de cabeça no chão e parti o abat-jour. Depois, enquanto fazia a barba, tocou a campainha e eu cortei-me. Era um vendedor de enciclopédias e, para
me livrar dele, acabei por comprar uma de 12 volumes. Quando fui tomar o pequeno-almoço, o meu café, estava frio e as torradas queimadas. Fui para a garagem e escorreguei numa poça de óleo da moto do meu filho. Ao darà ignição do meu carro, reparei que a bateria estava descarregada. Tive que
chamar um electricista que me fez perder uma hora e 20 contos. Eu devia era ter apanhado um táxi porque, ao chegar ao estacionamento do hospital, acabei por bater num outro carro... O médico pára um instante para recuperar o fôlego e continua:
- Quando finalmente me sentei na minha cadeira, a enfermeira Joana entra e pergunta-me:
- Doutor, acabaram de chegar 72 termómetros. Onde devo enfiá-los?

Posted by Erótico e Sensual at 12:34 AM | Comentários: (0)

Coisa gostosa

Posted by Erótico e Sensual at 12:04 AM | Comentários: (0)

setembro 16, 2005

Andrielle

A história que vou contar aconteceu com minha namorada Andrielle. Fazemos de tudo na cama e adoro escrever cada detalhe, pois ela é realmente muito gostosa e adoro possuí-la na cama.
Bom, adoramos experimentar coisas novas e certo dia, quando estávamos no maior tesão, ou melhor, nas "preliminares" ainda de roupa ela disse que gostaria de me sentir fodendo ela bem fundo. Eu tirei toda a roupa dela e logo pude ver a bucetinha linda e os peitinhos perfeitos que não me canso de apreciar. Os biquinhos já estavam duros e logo enfiei minha boca naqueles peitos maravilhosos que eu tanto adoro. Chupei muito e logo ela já estava louquinha pra mim... Fui descendo e beijando todo o corpinho dela até chegar na xaninha já molhada de tesão. Chupei um pouco e ela me pediu pra colocar o caralho e começar a fodê-la.
Eu, bem sacana, comecei a esfregar a cabeça do pinto na entradinha da buceta dela, e ela ficou gemendo muito e dizendo: "... vai meu amor, mete na minha bucetinha e fode do jeitinho que só tu sabe meu tesão...". E eu, não resistindo, fui empurrando cada centímetro pra dentro daquele buraquinho tão apertado. Comecei os movimentos de vai-vem e logo fui acelerando, ao passo que ela gemia e me puxava contra o seu corpo.
De repente, ela me disse pra tirar e colocou as pernas bem pra cima dizendo "quero te ver metendo esse cacete todinho em mim até eu gritar de tesão! Quero te sentir bem fundo dentro de mim..."
Sem pensar duas vezes, meti de uma vez só e ela soltou um grito de dor e prazer, sempre pedindo pra que eu fodesse ela todinha. Fiquei cerca de 4 minutos entrando e saindo até que ela não aguentou e gozou muito para mim, ao passo que eu gozei junto, só de vê-la naquele estado. Ela abaixou as pernas e ficamos ofegantes por alguns minutos, mas não tirei o caralho de dentro dela, e quando tirei, ele saiu completamente molhado.

Posted by Erótico e Sensual at 11:53 PM | Comentários: (0)

Bolas tailandesas e cones de estimulação

Conjunto de 5 bolas para penetração anal ou vaginal. Exercita e estimula a musculatura da pélvis.

Cones com pesinhos especiais para exercitar a musculatura da vagina pela técnica do pompoarismo. Há mais de 1500 anos as tailandesas desenvolveram esta técnica que trata-se de uma fisioterapia com o objetivo de fortalecer os músculos da vagina previnindo a queda da bexiga, queda do útero, incontinência urinária e cirurgias desnecessárias. Em alguns casos, observou-se a redução ou eliminação de cólicas menstruais. Os pesos também podem ser usados para fisioterapia em mulheres com dificuldades de aceitar a penetração. Proporciona também melhor prazer durante o ato sexual. Acompanha um folheto explicativo de exercícios e informações gerais. Várias medidas de pesos. Material esterelizado, inócuo a saúde. Existe em diversos pesos de cones.

Posted by Erótico e Sensual at 10:50 PM | Comentários: (0)

Posição deliciosa

Costumávamos sempre ir em motéis, e sempre tínhamos que esperar, sabe fim de semana, todo mundo quer dar umazinha .
Dentro do carro, já começavamos as brincadeirinhas..e ele abria sempre a sua calça e pedia pra dar uma chupadinha no seu pau e era muito engraçado, porque ele ficava de olho no cara que comandava as entradas no quarto, o cara ia pra um lado, eu chupava ou pegava na mão , o cara passava perto ele colocava a camiseta pôr cima.
Eu já estava molhadinha pra ele...
Bem , eu adorava vestir lingeries pra ele, no começo tinha vergonha, mas depois fique sem vergonha e também o tamanho da calcinha foi diminuindo
Ele adorava qdo colocava uma preta bem pequenina,que sumia em meu bumbum de 102 cm...
Bem no quarto, eu já estava pronta pra ele e aquele pau duro e quente pra mim.
Ele adorava minha bucetinha , bem raspadinha....
Na cama beijávamos freneticamente e em poucos minutos já estávamos sem roupa.
Ele adorava beijar minha perereca ( nome carinhoso que ele deu) então abria bem a perna pra ele e falava vem logo Bruno e ele começava a beija – la com aquela boca quente, enfiava a língua e sentia meu cheiro, meu sabor, eu me contorcia toda e queria fugir ...

Quando ele voltava a beijar , sentia meu próprio gosto, antes nunca havia sentido...
Me beijando, com meus seios durinhos, ele colocava seus dedinhos maravilhoso no meu clitóris e começava a massagem dos Deuses..
Quando virava a bundinha pra ele , ele já sabia o que queria mais isto eh outro conto erótico.
Ah essas horas , ele já estava em ponto de bala.
Aprendi a fazer sexo oral com ele, e acho que usava muito bem, uso muito bem minha língua quente.
Ele ficava louco, quando eu pedia de quatro, e adorava ver ele enfiando na minha bucetinha de frente pro espelho, ele ficava tão louco que nas ultimas vezes dava ate um tapinha..( mas nessas horas um tampinha não doi ...). Eu ficava descabelada, gritando, gemendo e me transformava na sua putinha, só dele, naquele quarto de motel. Ele enfiava devagar e depois rápido, falava pra ir + rápido , como já estava louco enfiava tudo na minha bucetinha molhada e puxava meu cabelo pra beijar minha boca. Era muito bom.
As vezes não agüentava o peso do corpo dele ,ele com 1:76m ou 1:78m e eu com meus 1:63m, caia e ele continuava , eu gemia de prazer, ele ficava o louco com as caras que fazia...
Já não aquentávamos mais, ele ia bem forte e gozavamos, meu gemido acordava até os vizinhos de quarto rs... Beijavamos e ficavamos exaustos..Mas Felizes.

Posted by Erótico e Sensual at 09:26 PM | Comentários: (0)

Formosa

Posted by Erótico e Sensual at 07:49 PM | Comentários: (1)

Anedota do Padre

O novo Padre da paróquia estava tão nervoso, no seu primeiro sermão, que quase não conseguiu falar.
Antes do seu segundo sermão, no Domingo seguinte, perguntou ao Arcebispo como poderia fazer para relaxar, e este sugeriu-lhe que na próxima vez, colocasse umas gotas de vodka na água, e que depois de uns goles estaria mais relaxado.
No domingo seguinte aplicou a sugestão e sentiu-se tão bem, que poderia falar alto até no meio de uma tempestade, de tão feliz e descontraído que se encontrava.
Depois de regressar à reitoria da paróquia encontrou uma nota do Arcebispo dizendo:


"Prezado padre:


1 - Na próxima vez coloque gotas de Vodka na água e não gotas de água no Vodka.
2 - Não coloque limão e açúcar na borda da taça.
3 - O manto da imagem de Nosso Senhor Jesus Cristo não deve ser usado como guardanapo.
4 - Existem 10 Mandamentos e não 12.
5 - Existiram 12 Apóstolos e não 10.
6 - Não nos referimos à Cruz como "aquele T grande".
7 - Não nos referimos ao Nosso Senhor Jesus Cristo e seus Apóstolos como "JC e sua Banda ".
8 - David derrotou Golias com uma funda e uma pedra, e nunca teve nenhuma relação sexual com ele.
9 - Não nos referimos a Judas como "Filho da P.....".
10 - O Pai, O Filho e O Espirito Santo não são "O Velho, o Júnior e o Aparecido".
11 - A Hóstia não é pastilha elástica, portanto evite tentar fazer balões.
12 - Backstreet Boys não estava na relação de músicas do coro..
13 - Evite apoiar-se na imagem de Nossa Senhora, muito menos abraçá-la.
14 - A iniciativa de chamar o público para dançar foi muito plausível, mas fazer trenzinho e correr pela igreja, não.
15 - Limite-se a sermões sobre religião e evite falar de futebol e política.
16 - Água benta é para se benzer e não refrescar a nuca.
17 - Nunca reze a missa sentado na escada do altar, muito menos com o pé sobre a Bíblia Sagrada.
18 - As hóstias devem ser distribuídas para o povo e não usadas de aperitivo para acompanhar o vinho.
19 - Nem Bruce Willis nem Sharon Stone estavam na Reencarnação de Cristo.
20 - Aquele pregado na cruz era Jesus Cristo e não Raul Seixas.
21 - Vale e Azevedo não é Director Financeiro da Igreja Católica.
22 - Procure usar roupas debaixo da batina. Evite abanar-se com a batina quando estiver com calor.
23 - O nome do Papa é João Paulo e não Roberto Carlos, e nenhum dos dois fez dupla com Quim Barreiros.
24 - Numa missa não se fazem perguntas ao público, nem existem cartas e universitários.
25 - Aquela "casinha" era o confessionário e não a casa de banho. Pelos 45 minutos de missa que acompanhei, notei essas falhas. Relembro que uma missa leva em torno de 1 hora e não 2 tempos de 45 minutos. Espero que tais falhas sejam corrigidas já para o próximo domingo.


             Atenciosamente,


              O Arcebispo



PS: Aquele sentado no canto do altar, ao qual se referiu como "travesti de saia", era eu.

Posted by Erótico e Sensual at 11:28 AM | Comentários: (0)

Aconteceu no Carnaval

A história que vou lhes contar aconteceu comigo nesse carnaval (2004), meu nome é Bruno, tenho 20 anos e sou do tipo que as garotas acham bonitinho. Sempre viajo nessa época, pois não gosto muito da badalação do trio elétrico.


Mas esse ano foi diferente. Meus tios resolveram viajar para casa de uns amigos então meu primo me chamou pra passar os dias de carnaval na casa dele, pois seu irmão havia viajado e ele não queria ficar sozinho. Lógico que eu adorei a idéia porque na casa dele mora a doméstica mais gostosa do mundo!!! Simoni tem os seios grandes e durinhos, tem uma bucetinha super volumosa me excita demais quando ela usa seu shortinho de lycra. Há muito tempo que eu já vinha tentando seduzi-la, mas nunca tinha resultado. Na segunda noite, eu já estava absolutamente louco de tesão e não agüentaria mais tempo sem comê-la. Enquanto tomava banho toquei uma deliciosa punheta pensando naquela buceta maravilhosa. Nessa mesma noite eu e meu primo fomos dar uma olhada na Barra e acabamos ficando por lá, só voltando pela manhã.


Como já eram 6:00 eu resolvi que não iria mais dormir, ao contrário do meu primo que estava exausto. Como eu estava morrendo de fome fui procura Simoni para que ela colocasse meu café. Chegando no quarto dela presenciei uma coisa maravilhosa... Simoni tocando uma siririca tão profunda que nem sequer percebeu a minha presença. Mais ou menos uns 30 segundos depois bati meio sem jeito na porta e ela ficou, pra minha surpresa, bastante contente com minha presença... Olhando-me de cima a baixo logo percebeu que meu pau estava duríssimo, então ela perguntou se eu gostei do que tinha visto. Respondi que sim, mas aquilo, em minha opinião não era coisa pra se fazer sozinha...


Nesse momento ela deu um sorrisinho maroto e disse: "você quer me ajudar então?"... Meus amigos, eu quase gozo ali mesmo, naquela hora!!!! Como ela ainda estava com as pernas abertas, não resisti a lamber aquela xana que eu tanto desejava. Ela não aparava os pentelhos e mata acima de sua boceta era absolutamente enorme, o que me deixou mais excitado ainda, pois adoro mulheres com pentelhos grandes. Escrevi o alfabeto todo com a língua em sua boceta, fazendo-a gemer loucamente de tesão... Simoni se contorcia e gemia a esmo, o que me deixava louco e preocupado ao mesmo tempo. Se meu primo acordasse não sei qual seria sua reação. Ela gemia cada vez mais alta pedia que eu enfiasse toda a minha língua naquela xaninha molhada... Ela gozou na minha boca, me fazendo muito feliz...Invertemos as nossas posições, agora era ela que chupava meu pau feito uma louca. Introduzia meus 17 cms de cacete na boca como se fosse um pequeno pirulito. Logo que largou minha pica, Simoni ficou de quatro e pediu que eu metesse com toda a força... Claro que não pensei duas vezes... Enquanto introduzia todo o meu mastro naquela boceta fogosa apertava aqueles seios durinhos.


Os gemidos gostosos de Sil e o barulhinho das estocadas me deixaram em um grau de excitação fora do normal...Não resisti e joguei todo o meu néctar naquele rabo empinado! Nossa, eu estava acabado, quando fui me levantar para sair ela não deixou. "Ainda não acabei com você!". Então ela começou a chupar meu pau novamente e logo ele estava de volta à ativa. Quando eu já estava quase em ponto de bala, Simoni colocou meu cacete entre suas tetas e iniciou uma "espanhola" espetacular...O vai-e-vem naquelas mamas enorme me fez delirar de prazer. Deitei na cama e sil ficou por cima. Cavalgava em mim como se estivesse encima de um cavalo selvagem... Sua vagina pingava de tanto prazer, ela rebolava gostoso demais sobre o meu cacete, deitava sobre mim me dando condições de chupar seus seios gostosos. Ela gozou abundantemente pela segunda vez!


Então Sil me pediu para que eu realizasse uma fantasia antiga dela... Comê-la enquanto ela falava com seu namorado. A princípio concordei, mas depois me dei conta que o telefone ficava perto do quarto onde meu primo dormia, e já eram 8:40... Mas eu estava com tesão demais para pensar nos riscos! Então descemos e nos dirigimos ao telefone. Estávamos muito suados e se meu primo nos visse, lógico que iria desconfiar, por isso antes dei uma passadinha no quarto para ver se ele ainda dormia. Quando fui pra sala ela já estava ligando pra ele e ao me ver se apoiou na banquinha do telefone e empinou aquele rabo gostoso...Enquanto os dois conversavam eu brincava roçando a cabecinha do meu pau na grutinha dela. Sil revirava os olhos e e mordia os lábios feitos uma vadia profissional. Foi muito gostoso comer o cú dela enquanto ela jurava amor e fidelidade ao namorado. O cuzinho de Sil era super apertadinho, dava pra sentir meucacete latejando dentro do rabo dela... Enfia gostoso no cú enquanto introduzia meus dedos em sua xana encharcada de prazer. O cheiro de sexo já tinha tomado toda a casa... Gozei novamente, só que dessa vez dentro do rabinho maravilhoso dela.


No outro dia ainda transamos mais, a comi em todas as posições que vocês imaginarem encima da cama de meus tios... Foi demais!

Posted by Erótico e Sensual at 01:30 AM | Comentários: (0)

Mais uma beleza

Posted by Erótico e Sensual at 01:10 AM | Comentários: (0)

Jogos Eróticos

Jogo Kamasutra

Joga-se em duas fases. Primeiro joga-se o jogo Shiva para aquecer com jogos preliminares. A mulher retira uma carta prelúdio Shiva e ele faz o mesmo. Cada carta sugere propostas de aquecimento sexual. As cartas Shiva femininas têm jogos como tomar um banho de água quente e depois fria para despertar os sentidos, deliciar o homem com uma dança erótica ou pintar o corpo. As Shiva masculinas brindam a possibilidade de vendar os olhos, trocar de papéis ou relaxar mediante massagens sensuais.

Uma vez superada esta fase, as cartas Sakhti dispõem uma postura para os amantes, uma acção (beijar, acariciar, lamber, chupar, arranhar, morder, beliscar, massajar e penetrar e uma zona do corpo a que deve dedicar estes cuidados intensivos (cabeça, barriga, costas, peito, rabo, pés, maõs, pénis, vagina, etc.


Jogo Romeu e Julieta Love Tubes

Uma viagem romântica onde a imaginação amorosa não tem limites. Este jogo erótico é composto por um tabuleiro, 2 dados, 2 peões, 2 livros e regras do jogo.
Regras do jogo : Deverá mover-se pelo tabuleiro, respondendo acertadamente a perguntas ou realizar com êxito missões eróticas. O último a chegar receberá um castigo amoroso (descrito num livro especial ) das maõs do vencedor. Exemplos práticos:

Perguntas : “Quem é o seu sex-symbol e porquê ? “ ou “ Qual foi a relação sexual mais espectacular que já teve ?”

Missões : “ Tem dois minutos para encontrar um objecto que o seu adversário escondeu em alguma parte do seu corpo” “Olhe a sua amante nos olhos e faça-lhe uma declaração de amor romântica” “O perdedor deve dar prazer oral ao vencedor, seguindo todas as indicações para atingir o orgasmo”.

Posted by Erótico e Sensual at 12:37 AM | Comentários: (0)

setembro 15, 2005

Bela lingerie

Posted by Erótico e Sensual at 10:36 PM | Comentários: (0)

Aventura no capô do carro

Depois dos 26 anos eu fiquei mesmo muito assanhada.

Acho que na verdade sempre fui mas tinha um pouco de vergonha.

Minha amiga e eu combinamos de sair para nos encontrar com os amigos dela e irmos em uma festa de aniversario.

Eu fiquei atordoada quando revi o Paulo, nós já nos conhecíamos há algum tempo e no passado tínhamos ficado juntos algumas vezes

Era um moreno de olhos verdes. Ai...meu Deus...já estou tremendo toda!!!!

Chegando lá Claudia me apresentou para todos, sentamos e começamos a conversar.

Minha amiga já me olhou e sacou que eu estava babando pelo Paulo. Eu não tirava os olhos dele. E ele também me parecia gostar de tudo. Noite vai. noite vem Paulo e eu fomos dançar.

O safado já saiu me abraçando. Ele me encarou e disse que eu estava muito mais bonita. Fiquei arrepiada com aquele braço todo me envolvendo mas fiz jogo duro. Não queria perder a linha. Até que depois de dançarmos muito e eu já estava meio altinha com algumas cervejas.

Ele me convida para sairmos da festa e darmos uma volta para espairecer. Eu não sabia muito bem o que ele queria, fiquei meio assim, me fazendo de difícil mas ele era muito irresistível e acabei concordando.

Saímos de carro pelas ruas de São Paulo, até que ele disse que me levaria para um lugar discreto e que também era muito perigoso ficar no carro nas ruas de sampa.

Ele, o safado, me levou para um Drive In.

Chegando lá mal estacionou o carro e me agarrou me dando um beijo que me deixou sem fôlego. Disse que eu era muito gostosa e que esperava por esse momento, fazia alguns anos rs.

Ele passou a mão na minha perna, começou a beijar minhas orelhas, meu pescocinho e me dando outro beijo enfiou a mão por baixo da minha saia e alisando a minha bucetinha. Tirei a mão dele, porque não havia tanta intimidade entre nós. Ele insistindo, somos solteiros, maiores de idade, nos conhecemos há algum tempo, só perdemos o contato porque cada um seguiu sua vida...

Ele abaixou o banco, ele acariciou minha blusinha e meu soutien me alisando. Ele tirou meus seios, chupando meus peitinhos me deixando alucinada. Ele acariciou minha calcinha tanto que por fim a calcinha estava enterrada na minha bucetinha. Irresistivelmente eu gozei, com aquela boca me chupando toda me lambendo mordiscando meu peitinho.
Ele então abriu a porta do carro e disse para sairmos. Me deitou em cima do capô...eu estava só de saia e sandalhinha. Ele alisando minha cinturinha e me beijando, baixou minha calcinha até o joelho eu nem me movia, estava parada e surpresa com tudo aquilo.
Tirou minha calcinha e começou a chupar minhas coxas virilhas , quando ele encostou a língua na minha bucetinha ensopada eu dei um gemido, gemia alto. Aquilo me deixava mais doida ainda. quando ele parou, abriu o ziper da calça e botou seu pau pra fora. Nossa, fiquei boqueaberta. Me pegou pelos cabelos e me deu um beijo de língua que há muito tempo não recebia.

Depois disse, eu estava de pernas bambas...ele me sentou calmamente em cima do capô, e disse que eu tinha que levar ferro. Eu deitei meu corpo sobre o capô e o ele com as duas mão levantou e abriu minhas pernas e começou a enfiar toda aquele pau. Ficou um tempo parado com aquilo tudo dentro de mim. Depois começou a bombar.Eu me contorcia toda, ele metia fundo tirava quase tudo e depois botava de novo. Paulo enfiava com força sem pena, eu gemia e muitas coisas passavam na minha cabeça.

Até que ele para. Paulo pediu para ficar de pé ( eu quase não conseguia de tão bamba!). Me colocou inclinada de bruços no capô abriu minhas pernas e com as mãos na minha cintura ele roçava aquele pausão na minha bucetinha molhada. Olhei para trás, e quando vi de novo aquele pausão enorme fiquei meio que com medo. Ele roçava aquele pau na minha xaninha e segurou firme minha cintura e deu uma estocada forte que me fez gritar. Tentei sair dali mas ele me segurava com força e dizia pra eu relaxar que logo logo ia entrar tudo. Novamente ele para e fica com aquilo lá dentro. Me pega pelos cabelos e me dá um beijo. Começa a meter, devagar tira tudo e enfia denovo. Eu estava toda excitada, então , desencanei e comecei a rebolar e gemer e falava mete tudo, você não estava esperando por este momento...Sempre quis algo mais comigo...aproveita.

Ele gozou muito e disse, putz fica comigo, sempre te quis, vamos ficar juntos...

Depois disso, entramos no carro e bebemos algo e retornamos a festa para reencontrar todos, que por sinal já deviam estar sentindo nossa falta. Na despedida, ele com o mesmo sorriso me olha fundo nos olhos e me dá mais um beijo e fala pensa no que te falei....
Te quero, você sabe, pensa sobre o que aconteceu....


Posted by Erótico e Sensual at 09:35 PM | Comentários: (0)

Uma ninfa linda

Posted by Erótico e Sensual at 08:50 PM | Comentários: (0)

Sandra Alionco

Posted by Erótico e Sensual at 04:42 AM | Comentários: (2)

Director Financeiro


"Mudei de emprego recentemente. Logo após dois dias de trabalho fui apresentada ao meu chefe: o director financeiro da empresa.
Assim que lhe fixei o olhar, repidamente percebi que não ía ser indiferente aquele homem bonito e bem constituído fisicamente.
Apesar de eu ser casada, a minha relação deixava muito a desejar em termos de sexo e rapidamente a minha mente foi invadida por fantasias sexuais com o director financeiro.
Rapidamente começamos a trabalhar juntos e por vezes ele se sentava na minha mesa ao meu lado e era inevitável o meu olher se desviar e imaginar aquele pau de carne teso e percorrido de veias capaz de me fazer dar uivos de prazer.
A nossa relação profissional foi-se desenvolvendo e nos entendiamos bastante bem. No entanto, meu coração continuava a bater muito forte sempre que ele se aproximava um pouco mais de mim.
Certo dia acabámos por ficar a fazer algum trabalho extra e acabámos, também, por ficar sozinhos na empresa... e tudo aconteceu.
Estavamos de pé e as minhas mãos se dirigiram ao seu pau, descrevendo suaves massagens. Olhei-o nos olhos e senti para além de surpresa, desejo.
À medida que a palma da minha mão descrevia pequenos circulos sobre as suas calças e sobre o seu pau, centímetros de carne iam crescendo e enrijando para mim.
Rapidamente ele me desapertou a blusa e começou a acariciar as minhas mamas e os meus mamilos.
Desapertei as suas calças e rapidamente uma pau de carne espreitou, mostrando os seus mais de 25 cm de comprimento e toda a sua grossura. Que pau de carne, meu Deus!!!!
Desci com a minha boca até ele e o começei a chupar. Entrava e saída da minha boca, descrevia pequenos círculos. Ele por sua vez estava logo de prazer. Me agarrou nos cabelos e ele próprio ajudava aquele louco frenesim de vai e vem na minha boca.
Completamente louco de prazer, ele me fez levantar, desapertou as minhas calças e me colocou de quatro em cima da minha secretária. Naquele momento percebi que iria ser, pela primeira vez, comida por trás. Então senti a sua cabecinha roçar o meu "O" enrugado, tentando fazer pressão para entrar. 2 cm, 5 cm, 15 cm e de repende entrou todo dentro de mim rapidamente. Com a surpresa soltei um grito misto de dor e prazer.
O gozo começou. Ele desenfiava o caralho do meu cu, para mo voltar a enfiar. Surgia reluzente, para voltar a entrar. Então de repente sussurrei: "Não te mexas" e com o caralho todo enfiado no meu cu comecei a descrever circulos que iam sendo cada vez maiores. Acabámos por nos vir os dois quase em simultaneo, em sacudidelas e gritos de prazer.
Por fim virou-me para ele e me começou a beijar e a acariciar com a ponta da sua língua os meu tesos e luzidios mamilos. Imediamente senti de novo o seu caralho a crescer. A nossa aventura ainda não tinha terminado.
Me sentou em cima da minha secretária e desceu com a sua língua até à minha cona. Começou a dar pequenas dentadas no meu clítolis e a enfiar a sua língua na minha cona. Começei a ficar humida de saliva e de prazer.
De repente, colocou as minhas pernas sobre os seus ombros e se levantou, tendo a minha cona ficado completamente à mercê daquele caralhão. De uma só vez enfiou-se todo dentro de mim. Rasgava-me, queimava-me, dividia-me em duas. O seu ritmo aumentava a cada enterradela do seu membro. Fodemos freneticamente durante 7/8 minutos. Estavámos completamente exaustos, mas satisfeitos de tanto gozo.
Aquele massarpo pintelhudo e percorrido de veias era a minha perdição e a minha loucura.
Neste momento, estou à espera dela para fazermos mais um "serão". Terei mais histórias para contar?"

Posted by Erótico e Sensual at 01:34 AM | Comentários: (0)

setembro 14, 2005

Josie Zillie

Posted by Erótico e Sensual at 05:06 PM | Comentários: (1)

Bela

Posted by Erótico e Sensual at 03:46 PM | Comentários: (0)

Bella da Semana

Flavia Reinert



Posted by Erótico e Sensual at 01:23 PM | Comentários: (0)